A construção da memória Vol. 2

Marcelo Tramontano é Arquiteto, Mestre, Doutor e Livre-docente em Arquitetura e Urbanismo, e Professor Associado do Instituto de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo. Coordena o Nomads.usp e é Editor-chefe da revista V!RUS.

Jessica Aline Tardivo é Arte Educadora, Pedagoga e Arquiteta, Mestre em Educação e pesquisadora do Nomads.usp. Estuda a aplicação da metodologia de Educação Patrimonial, associadas às novas tecnologias, com o propósito de facilitar a identificação da herança cultural de uma cidade.

Maria Julia Martins é Pedagoga, Mestra em Educação, Conhecimento, Linguagem e Arte, e pesquisadora do Nomads.usp. Investiga o campo das artes corporais contemporâneas e suas relações com o espaço público urbano.

Mariah Guimarães Di Stasi é Arquiteta e Urbanista, e pesquisa aspectos cibernéticos dos processos de projeto arquitetônicos, no Nomads.usp.


Como citar esse texto: TRAMONTANO, M., TARDIVO, J., MARTINS, M. J., DI STASI, M. G. A construção da memória Vol. 2. Editorial. V!RUS, São Carlos, n. 16, 2018. [online] Disponível em: <http://www.nomads.usp.br/virus/virus16/?sec=1&item=1&lang=pt>. Acesso em: 29 Set. 2020.

É com grande prazer que apresentamos a décima sexta edição da revista V!RUS, com o segundo volume sobre "A Construção da Memória". Os trabalhos que compõem essa edição foram selecionados na chamada realizada em julho de 2017, cujo grande número de boas contribuições nos estimulou a produzir dois volumes consecutivos sobre o tema.

O presente conjunto de trabalhos prioriza olhares sobre a cidade e seus espaços físicos como marcos concretos de memória, reflexões sobre a investigação acadêmica em patrimônio cultural desenvolvida em três grupos de pesquisa, a memória do ponto de vista de populações em situação de desvantagem social, além do exame de ações e experimentos envolvendo meios digitais e audiovisuais. Impressiona muito positivamente, como em edições anteriores, a grande diversidade de formações dos autores, inclusive vários com pós-graduação em área distinta daquela em que sua graduação foi obtida.

Museus como repositórios da memória são discutidos nos trabalhos dos historiadores e Doutores em História Amilcar Vitor e Júlio Quevedo dos Santos [A Coluna Prestes: disputas em torno da memória e do patrimônio], e do arquiteto e Doutor em Artes Cênicas Ricardo Cardoso [O tiro que mudou a história: um museu como lugar da cena teatral].

Relações entre cidade e memória são estudadas em quatro artigos: [Memória, práticas sociais e identidade no contexto urbano], pela Doutora em História da Arquitetura Maria Carolina Mazivieiro, [Mercado público: chave para conhecer Florianópolis], pelo Doutor em Geografia Humana Milton Luz da Conceição, [Mídias móveis como interfaces urbanas: espaço, tempo e memória], pela Doutora em Comunicação e Semiótica Juliana Franco, e na entrevista [Recuerdos urbanos, planificación de futuros], gentilmente concedida pelo arquiteto e historiador paraguaio Jorge Rubiani ao nosso editor Marcelo Tramontano.

O patrimônio arquitetônico é discutido com dois enfoques: o caso do patrimônio ferroviário, pelo arquiteto Tiago de Wergenes e a Doutora em Geografia Soraya Nór [Poder Público e patrimônio ferroviário no meio-oeste catarinense: o caso de Videira], e a remanescência de sítios em ruínas [Ruína e patrimônio arquitetônico no Brasil: memória e esquecimento], pela Doutora em História da Arquitetura Angela Rosch Rodrigues. Também o trabalho da arquiteta Driely Zanatto e do Doutor em Arquitetura Gilfranco Alves [RAM: ressignificações alternativas para a memória] discute a prática de intervenções temporárias em entornos históricos.

A temática da memória em grupos em situação de desvantagem social é tratada em dois artigos: um, sobre um local religioso afro-brasileiro [Memórias do Terreiro da Gomeia], pelo Mestre em Ciências Sociais e em Arqueologia Rodrigo Pereira, e o outro, sobre mulheres moradoras de ocupações urbanas autoconstruídas [Encontra-se: memórias, feminismos e outras condutas], pela Engenheira Civil e Doutora em Arquitetura Marcela Lopes e a bacharel em Comunicação Social Natália da Silva.

Três artigos relatam e propõem reflexões sobre a produção de pesquisas acadêmicas sobre memória e patrimônio cultural em grupos de pesquisa: [Pesquisa acadêmica na recuperação e manutenção do patrimônio construído na Amazônia], pelas Doutoras em Arquitetura Thais Sanjad, Roseane Norat e Flávia Palácios, [O exercício de investigação em arquitetura e urbanismo: (re)conhecendo o patrimônio paulista], pela Doutora em Arquitetura Maria Ângela Bortolucci, e [Herança cultural e meios digitais: o percurso Nomads], pelo Livre-Docente em Arquitetura Marcelo Tramontano e a arquiteta e Doutora em Ciência da Computação Anja Pratschke.

Duas plataformas online de acesso público, uma, em Portugal e a outra, no Brasil, são apresentadas: [Phonambient], pelo licenciado em Música e Mestre em Composição e Teoria Musical Gustavo Costa, e [Infopatrimônio: direito à memória], por seus criadores, a Mestre em Arquitetura e Urbanismo Sandra Soster, o Engenheiro Elétrico e Mestre em Gestão de Políticas Públicas Caio Lucena, a jornalista Cida Barros, e o arquiteto e Mestre em Políticas Públicas José Zagato.

Finalmente, três trabalhos exploram a cartografia e documentação de memórias através de meios bastante diversos: uma experiência em Asunción, Paraguai, de mapeamento participativo de um bairro [Estar en el mapa: relevamiento y caracterización participativa del Barrio Chacarita Alta], pelos arquitetos Juan Carlos Cristaldo e Guillermo Britez, a realização de um documentário em uma comunidade [Fragmentos sobre uma ação audiovisual: a memória viva nasce a cada dia], pelo historiador Daniel Leitão e a pedagoga Susana Barreto, e o mapeamento de relações em redes sociais [Memória e despersonificação em experimentos sociais], pelo Doutor em Física Computacional Renato Fabbri.

Agradecemos a autores e revisores por aceitar nosso convite para a interlocução acadêmica que a revista V!RUS procura estimular, e desejamos a todas e todos excelente leitura.

Nomads.usp/IAU.USP, julho de 2018




.

The Construction of Memory Vol. 2

Marcelo Tramontano is an Architect and Urbanist, Master, Doctor and Livre-Docente in Architecture and Urbanism. He is an Associate Professor of the Institute of Architecture and Urbanism of the University of Sao Paulo, Brazil, where he coordinates Nomads.usp. He is the Editor-in-chief of V!RUS journal.

Jessica Aline Tardivo is an Art teacher, Pedagogue and Architect, Master in Education, and researcher at Nomads.usp. She studies Patrimonial Education methodological procedures supported by digital technologies, to identify urban cultural heritage.

Maria Julia Martins is a Pedagogue, holds a MSc in Education, Knowledge, Language and Art, and is a researcher at Nomads.usp. She investigates the field of contemporary body arts in relationship with urban public spaces.

Mariah Guimarães Di Stasi is an Architect and Urbanist. She studies cybernetic aspects of architectural design processes at Nomads.usp.


How to quote this text: Tramontano, M., Tardivo, J., Martins, M. J., Di Stasi, M. G. The Construction of Memory Vol. 2. Editorial. V!RUS, São Carlos, n. 16, 2018. [e-journal][online] [online] Available at: <http://www.nomads.usp.br/virus/virus16/?sec=1&item=1&lang=en>. [Accessed: 29 September 2020].

We are delighted to present the sixteenth edition of V!RUS journal, the second volume on "The Construction of Memory". Articles were selected on the call held in July 2017, whose large number of good contributions encouraged us to produce two consecutive volumes on this subject.

This ensemble of works gathers views on the city and its physical spaces as concrete landmarks of memory, reflections on academic research in cultural heritage developed in three research groups, memory from the point of view of populations in situation of social disadvantage, and an examination of actions and experiments supported by digital, audiovisual media. As in previous issues, the great diversity of the authors' education is impressive, including several cases in which post-graduate studies were conducted in a different area than where the graduation was obtained.

Museums as memory repositories are discussed in the texts by Historians and Doctors in History Amilcar Vitor and Júlio Quevedo dos Santos [The Prestes Column: disputes around memory and heritage], as well as the architect Doctor of Performing Arts Ricardo Cardoso [The shot that changed history: a museum as a place of the theatrical scene].

Relationships between city and memory are studied in four articles: [Memory, social practices and identity in urban context], by the PhD in History of Architecture Maria Carolina Mazivieiro, [The public market: a key to understand Florianopolis], by the Doctor in Human Geography Milton Luz da Conceição, [Mobile media as urban interfaces: space, time and memory], by the Doctor in Communication and Semiotics Juliana Franco, and the interview [Urban memories, planning futures], which has been kindly granted to our editor Marcelo Tramontano by the Paraguayan Architect and Historian Jorge Rubiani.

Architectural heritage is discussed from two perspectives: the case of railway patrimony, by the Architect Tiago de Wergenes and the PhD in Geography Soraya Nór [Public authority and railway heritage in the midwestern Santa Catarina: the case of Videira], and remnants of ruined sites [Ruin and architectural heritage in Brazil: memory and oblivion], by the PhD in History of Architecture Angela Rosch Rodrigues. Furthermore, architect Driely Zanatto's and Doctor in Architecture Gilfranco Alves' work [RAM: alternative resignifications for memory] discusses the practice of temporary interventions in historic surroundings.

The subject of memory in social disadvantaged groups is addressed in two articles: one on an Afro-Brazilian religious site [Memories of Terreiro da Gomeia], by the Master in Social Sciences and Archeology Rodrigo Pereira, and one on women living in self-built urban occupations [Found: memories, feminisms and other conducts], by the Civil Engineer and PhD in Architecture Marcela Lopes and the Social Communicator Natália da Silva.

Three articles report and propose reflections on the production of academic research on memory and historical heritage in research groups: [Academic research on recovering and maintaining the Amazonian built heritage], by the Doctors in Architecture Thais Sanjad, Roseane Norat and Flávia Palácios, [The exercise of research in architecture and urbanism: (re)knowing the patrimony of São Paulo], by the Doctor in Architecture Maria Ângela Bortolucci, and [Cultural heritage and digital media: the Nomads' route], by the Doctor in Architecture Marcelo Tramontano and the architecte and Doctor in Computer Science Anja Pratschke.

Two publicly accessible online platforms, one in Portugal and one in Brazil are presented: [Phonambient], by the Master in Composition and Musical Theory Gustavo Costa, and [Infopatrimônio: the right to memory], by its creators, the Master in Architecture and Urbanism Sandra Soster, the Electrical Engineer and Master in Public Policy Management Caio Lucena, the journalist Cida Barros, and the architect and Master in Public Policy José Zagato.

Finally, three works explore cartography and documentation of memories through a variety of means: a participatory mapping experiment of a neighborhood in Asuncion, Paraguay [Being on the map: survey and participatory characterization in Chacarita Alta], by the Architects Juan Carlos Cristaldo and Guillermo Britez, the making of a documentary in a community [Fragments on an audiovisual action: the living memory is to be born every day], by the Historian Daniel Leitão and the Pedagogue Susana Barreto, and a mapping of relationships in social networks [Memory and dispersonification in social experiments], by the Doctor in Computational Physics Renato Fabbri.

We thank authors and reviewers for accepting our invitation to the academic exchange V!RUS journal seeks to stimulate, wishing everyone excellent reading.

Nomads.usp/IAU.USP, july 2018


 

.