A construção da informação

Marcelo Tramontano, Pedro Teixeira, Mario Vallejo, Fernando de Lima

Marcelo Tramontano é Arquiteto, Mestre, Doutor e Livre-docente em Arquitetura e Urbanismo, com Pós-doutorado em Arquitetura e Mídias Digitais. É Professor Associado do Instituto de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, e do Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo da mesma instituição. Coordena o Nomads.usp e é Editor-chefe da revista V!RUS.

Pedro Teixeira é Arquiteto e pesquisador do Nomads.usp, no Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo do Instituto de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo. Estuda o uso do filme documentário para a realização de leituras urbanas, baseado em processos participativos e colaborativos de produção audiovisual.

Mario Vallejo é Desenhista Arquitetônico e de Engenharia e Mestre em Arquitetura e Urbanismo. É pesquisador do Nomads.usp, no Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo do Instituto de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo. Estuda processos digitais de projeto, colaboração, BIM, e métodos e meios de representação.

Fernando de Lima é Arquiteto e Mestre em Arquitetura e Urbanismo, e pesquisador do Nomads.usp, no Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo do Instituto de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo. É professor da Faculdade de Arquitetura e Engenharia da Universidade do Estado de Mato Grosso. Estuda paisagem cultural, linguagem construtiva e ferramental paramétrico.


Como citar esse texto: TRAMONTANO, M.; TEIXEIRA, P. P.; VALLEJO, M. B.; LIMA, F. B. A construção da informação. Editorial. V!RUS, São Carlos, n. 19, 2019. [online] Disponível em: <http://www.nomads.usp.br/virus/virus19/?sec=1&item=1&lang=pt>. Acesso em: 18 Mai. 2021.



Na sua décima nona edição, a revista V!RUS tem o prazer de apresentar uma ampla reflexão sobre a questão da construção da informação na contemporaneidade. Pesquisadores de diversas áreas responderam ao nosso convite à interlocução, compartilhando suas pesquisas e experiências, desde pontos de vista variados, enriquecendo imensamente o debate. O denominador comum desses trabalhos é a cidade como locus de cruzamento de todos os grandes fluxos informacionais que viesam a vida urbana e a sociedade. Acreditamos que debruçar-se sobre os processos e estratégias segundo os quais a informação é produzida em nossos dias é fundamental para entendermos o papel social da academia no esforço maior de produção de conhecimento.

Assim, acolhemos com alegria os quarenta e sete autores – selecionados em intenso trabalho conjunto com revisores externos dedicados e generosos – que contribuem com seus artigos para a complexização do tema. Para que se dê conta desta diversidade, lembraremos aqui a heterogeneidade de suas áreas de formação e atuação: Arquitetura e Urbanismo, Artes Visuais, Biblioteconomia, Ciência da Informação, Ciências Sociais, Comunicação e Cultura Contemporânea, Comunicação e Semiótica, Comunicação Social, Desenho Industrial, Design, Design de Interação, Engenharia Civil, Engenharia de Recursos Hídricos e do Meio, Engenharia Mecânica, Física, História, Jornalismo, Letras, Modelagem de Sistemas Complexos, Planejamento Regional, Propaganda e Marketing, Psicologia e Sociologia.

Uma visão ampla do tema da edição é oferecida, na entrevista "Para disputar o mundo", pela cientista social e Professora Titular do Instituto de Arquitetura e Urbanismo Cibele Rizek, do ponto de vista do mundo acadêmico. Reflexões sobre a universidade como locus de produção de conhecimento são também focalizadas no trabalho Rumo à abstração: reflexões sobre a crise universitária, de Stella Cândido.

A cidade e seus habitantes são percebidos como agentes produtores de informação nos artigos Cidades como informação, de Vinicius de Moraes Netto, Edgardo Brigatti, João Meirelles, Fabiano Ribeiro e Caio Cacholas, Machine Learning para a acessibilização de análises em escala urbana, de José Aderson Passos Filho e Daniel Cardoso, A construção de dados insurgentes em assentamentos informais, de Lara Furtado e Henry Renski, e Assessoria técnica e imaginários espaciais de grupos sócio-espaciais, de Alexandre Bomfim.

A construção da informação tendo como referência noções ampliadas de cartografias é abordada nos artigos Método Cartográfico Indisciplinar: da topologia à topografia do rizoma, de Marcela Lopes, Natacha Rena e Ana Isabel de Sá,Caminhar e cartografar na fronteira Chuí-Chuy, de Eduardo Rocha, Lorena Resende, Luana Detoni, Taís dos Santos e Vanessa Forneck, e Atlas, uma aposta e o dispositivo-atlas, de Ricardo Trevisan.

A questão do controle e uso de dados de usuários em plataformas digitais de acesso público é abordada nos trabalhos Interfaces Maliciosas: estratégias de coleta de dados pessoais em aplicativos, de André Lemos e Daniel Marques, e Implicações éticas do Sistema de Crédito Social chinês no cotidiano das cidades, de Renê Arruda e Thiago Silva. A criação e funcionamento de uma plataforma digital específica é examinada no artigo Caronaê: compartilhamento de viagens na Cidade Universitária da UFRJ, de Luisa Teixeira e Rodrigo Paraizo.

Dois trabalhos examinam manifestações artísticas em espaços expositivos e suas possibilidades de interação como modos de construção da informação: Transhabitat: imagens generativas de um habitar atópico, de Matheus Camargo, e Difusão da informação em museus: tecnologia digital, interação e diálogo, de Diego Ricca e Clice Mazzilli. Além disso, o processo de criação audiovisual em filmes documentários é lido pelas lentes da cibernética no trabalho Cinema, cibernética e uma nova relação de observação, de Pedro Teixeira e Marcelo Tramontano

A seção Tapete, que costuma reunir artigos de um mesmo subtema, apresenta cinco trabalhos que discutem a imagem enquanto elemento central em processos de construção da informação: O monumento ao € e o capitalocentrismo, de Victor Sardenberg e Beatriz Chnaiderman, Paisagens de pele e píxeis: histórias urbanas, percepções e imagens, de Maria Angélica da Silva, Fabio Nogueira, Roseline Oliveira e Jaianny Duarte, Paradoxos das imagens fotorrealísticas e representação arquitetônica, de Mariana Zancaneli, Frederico Braida e Isabela Ferreira, Desenho animado e sociedade, de Felipe Martins, e Tatuagem: uma arte de informação conectada, de Patrícia Sales e Zeny Duarte.

Na seção Projeto, o processo de projeto auxiliado por algoritmos generativos e performativos constitui o objeto de estudo do artigo Ensaio de projeto performativo para pavilhão, Cynthia Marconsini e Leandro Conradt.

Finalmente, o uso da Internet no funcionamento de cohousings é abordado no trabalho Baugruppen: o modelo alemão de cohousing e suas variáveis constitutivas, de Anie Figueira e Ricardo Trevisan.

Agradecemos a todos os revisores ad hoc que gentilmente têm colaborado conosco na difícil tarefa de selecionar os trabalhos para publicação, ao longo dos 13 anos de existência da revista. Essa contribuição é fundamental para o processo de revisão duplo-cega por pares, para estabelecer o espaço de interlocução proposto pela revista e garantir sua qualidade. Os nomes e instituições dos pesquisadores que colaboraram conosco nas últimas seis edições da V!RUS, entre 2017 e 2019, encontram-se neste link.

Possa esse conjunto de trabalhos inspirar reflexões e ações de nossas leitoras e leitores.

The construction of information

Marcelo Tramontano, Pedro Teixeira, Mario Vallejo, Fernando de Lima

Marcelo Tramontano is an Architect, Master, Doctor, and Livre-docente in Architecture and Urbanism, with a Post-doctorate in Architecture and Digital Media. He is an Associate Professor at the Institute of Architecture and Urbanism of the University of Sao Paulo, Brazil, and the Graduate Program in Architecture and Urbanism of the same institution. He directs Nomads.usp and is the Editor-in-Chief of V!RUS journal.

Pedro Teixeira is an Architect and researcher at Nomads.usp, at the Graduate Program in Architecture and Urbanism of the Institute of Architecture and Urbanism of the University of Sao Paulo, Brazil. He studies the documentary film use for urban readings, based on participatory and collaborative processes of audiovisual production.

Mario Vallejo is an Architectural and Engineering Draftman, and a Master in Architecture. He is a researcher at Nomads.usp, in the Graduate Program in Architecture and Urbanism at the Institute of Architecture and Urbanism of the University of Sao Paulo, Brazil. He studies digital design processes, collaboration, BIM, and methods and means of representation.

Fernando de Lima is an Architect and Master in Architecture, and a researcher at Nomads.usp, in the Graduate Program in Architecture and Urbanism at the Institute of Architecture and Urbanism of the University of Sao Paulo, Brazil. He teaches at the Faculty of Architecture and Engineering of the Mato Grosso State University, Brazil. He studies the cultural landscape, constructive language and parametric tools.


How to quote this text: Tramontano, M., Teixeira, P. P., Vallejo, M. B. and Lima F. B., 2019. The construction of information. V!rus, Sao Carlos, 19. [e-journal] [online] Available at: <http://www.nomads.usp.br/virus/virus19/?sec=1&item=1&lang=en>. [Accessed: 18 May 2021].



In its nineteenth issue, the V!RUS journal is pleased to present a broad reflection on the construction of information today. Researchers from various areas responded to our invitation to dialogue, by sharing their research and experiences from a variety of points of view, greatly enriching the debate. The common denominator of their work is the city as a locus of intersection of all the great informational flows which bias urban life and society. We believe that going over the processes and strategies by which information is produced today is essential to understand the social role of academia in the larger effort of knowledge production.

We, therefore, gladly welcome the forty-seven authors –selected in intense joint work with dedicated and generous external reviewers– who contribute, with their articles, to make the topic more complex. Such diversity is best perceived by noting how varied their areas of education and practice are: Architecture and Urbanism, Visual Arts, Library Science, Information Science, Social Sciences, Communication and Contemporary Culture, Communication and Semiotics, Social Communication, Industrial Design, Interaction Design, Civil Engineering, Water Resources Engineering, Mechanical Engineering, Physics, History, Journalism, Letters, Complex Systems Modelling, Urban Planning, Advertising and Marketing, Psychology, and Sociology.

The interview “To dispute the meaning of the world” with the Social Scientist and Full Professor at our Institute of Architecture and Urbanism Cibele Rizek offers a broad view of the issue’s theme from an academic prospect. Comprehensions on the University as a locus of knowledge production are the focused on “Towards abstraction: reflections on the university crisis”, by Stella Cândido.

The city and its inhabitants are are understood as information production agents in the articles Cities as information, by Vinicius de Moraes Netto, Edgardo Brigatti, João Meirelles, Fabiano Ribeiro and Caio Cacholas, Machine Learning for the accessibility to urban scale analysis, by José Aderson Passos Filho and Daniel Cardoso, Technical advisory and spatial imaginaries of socio-spatial groups, by Alexandre Bomfim.

The construction of information grounded on expanded notions of cartography is approached in articles such as Indisciplinar Cartographic Method: from rhizome’s topology to topography, by Marcela Lopes, Natacha Rena and Ana Isabel de Sá,Walking and cartographing on the Chuí-Chuy border, by Eduardo Rocha, Lorena Resende, Luana Detoni, Taís dos Santos and Vanessa Forneck, and Atlas, a bet and the atlas-device, by Ricardo Trevisan.

The issue on control and the use of personal data in publicly accessible digital platforms is addressed in the works Malicious Interfaces: strategies for personal data collection in apps, by André Lemos e Daniel Marques, and Ethical implications of the Chinese Social Credit System on cities’ daily life, by Renê Arruda and Thiago Silva. The article Caronaê: ridesharing at the UFRJ campus, by Luisa Teixeira e Rodrigo Paraizo, discusses the creation and operation of a specific digital platform.

Two works bring together artistic expressions in exhibition spaces and interaction possibilities as ways of constructing information: Transhabitat: generative images of an atopic habitation, by Matheus Camargo, Information diffusion in museums: digital technology, interaction and dialogue, by Diego Ricca e Clice Mazzilli. Moreover, the process of audiovisual creation in documentary films is read through the lens of cybernetics in Cinema, cybernetics and a new observational relationship, by Pedro Teixeira and Marcelo Tramontano.

Usually gathering articles under a common sub-theme, the Carpet section presents five works that discuss the image as a central element in information construction processes: The € Monument and the Capitalocentrism, by Victor Sardenberg and Beatriz Chnaiderman, Landscapes of skin and pixels: urban history, perception, and images, by Maria Angélica da Silva, Fabio Nogueira, Roseline Oliveira and Jaianny Duarte, Paradoxes of photorealistic images and architectural representation, by Mariana Zancaneli, Frederico Braida and Isabela Ferreira, Cartoon and society, by Felipe Martins, and Tattoo: an art form of connected information, by Patrícia Sales e Zeny Duarte.

In the Project section, a design process aided by generative and performative algorithms is the object of study of the article Performative design essay for a pavilion, by Cynthia Marconsini e Leandro Conradt. Finally, the article Baugruppen: the German model of cohousing and its constitutive variables, by Anie Figueira e Ricardo Trevisan, discusses the use of Internet in the organization of cohousing.

We also thank all the ad hoc reviewers who have kindly collaborated with us on the difficult task of selecting papers for publication over the thirteen years of the journal's existence. Their contribution is key to the double-blind peer review process, to strengthen the space of dialogue proposed by the journal and ensure its quality. The names and institutions of those who collaborated with us in the last six editions of V!RUS, between 2017 and 2019, can be found here.

May this body of works inspire reflections and actions of our readers.