TECENDO A CIDADE

 

A décima quarta edição da revista V!RUS quer discutir os processos que concorrem para a constituição da cidade, priorizando a ação dos diferentes atores que continuamente a tecem, em suas distintas dimensões: do espaço físico ao seu hibridismo com a esfera virtual, da escala dos mobiliários, equipamentos e edificações à abrangência urbana e territorial, das intervenções temporárias aos projetos de requalificação espacial duradoura, das transformações via planejamento e políticas públicas àquelas decorrentes da ação direta e cotidiana dos habitantes. Entender o entrelaçamento dinâmico dessas questões a partir de perspectivas distintas mas concorrentes - histórica, tecnológica, político-administrativa, artística, ambiental, comportamental etc. - é objetivo desta chamada.

A ideia de que a cidade é continuamente tecida a muitas mãos deriva do entendimento sistêmico proposto pelo chamado pensamento complexo, que define complexidade como tecer junto, ou com-plectere, em sua forma latina. Locus onde reverberam os grandes fluxos do planeta, a cidade contemporânea é produzida por múltiplos atores, de gestores públicos, planejadores e estudiosos a grupos empresariais privados, organizações do terceiro setor e, em especial, por seus habitantes em geral, entre tantos outros.

Desde a dicotomia centro-periferia, a cidade viu-se transformar-se em um território pontuado por enclaves de exclusividade ou de marginalização, sucedido pelo embaçamento de suas zonas de fronteiras físicas. De fato, com o advento dos meios digitais, a vida urbana desenvolve-se simultaneamente nas esferas física e virtual: vivemos na cidade do Urbe, do Wave, do Airbnb, mas também, e sobretudo, do WhatsApp e das redes sociais online.

Cidade-mercado ou cidade para pessoas, cidade do pensamento único ou lugar de coexistência de diferenças, quem tece a cidade? Segundo quais interesses? Através de quais realizações? Com que métodos mapear tais processos? Com que linguagens registrá-los?

Além de trabalhos abordando os assuntos acima e suas inter-relações, são bem-vindas contribuições que tratem dos espaços do habitar e da diversidade de modos de vida; de ações da sociedade organizada como os movimentos sociais, étnicos e de gênero; da mobilidade, acessibilidade e deslocamento físico nas cidades; das formulações específicas da arquitetura e do design confrontadas a ações transdisciplinares; do papel das áreas verdes enquanto espaços de vivência coletiva em parques, hortas comunitárias e corpos d'água; do papel da universidade enquanto ator social e produtora de pesquisas conjuntas com e para a sociedade; do papel da informática no desenvolvimento de software e hardware para mapeamentos e simulações de processos urbanos, em plataformas GIS, BIM e CIM e aplicações de realidade aumentada e virtual; do papel do audiovisual na construção de leituras, expressões e documentação de dinâmicas da cidade e seus sons; de ações e debates na área da cultura relacionadas às artes de rua e à cultura maker.

Além de textos e imagens estáticas, são bem-vindos ensaios fotográficos, vídeos, filmes curtos, animações e gifs, peças sonoras, musicais e depoimentos em arquivos de áudio,  projetos de instalações artísticas e de obras arquitetônicas, de urbanismo e design, acompanhados de reflexão crítica sobre sua concepção, apresentações de slides e outras linguagens digitais, considerando o interesse do Nomads.usp em explorar as possibilidades de uso de meios digitais para divulgação científica via Internet.   

As contribuições serão recebidas EM PORTUGUÊS, INGLÊS OU ESPANHOL através do website da revista até o dia 12 de março de 2017, segundo as diretrizes para autores, disponíveis em www.nomads.usp.br/virus/submissao_submission.php.

DATAS IMPORTANTES

Dezembro de 2016: primeira chamada de trabalhos

Fevereiro de 2017: segunda chamada de trabalhos

19 de março: data limite para recebimento de submissões

28 de abril: informação aos autores sobre aceite e solicitação de adequações

14 de maio: data limite para recebimento das adequações dos autores

28 de maio: data limite para recebimento da versão traduzida do artigo

Julho de 2017: lançamento da V!RUS 13

WEAVING THE CITY

 

The V!RUS journal fourteenth issue seeks to discuss the processes that contribute to the making of the city, prioritizing the action of different actors who continuously weave it, in different dimensions: from physical space to its hybridism with the virtual sphere; from the scale of furniture, equipment and buildings to the urban and territorial scope; from temporary interventions to long-term spatial requalification projects; from the transformations through planning and public policies to those resulting from the inhabitants direct and daily action. Understanding the dynamic interweaving of these issues from different but cooperative perspectives - historical, technological, political and administrative, artistic, environmental, behavioral and others - is purpose of this call.

The idea that the city is continually woven by many hands derives from the systemic understanding proposed by so-called complex thinking, which defines complexity as weaving together, or com-plectere in its Latin form. Locus where the great flows of the planet reverberate, the contemporary city is produced by multiple actors, from public managers, planners and scholars to private business groups, third sector organizations and, in particular, by its inhabitants.

Since the center-periphery dichotomy, the city has been transformed into a territory punctuated by enclaves of either exclusivity or marginalization, succeeded, in turn, by the blurring of its physical boundary zones. Indeed, from the advent of digital media, urban life runs simultaneously in physical and virtual spheres: we live in the city of Urbe, Wave, Airbnb, but also, and above all, of WhatsApp and online social networks.

Neoliberal city or city for people, city of single thought or place for coexistence of differences, who weaves the city? According to which interests? Through which accomplishments? By what methods can such processes be mapped? What languages would we use to register them?

In addition to works dealing with the above issues and their interrelationships, we welcome contributions addressing the spaces of habitation and the diversity of ways of life; organized society actions such as social, ethnic and gender movements; mobility, accessibility and physical displacement in cities; the specific architecture and design formulations within transdisciplinary actions; the role of green areas as spaces for collective living in parks, community gardens and water bodies; the role of the university as a social actor and research producer with and for society; the information technology's role in the development of software and hardware for mapping and simulating urban processes, on platforms such as GIS, BIM and CIM and augmented and virtual reality applications; the audiovisual part in building readings, expressions and dynamic documentation of the city and its sounds; actions and discussions in the culture area, related to street arts and maker culture.

In addition to text and still images, we welcome photo essays, videos, short films, animations and gifs, sound and musical pieces and testimonials in audio files, architectural, art installation projects, urban planning and building projects and criticism, slide shows and further digital languages considering Nomads.usp's interest in exploring the potential of digital media use on the Internet for academic communication.

Contributions will be received IN ENGLISH, PORTUGUESE OR SPANISH on the journal website until March 12th, 2017, according to the guidelines for authors, available at www.nomads.usp.br/virus/submissao_submission.php.

IMPORTANT DATES

December 2016: first call for papers

February 2017: second call for papers

March 19th: deadline for receipt of papers

April 28th: notification acceptance and adjustment requests sent to authors

May 14th: deadline for receiving the final paper original language version (Portuguese, English or Spanish) with requested adjustments

May 28th: deadline for receiving the translated version (into Portuguese or English)

July 2017: release of V!RUS 13