A paisagem enquanto experiência: uma estratégia metodológica

Maria Cecília Bom de Lima, Luciana Martins Schenk

Maria Cecília Bom de Lima tem graduação em Arquitetura e Urbanismo e mestrado em Teoria e História da Arquitetura e do Urbanismo. É pesquisadora do programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo no Instituto de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, e membro do Grupo de Trabalho dos Parques Urbanos de São Carlos, SP. Desenvolve pesquisa sobre conceituação e metodologia em Arquitetura da Paisagem. mariaceciliapbl@gmail.com

Luciana Martins Schenk é graduada em Arquitetura e Urbanismo e Filosofia, e Doutora em Arquitetura e Urbanismo. É professora do Instituto de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, IAU-USP, e do Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo da mesma instituição. É presidente da Associação Brasileira de Arquitetos da Paisagem - ABAP, e co-líder do Grupo de Pesquisa YBY - Estudos Fundiários, Políticas Urbanas, Produção do Espaço e da Paisagem. Estuda cidades, desenvolvimento e paisagem, sistema de espaços livres, paisagem e projeto, projetos de ruas, praças e parques. lucianas@sc.usp.br


Como citar esse texto: LIMA, M. C. P. B.; SCHENK, L. B. M. A paisagem enquanto experiência: uma estratégia metodológica. V!RUS, São Carlos, n. 20, 2020. [online]. Disponível em: <http://www.nomads.usp.br/virus/virus20/?sec=4&item=12&lang=pt>. Acesso em: 27 Jan. 2023.

ARTIGO SUBMETIDO EM 10 DE MARÇO DE 2020


Resumo

A noção de paisagem envolve diversos campos disciplinares como geografia, ecologia, arte, arquitetura e urbanismo, sendo que as distintas abordagens se vinculam às especificidades de cada campo. Cabe, aos arquitetos urbanistas, a paisagem segundo a perspectiva do projeto, cotejando esses campos e procurando compreender essas abordagens em seu processo de síntese na proposição de lugares. Para tanto, são desenvolvidas estratégias metodológicas que envolvem leituras que procuram abarcar as complexidades dos territórios objeto de propostas de intervenção. No contexto contemporâneo, têm ganhado espaço processos de projeto que buscam acessar a paisagem enquanto experiência fenomenológica, que agencia seus aspectos objetivos e subjetivos. Este artigo pretende discutir a questão do método de pesquisa em um campo do conhecimento que desenvolve estudos sobre a cidade e sua paisagem, e a vida urbana. Para tanto, apresenta uma estratégia metodológica de projeto da paisagem que busca articular a leitura materializada pela frequentação desse território, através da perspectiva do caminhante, às leituras convencionais, pautadas por representações cartográficas, informações quantitativas, legais e historiográficas. Essas leituras tornam visíveis, pela experiência, lugares indeterminados da cidade contemporânea e as práticas da esfera cotidiana. Tal estratégia foi ensaiada pelo Grupo de Trabalho dos Parques Urbanos de São Carlos (GTPU), que escolheu como objeto de estudo um trecho da bacia hidrográfica do Córrego Monjolinho, na cidade de São Carlos, estado de São Paulo, chegando à proposição do Parque da Orla do Monjolinho.

Palavras-chave: Paisagem, Paisagem fenomenológica, Projeto



1 Introdução

A noção de paisagem envolve diversos campos disciplinares cujas abordagens se vinculam às especificidades desses campos. Geógrafos, biólogos e ecólogos, literatos e artistas, arquitetos e urbanistas, todos têm na paisagem uma questão ou motor que são objeto de estudo e desenvolvimento segundo suas particularidades. Dos campos elencados, cabe aos arquitetos urbanistas o projeto, compreendido como a forma de imaginar, representar e construir essa paisagem. A temática da paisagem guarda uma complexidade que não se relaciona apenas à multiplicidade de perspectivas que a identificam como objeto de reflexão e ação. Ela se instala numa sutil conjunção entre dimensões objetiva e subjetiva. A paisagem é fundamentalmente relação, o ambiente físico que transforma e é transformado pelos modos de existência humanos, é a experiência vivida e expressão de uma época: a um só tempo, a paisagem é experiência direta e representação dos valores que caracterizam a relação entre humanidade e mundo (BESSE, 2014). Diante da complexidade do tema da paisagem, cumpre investigar potenciais métodos, melhor colocados como estratégias metodológicas, envolvidas nos estudos que têm como perspectiva seu projeto.

A paisagem, enquanto experiência fenomenológica (BESSE, 2006), guarda qualidades fundamentais que podem alicerçar a atividade de planejamento e projeto. Assim, engendrar sua potencial transformação é promover um encontro com seus aspectos objetivos e subjetivos, criando oportunidades para que essas informações possam ser reveladas através da experiência e potencializadas através do projeto construído e em uso. Longe de ser apenas aquilo que se abarca com o olhar, a paisagem se desdobra em camadas cujas presenças exigem do pesquisador expedientes que promovam o diálogo entre objetividades e subjetividades, de forma criadora.

A efemeridade e transitoriedade são qualidades que estão entre os aspectos da paisagem em relação ao corpo que a percorre. Aqui, a paisagem é compreendida como evento que explicita o contato do indivíduo com o mundo (DARDEL, 2015). Anterior a qualquer esforço reflexivo, a paisagem enquanto experiência direta com o real escaparia, nesse momento primeiro, das formas de representação e ultrapassaria o aspecto estritamente objetivo do meio.

Dentre as disciplinas que fazem uso do tema da paisagem, a Arquitetura da Paisagem tem como propósito apreender, interpretar e intervir no território. Desde sua constituição, esse campo lida com questões objetivas e subjetivas para promover intervenções que consideram e constroem a relação entre ser humano e natureza.

No contexto contemporâneo, sobressai uma chave de compreensão, segundo a qual arquitetos da paisagem dão ênfase aos aspectos fundamentados nos conceitos da ecologia, elaborando a partir dessa matriz de pensamento e concentrando-se em respostas pautadas nas chamadas infraestruturas verdes e serviços ecossistêmicos. O que se ressalta aqui é a pouca aderência que essa entrada de prevalência técnica teria em relação às perspectivas culturais, estéticas e subjetivas que a paisagem contempla.

Outra abordagem que vem sendo ampliada corresponde àquela que compreende a paisagem como experiência. A leitura do território atrelada a essa segunda abordagem se refere à perspectiva do caminhante e traduz uma ação relacionada à escala local, em certas aproximações, particular e cotidiana, que tem raízes históricas no campo disciplinar da paisagem. Essa leitura ganha especial força e visibilidade a partir das décadas finais do século XX até hoje (CULLEN, 1961; CARERI, 2013).

O processo de projeto vinculado a tal abordagem se mostra complexo, visto que se propõe lidar com um objeto cuja existência seria alterada pela racionalização presente em qualquer análise que acompanhe a atividade projetual. Em outras palavras, a reflexão que engatilha interpretações, ativa repertórios e impregna a experiência original de significações. Contudo, nesse momento, observamos, dentro do espectro subjetivo da paisagem, de que modos esse caminhar – que tem uma dimensão estética (CARERI, 2013) –, pode participar dessa estratégia metodológica. Tal prática é capaz de sugerir a eleição de novos temas paisagísticos vinculados à esfera cotidiana das cidades e, em especial, de seus espaços de margem, isto é, lugares indefinidos que restam ao longo do processo de urbanização. São eles as margens de cursos d’água e ferrovias, os terrenos baldios, os terrenos públicos remanescentes do processo de parcelamento do solo e que ainda não foram apropriados ou não receberam usos.

O projeto em Arquitetura da Paisagem, no contexto contemporâneo, parece demandar métodos que expandam a compreensão do que seria a paisagem, ultrapassando a estrutura comum do diagnóstico, que prescreve soluções para problemas, gerando um programa. Mais do que meio ambiente natural que deva ser preservado ou adequado ao ambiente urbano, a paisagem, nesse contemporâneo registro, parece se referir, em especial, ao âmbito do cotidiano dos cidadãos e suas práticas.

Nessa abordagem, coloca-se em evidência uma ação que tem na paisagem e suas características o motor de seu projeto, enquanto processo criativo que envolve, concomitantemente, leituras do território e proposições de intervenção. Esse modo de projetar a paisagem exige a construção de abordagens condizentes que, no lugar de pré-definir intervenções para um dado lugar (um futuro parque, uma futura praça), pautam-se na leitura e frequentação do lugar para tornar visível o que já existe, imaginando outros, a partir de suas potencialidades. A expectativa é revelar experiências dessa paisagem de forma que seu planejamento, ou potencial projeto, possam ser constituídos através dessa articulação entre experiência direta com o real, repertório e criação.

O presente artigo propõe uma reflexão acerca de uma estratégia metodológica para se conhecer e projetar com a paisagem. Partindo de temas da fenomenologia, pretende-se apresentar um modo de conceber o projeto da paisagem que seja condizente com os novos temas e valores da cidade contemporânea. Para tanto, apresenta, como exemplo, um processo de projeto para o Parque da Orla do Monjolinho, experiência proposta por um grupo interdisciplinar, o GTPU, Grupo de Trabalho dos Parques Urbanos de São Carlos.

Na primeira parte do artigo, serão expostas as principais questões teóricas do campo da fenomenologia e da arquitetura da paisagem que corroboram a construção dessa estratégia metodológica. Partindo de reflexões presentes na geografia (DARDEL, 2015) e na fenomenologia (MERLEAU-PONTY, 1994), busca-se compreender a paisagem enquanto experiência direta, sem mediações. A questão aqui colocada é quais são as implicações e desdobramentos dessa abordagem para o campo projetual da arquitetura da paisagem, no contexto contemporâneo.

Na segunda parte, as questões teóricas serão confrontadas com um objeto empírico em uma experiência de projeto, explicitando as associações e significados construídos no processo de projeto do parque da Orla do Monjolinho, na cidade de São Carlos. A estratégia metodológica se apresenta, então, unindo leitura de trechos da bacia hidrográfica do córrego Monjolinho e propostas de intervenção, relacionando experiência, repertório e criação.

2 Uma estratégia metodológica para se projetar com a paisagem

O início do século XX foi marcado pela crítica à ciência positivista. O esforço de criar conceitos universais para sistematizar o conhecimento, processo que fundamentou boa parte do desenvolvimento da ciência em suas especializações, terminou, dialeticamente, por simplificar as complexidades do mundo. Há aqui duas questões que interessa observar: a primeira diz respeito a uma visão de todo, abrangente, que se perde nesse processo de especializações; uma segunda, fruto desta compartimentação dos saberes, é a busca por explicar as coisas a partir desse lugar da especialização.

O campo filosófico da fenomenologia se coloca como questionamento dessa ciência. O filósofo Maurice Merleau-Ponty (1994) caracteriza a fenomenologia como uma ciência pautada no contato ingênuo com o mundo, cuja compreensão prescindiria de símbolos e abstrações. Essa filosofia não almeja construir explicações do mundo, mas descrições. As totalidades produzidas não têm a pretensão de ser determinantes, mas uma aproximação por perfis, construídos pela experiência. O contato direto com as coisas, anterior a qualquer esforço reflexivo, seria o tema norteador dessa filosofia, colocando o corpo como centralidade na produção do conhecimento.

A noção de paisagem participou desse processo crítico sobre a produção de conhecimento. Até início do século XX, ela era compreendida como exterioridade, como fisionomia do mundo, numa clara separação entre sujeito e objeto. A partir das ideias defendidas pela fenomenologia, colocou-se em primeiro plano a apreensão da paisagem em sua dimensão de experiência, fazendo com que essa separação perdesse o significado.

Eric Dardel ([1952] 2015), geógrafo francês que se distanciou dos discursos predominantes de sua época (meados da década de 1950), trouxe reflexões da fenomenologia para o seu campo. O autor redefine seu campo disciplinar, afirmando que a geografia é a experiência anterior aos conceitos científicos1. Mais do que um campo de conhecimento claramente delimitado e dotado de uma cronologia, a geografia se relacionaria a uma dimensão existencial que diz respeito à relação entre homem e Terra. É nesse sentido que Dardel descreve as várias geografias, as quais não se organizam de maneira sucessiva ao longo das épocas, mas se tornam presentes segundo a postura que a humanidade apresenta perante o mundo. Geografia enquanto relação, seja de vínculos mais estreitos que se estabelecem nas relações de origem entre o mundo e a vida (geografia mítica), seja nos distanciamentos que caracterizam a busca da ciência pelo conhecimento de seu objeto de estudo, a terra (geografia científica).

Dentro das noções estabelecidas por Dardel, a paisagem seria compreendida a partir da presença humana e sua relação com o mundo no qual se insere. Dardel afirma que "muito mais que uma justaposição de detalhes pitorescos, a paisagem é um conjunto, uma convergência, um momento vivido, uma ligação interna, uma "impressão", que une todos os elementos" (DARDEL, 2015, p. 30, grifos nossos).

Afastando-se da definição predominante da paisagem da cultura ocidental, constituída principalmente pelas pinturas de paisagem e pelo sentido da visão, Dardel evoca a paisagem enquanto experiência: “não é, em sua essência, feita para se olhar, mas a inserção do homem no mundo, lugar de combate pela vida, manifestação de seu ser com os outros, base de seu ser social" (DARDEL, 2015, p. 32).

Retomando a questão do fenômeno para relacioná-lo uma vez mais à paisagem, no campo da Arquitetura e Urbanismo, a historiografia apresenta um movimento que faz aflorar a defesa da percepção em contraponto às grandes generalizações promovidas pela chave modernista do Racional Funcionalismo. No bojo das críticas elaboradas a partir da década de 60, tem-se toda uma gama de autores que vão construir a defesa de uma arquitetura pautada em questões da experiência, com notas de crescente subjetividade como questão vital de projeto, seja na percepção do movimento, com ênfase ao caminhar, e dos enquadramentos que desvendam a paisagem urbana (CULLEN, 1961), ou na produção de mapas mentais que participam da construção de um imaginário das cidades e seus significados (LYNCH, [1960] 2011), seja na afirmação da diversidade e mistura próprias da vida cotidiana (JACOBS, [1961] 2011).

No contexto contemporâneo, o protagonismo da experiência nos processos de leitura da cidade pode ser identificado nos escritos do arquiteto Francesco Careri, que apresenta em seus livros “Walkscapes: caminhar como prática estética” (2013) e “Caminhar e parar” (2017) um modo de se pensar a arquitetura que está vinculada ao modo de experienciar o espaço, percorrendo-o. A prática do caminhar considerada pelo autor, e que tributa à crítica mencionada no parágrafo anterior e avança em sua elaboração, diz respeito àquilo que permite conhecer a cidade através do movimento, que se revela entre os lugares edificados e determinados por significados referentes a lógicas dominantes. Segundo o autor, caminhar pelos espaços indeterminados da cidade, frequentar lugares que não possuem significados claros, permite conhecer partes da cidade em que se desenvolvem as múltiplas práticas do cotidiano urbano, e que permaneceram, de algum modo, invisíveis.

Os campos do conhecimento que tentam apreender as cidades contemporâneas se deparam com o seu caráter efêmero e com a desconstrução de conceitos que, por longos períodos, determinaram o que seria uma paisagem passível de fruição. O contexto dessa cidade é caracterizado pela indeterminação dos espaços que restam ao longo dos contínuos processos de transformação, decorrentes de determinações legais, dinâmicas do mercado imobiliário e das múltiplas formas de apropriação da cidade pela população. As paisagens cotidianas dessa atualidade urbana são pródigas naquilo que é supostamente desprovido de significados: passam despercebidas e não participam da percepção do indivíduo e dos grupos, não se qualificando como lugares.

A metodologia que aqui se ensaia procura dialogar com o desafio de incluir esses espaços nos processos de leitura, espaços que restaram de processos ocorridos ao longo de anos, palimpsesto de paisagens sobrepostas. Antes de tudo, apresenta uma perspectiva que pretende ser capaz de acessar as múltiplas camadas da paisagem, promovendo sua apreensão enquanto experiência: é o contato direto com as coisas que agenciará os aspectos subjetivos e objetivos da paisagem. Se a paisagem é experiência, projetá-la significa tornar apreensível tal experiência. Esse discurso está presente na atuação de alguns arquitetos contemporâneos, que buscam reconfigurar suas estratégias metodológicas de conhecimento e intervenção no território, segundo os aspectos da transitoriedade, da indeterminação, em evidência na atualidade.

O arquiteto da paisagem Bernard Lassus (1994) apresenta reflexões que indicam vínculos com as noções da fenomenologia. Seu processo de projeto é caracterizado por leituras do lugar de intervenção, que depreende esse contato direto com o real, apresentado anteriormente, e também consideram características históricas, aspectos físicos e percepções diversas. Lassus discorre sobre algumas estratégias e ideias que norteiam seu fazer projetual: a “atenção flutuante” seria aquela postura receptiva de quem busca conhecer um território, disposta a apreender os diversos aspectos que o compõem, sem que um programa pré-definido estreite essa leitura; o autor faz a distinção entre “escala visual”, que diz respeito a tudo o que se configura como imagem, e “escala tátil”, que abrange tudo aquilo que pode ser percebido para além da visão (odores, texturas, sons); traz a ideia de “intervenção mínima”, que seria um modo que transformar a percepção da paisagem sem alterá-la fisicamente, de forma intempestiva. Com essas noções, Lassus faz intervenções sutis que apresentam propostas de novas leituras de paisagens já existentes (LASSUS apud BAGLIANI, 2010; LASSUS, 1994).

Esse modo de interpretar a paisagem, que coloca em evidência o mundo vivido na escala do caminhante, permite acessar seus diversos aspectos, irredutíveis a uma visão de sobrevoo ou uma leitura que pretende quantificar as características do território. Enquanto as cartografias clássicas e as fotografias aéreas homogeneízam paisagens de borda, como margens de rios, ferrovias e rodovias, terrenos baldios e terrenos públicos não qualificados, a prática de percorrer tais paisagens revela suas distintas qualidades. O projeto, enquanto representação de uma proposta de qualificação de lugares, não se apresenta como solução a um diagnóstico, mas, antes, se instala como síntese possível dessas camadas, promovida transversalmente entre leituras e interpretações.

3 Paisagem e experiência: território, lugares e intervenção

Criado em 2017, através da Resolução CONDEMA 01/2017, o Grupo de Trabalho dos Parques Urbanos de São Carlos (GTPU) tinha inicialmente o objetivo de formular diretrizes para os Parques Urbanos instituídos pelo decreto nº 170 de 2017. Durante 2018, o GTPU desenvolveu uma estratégia que criou categorias de análise às quais se associaram parques, praças e ruas, baseadas na Unidade de Paisagem da bacia hidrográfica a partir da consolidação de um Sistema de Espaços Livres nas áreas públicas disponíveis. A ação do grupo, pautada por metodologia desenvolvida desde 2015 na disciplina de Paisagismo do Instituto de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo - IAU-USP, propôs a abordagem que promove o trânsito entre escalas, indo das esferas do planejamento ao desenho urbano. Como resultado, ao final de 2018, fundamentado em uma série de cartografias e informações complementares, foi apresentado, no SESC São Carlos, durante o V Seminário Veredas2, o parque linear do Kartódromo-Cambuí, que já materializava parte da estratégia metodológica aqui apresentada em um processo de leitura e proposição de ocupação, fruição e conservação desse território da cidade.

Essa abordagem multiescalar e pautada no campo fenomenológico mostrou-se profícua. O GTPU escolheu como objeto de suas discussões trechos da bacia hidrográficas do córrego Monjolinho, principal bacia hidrográfica urbana da cidade de São Carlos, promovendo uma abordagem de planejamento e projeto, e aprofundando a estratégia metodológica, no ano de 2019.

Sob a coordenação das professoras Renata Bovo Peres (DCAm-UFSCar) e Luciana Bongiovanni Martins Schenk (IAU-USP), o grupo foi envolvido na construção de um processo de leitura que delimitou o território que receberia propostas projetuais. Foram realizadas caminhadas sem um trajeto pré-definido, que tiveram como referência o curso d’água que estrutura o território de recorte, o Córrego do Monjolinho. O percurso foi efetuado conforme interesse dos caminhantes, que seguiam a prerrogativa apresentada por Lassus relacionada à manutenção da atenção flutuante, expediente que procurava ampliar a recepção de estímulos. A experiência direta do real era objeto de trocas verbais no momento do campo. Fotografia e desenho, comentários e descrições compuseram um mosaico que foi reunido e debatido pelo grupo. Como desdobramento esperado, processos associativos apresentavam-se a partir das percepções que experimentavam os lugares, imaginando possibilidades. A experiência relacionava-se, então, a temas de uma urbanística contemporânea também presentes na pauta da arquitetura da paisagem.

Apesar de não ter sido estabelecida uma rota prévia, as caminhadas foram orientadas por uma ideia central ou princípio que norteia as ações do GTPU: como tornar os córregos visíveis e participantes do cotidiano da cidade, não mais os corpos d’água em registro de barreira ou catástrofe, mas como qualidade múltipla de percepção da paisagem. Em paralelo à experiência do campo, foram reunidas informações que comporiam outra aproximação necessária e geral sobre a bacia hidrográfica estudada, mas compreendida como abstrata e de sobrevoo (MERLEAU-PONTY, 1994). Tais informações consistiram em documentos como disposições legais de diversas naturezas, cartografias sobre a hidrografia, topografia, dados demográficos e sociais, e outras informações presentes no Plano Diretor, como Áreas Livres e de Recreio, Uso e Ocupação, informações sobre fragilidade ambiental, além de dados relacionados à conectividade e acesso, como linhas de transporte público, e informações de coletivos de ciclistas com rotas de bicicleta.

A articulação entre as duas escalas – de sobrevoo e a do caminhante – auxiliaram no processo de conhecimento do território, na medida em que eram identificadas in loco as informações levantadas na etapa de estudos sobre a bacia. As caminhadas realizadas ao longo do trecho do Córrego Monjolinho foram limitadas entre o Parque do Kartódromo e a Rodovia Washington Luís. Observou-se o contexto urbano das propriedades públicas assinaladas pelas cartografias, e das vias sem pavimentação indicadas pelas imagens aéreas e cartas da Prefeitura Municipal. A frequentação desses lugares permitiu aprendê-los segundo novas perspectivas, invisíveis à visão de sobrevoo, além de constatar uma série de características relevantes para se pensar potencialidades para o projeto.

Foram identificados seis pontos de interesse durante as caminhadas. O primeiro. Apesar da intensa frequentação desse lugar, o córrego não participa dessas dinâmicas. Atravessa o território oculto pela vegetação das margens e pelas vias de tráfego, configurando-se como barreira. Em determinados pontos, o córrego pode ser visto, conforme mostra a Figura 2, e seu aspecto suscita a potencialidade lúdica que a água pode trazer ao projeto dos espaços livres. A qualidade desse encontro e os possíveis projetos são objeto de lembranças e narrativas.

Fig. 1: Primeiro ponto de interesse. Fonte: Acervo do Grupo de Trabalho de Planejamento dos Parques Urbanos, 2019.

Fig. 2: Córrego Monjolinho. Fonte: Acervo do Grupo de Trabalho de Planejamento dos Parques Urbanos, 2019.

Se o espaço do Kartódromo é frequentemente utilizado, seu entorno, sobretudo a margem esquerda do Córrego Monjolinho, apresenta um perfil indeterminado, encontrando-se em estado de abandono, com a presença de resíduos de diversas qualidades. Enquanto as cartografias e imagens aéreas mostram esses espaços como um conjunto homogêneo de vazios, a frequentação permite desvendar características específicas de cada lugar e potenciais conexões. Existe uma via que margeia o córrego e que ainda não recebeu pavimentação (apesar da pressão de empreendedores testemunhada pelo poder público para que se torne uma convencional avenida marginal), como é possível ver na Figura 3. A paisagem que se configura é silenciosa, afastada dos fluxos dos automóveis e com presenças pontuais: a trilha marcada por pneus que percorrem esporadicamente o lugar; resíduos abandonados ao longo da margem do córrego; espécies vegetais aparentemente plantadas por moradores do entorno. O caminhante se encontra em um corredor conformado por muros de um lado, e vegetação da Área de Preservação Permanente, de outro. Eventualmente, é possível observar ou ouvir as águas do córrego Monjolinho ou as movimentações que ocorrem na margem oposta. A ideia de que essa experiência pudesse ser ampliada para a população percorreu os diálogos do grupo.

Fig. 3: Via não pavimentada na margem esquerda do córrego Monjolinho. Fonte: Acervo do Grupo de Trabalho de Planejamento dos Parques Urbanos, 2019.

Vários terrenos ao longo dessa via ainda não foram ocupados. Dentre eles, um dos terrenos à margem esquerda, de propriedade pública, se configura no segundo ponto e é apresentado na figura 4. Encontra-se em frente ao Kartódromo e, atualmente, uma parcela de sua área vem sendo utilizada como estacionamento de um estabelecimento comercial, enquanto o restante está coberto por vegetação sem manutenção. A declividade do terreno permite a visualização do espaço do Kartódromo e de um horizonte próximo de edificações. Aqui o grupo debate a possibilidade de unir o Kartódromo a uma futura praça, cujas qualidades complementariam o uso desportivo do Parque.

Fig. 4: Segundo ponto de interesse. Fonte: Maria Cecília Pedro Bom de Lima, 2019.

Subindo em direção a montante, mais um terreno público que ainda não foi ocupado apresenta a característica específica de corresponder a uma parcela de uma quadra, o que faz com que as edificações existentes conformem um paredão em uma das faces do terreno, como mostrado na Figura 5. Outra informação relevante que constitui esse terceiro ponto é que, assim como o Kartódromo, esse pequeno terreno já foi atravessado pelos meandros do córrego Monjolinho, conforme indica uma cartografia antiga da cidade.

Fig. 5: Terceiro ponto de interesse. Fonte: Acervo do Grupo de Trabalho de Planejamento dos Parques Urbanos, 2019.

O quarto ponto, apresentado nas Figuras 6 e 7, configura um percurso arborizado entre o córrego Monjolinho e as edificações existentes, que fornece uma trilha alternativa à rua. A “descoberta” desse lugar se deu a partir do percurso por paisagens que se apresentaram ao longo da caminhada. Aparentemente fora da rota dos fluxos cotidianos, esse trecho tem o potencial de ser uma opção de percurso distanciado da rua asfaltada e da presença dos automóveis, e próximo ao córrego. A frequentação desse trecho permitiu conferir que, de fato, não se trata de um espaço fora das práticas cotidianas. Na ponte que finaliza esse trecho, por exemplo, foram observadas pessoas com varas de pesca na margem do córrego.

Fig. 6: Quarto ponto de interesse. Fonte: Acervo do Grupo de Trabalho de Planejamento dos Parques Urbanos, 2019.

O percurso prossegue após atravessar a ponte (Alameda dos Heliótropos). Trata-se de um trecho de preservação, agora na margem direita, com o chão repleto de folhas (serrapilha), e um relevo que permite maior aproximação com o córrego nos trechos de alargamento. Boa parte desse lugar, até alcançar a próxima ponte, apresenta formas de apropriação das margens do Monjolinho pela população: bancos improvisados, espécies vegetais ornamentais, um balanço.

Fig. 7: Quarto ponto de interesse. Fonte: Acervo do Grupo de Trabalho de Planejamento dos Parques Urbanos, 2019.

O quinto ponto encontra-se entre o córrego e uma gleba de propriedade privada que margeia o córrego e que ainda não foi ocupada. Trata-se de um amplo espaço vazio, coberto por herbáceas e gramíneas, apresentado na Figura 8. Coincide com o final do percurso de quem caminha por aquela via sem pavimentação, delimitada por muros e vegetação da margem esquerda do córrego. Em distintos momentos de frequentação, foram objeto de referência do grupo. Ali são reveladas paisagens diversas: de um amplo campo de vegetação em tons verdes e brancos na época de floração, a um campo carbonizado, após a “limpeza” pela queima da vegetação que se desenvolve sem controle. Resquícios de um portal de tijolos indicam um uso passado que não teve continuidade. Enquanto o terreno não recebe um empreendimento, ele permanece na condição de indeterminação, enquanto a cidade do entorno “dá as costas a ele”, como comentavam os participantes do grupo.

Fig. 8: Quinto ponto de interesse. Fonte: Acervo do Grupo de Trabalho de Planejamento dos Parques Urbanos, 2019.

O sexto ponto, apresentado na Figura 9, se refere a mais um espaço público que ainda não recebeu qualificação de projeto, mas que apresenta sinais de apropriação pela população, tais como bancos improvisados e um campinho de futebol. Nas proximidades desse lugar, existe uma horta comunitária e um ecoponto, o que demonstra o potencial de local de reunião e uso comum nesse trecho da cidade. Desse lugar, é possível avistar a outra margem na sua condição de promontório.

Fig. 9: Sexto ponto de interesse. Fonte: Acervo do Grupo de Trabalho de Planejamento dos Parques Urbanos, 2019.

As caminhadas realizadas permitiram a apreensão de características variadas às quais não se tinha acesso pelas cartografias, imagens aéreas e disposições legais. Lugares que, aparentemente, eram destituídos de qualquer significado ou uso. Contudo, sua experiência revelou vestígios de apropriação pelos moradores: mobiliário improvisado e pequenos jardins como extensão das residências, executados pelos moradores. Durante a frequentação, já era possível vislumbrar potenciais propostas de projeto, de acordo com os aspectos observados e os usos já existentes. Essas propostas seriam discutidas em grupo, em uma segunda etapa do processo de projeto do Parque da Orla do Monjolinho.

O projeto do Parque da Orla do Monjolinho já está em pleno curso quando da visita a campo, e decisões acerca da valorização do ponto de vista do caminhante e do ciclista pautam os diálogos. As potencialidades são objeto de registro através de imagens e notações. Em um trecho indeterminado da cidade que recebe fortes pressões para se configurar como espaço do automóvel, lógica convencionalmente adotada por toda a cidade, mostra-se estratégico criar intervenções alternativas, que permitam articular a infraestrutura necessária para sua entrada no jogo urbano ao resguardo dos fluxos mais lentos e assim, possibilitar a apreensão de paisagens existentes nessa perspectiva.

À medida que vão sendo desenvolvidas as propostas através de desenhos relacionados às intervenções pontuais registradas ao longo do trecho que a equipe delimitou para o parque, colocam-se em evidência os momentos de vivência no lugar, das caminhadas pelas margens do córrego que suscitam o projeto. A partir de um esforço coletivo, são colocados no papel as possíveis intervenções. São ações construídas à luz dessa paisagem, relacionadas ao movimento dos corpos e suas percepções. Esse processo é explicitado na Figura 10.

Fig. 10: Estudos de projeto. Fonte: Acervo do Grupo de Trabalho de Planejamento dos Parques Urbanos, 2019.

Como diretrizes gerais, especialmente pensando na experiência de protagonismo do pedestre, foram indicados dispositivos de modo a afirmar o caráter local da via e reafirmar os usos existentes no Kartódromo. Tais dispositivos consistem em faixas elevadas em esquinas e nos trechos em frente aos espaços públicos, esquinas redesenhadas de modo a controlar a velocidade de veículos, além do desenho de um circuito de ciclovia, conforme mostra a Figura 11.

Fig 11: Implantação geral do Parque da Orla do Monjolinho. Fonte: Acervo do Grupo de Trabalho de Planejamento dos Parques Urbanos, 2019.

O entorno imediato do Kartódromo reúne um conjunto de espaços públicos de interesse: o primeiro foi denominado como Deck Prainha e consiste em um piso de madeira que permita a chegada dos usuários do parque do Kartódromo ao córrego Monjolinho. Essa ação materializa o desejo sempre presente de fazer com que a população possa fruir dos Córregos da cidade. O Deck está em frente à proposta da denominada Praça do Pôr do Sol, o segundo ponto eleito nas atividades de leitura e que traduziam o desejo de ligação entre os espaços livres públicos, assinalado na visita a campo. Esse lugar apresenta o potencial de receber a expansão das atividades que ocorrem no Kartódromo. A conexão visual se associa a uma conexão física com uma pequena ponte para pedestres que une os dois espaços públicos. A conexão entre esses dois espaços, explicitados na Figura 12, busca eliminar o caráter de barreira do córrego, observado durante as caminhadas. O córrego se transformaria em lugar de convergência, ao atravessar espaços que poderiam abrigar diversas atividades coletivas.

Fig. 12: Imagens do projeto do Deck Prainha e da Praça do Pôr do Sol. Fonte: Acervo do Grupo de Trabalho de Planejamento dos Parques Urbanos, 2019.

Mais à frente (a montante do córrego), o outro terreno público, percebido nas visitas como terreno desocupado e cercado de muros cegos, passa a ser chamado de Praça Molhada, apresentada na Figura 13. Esta pequena praça configura o terceiro ponto e desempenhará o papel de retenção de água nas épocas de cheia, participando uma vez mais da lógica hidrológica, e operando como memória do curso do córrego que, um dia, conforme provam as cartografias, passou por ela. Apresenta um desenho simples, com um trapiche de madeira sobreposto à área que será alagada. Na face do terreno que faz divisa com as construções, são colocadas duchas para reforçar o contato lúdico com a água nesse espaço.

Fig. 13: Imagens do projeto da Praça Molhada. Fonte: Acervo do Grupo de Trabalho de Planejamento dos Parques Urbanos, 2019.

As intervenções propostas são mais evidentes na Praça do Pôr do Sol e na Praça Molhada, visto que as características dos usos existentes e os partidos de projeto adotados segundo esses usos demandam uma infraestrutura que não existe no local. Por outro lado, a próxima sequência de espaços é pensada segundo ações sutis, que transformam minimamente as características físicas do lugar. Algo que se aproximaria da chamada “intervenção mínima”, descrita por Bernard Lassus. Diferente dos outros dois espaços, que apresentam o potencial de estruturar determinados usos que necessitam de intervenções de maior porte, a proposta para estes espaços é tornar visíveis as paisagens já existentes. Na mesma região, na margem direita do córrego, o espaço arborizado recebe a proposta de um pomar e de um trecho de ciclovia, conforme mostra a Figura 14. Seguindo por essa margem, após atravessar a ponte, propõe-se a consolidação de uma trilha de terra batida ou pedrisco, com um lugar de estar mais próximo do córrego. O objetivo, nesse quarto ponto, é evidenciar um espaço de contemplação, de exploração e aproximação com o curso d’água que se revelou em sua qualidade lúdica ao longo de toda a atividade de campo.

Fig. 14: Imagens do projeto para o ponto quatro. Fonte: Acervo do Grupo de Trabalho de Planejamento dos Parques Urbanos, 2019.

Os dois últimos espaços incluídos no projeto do parque são pensados em conjunto. Na área pública, cria-se a Praça do Bosque, apresentada na Figura 15, e consolida-se um campinho de futebol, tirando proveito da movimentação de terra já efetuada para a construção de uma singela arquibancada, que servirá também como lugar de estar. Uma trilha larga percorre a quadra e é atravessada por linhas de plantio de árvores. Mais próximo do córrego, é proposto um pouso que reforça a conexão visual com a outra margem. Nesta outra margem, é proposto um local de retenção das águas do córrego nos períodos de cheia. Em se tratando de uma interface entre um curso d’água e uma propriedade privada que está prestes a receber um novo empreendimento, é proposto um estudo volumétrico de uma edificação com fachada ativa, que configure uma Rua da Orla, referente à Figura 16, um calçadão em frente ao córrego com potencial de transformar esse lugar em um ponto de interesse para visitação. As intervenções de maior porte retomam o partido de projeto adotado para esses dois últimos espaços, em diálogo com o que foi observado durante as caminhadas: trata-se de um lugar que reúne usos coletivos em suas proximidades (horta comunitária, ecoponto) e que se mantém indeterminado, mas que, inevitavelmente, receberá novos empreendimentos, transformando completamente a paisagem atual. O que se propõe aqui é um possível caminho que oriente essa transformação, buscando uma congruência com os usos existentes e a presença do córrego Monjolinho.

Fig. 15: Imagens do projeto da Praça do Bosque. Fonte: Acervo do Grupo de Trabalho de Planejamento dos Parques Urbanos, 2019.

Fig. 16: Imagens do projeto da Rua da Orla. Fonte: Acervo do Grupo de Trabalho de Planejamento dos Parques Urbanos, 2019.

Fig. 17: Implantação geral do projeto do Parque da Orla do Monjolinho. Fonte: Acervo do Grupo de Trabalho de Planejamento dos Parques Urbanos, 2019.

4 Considerações finais

Este artigo buscou apresentar uma reflexão sobre a questão do método de pesquisa no campo da Arquitetura da Paisagem, que envolve a elaboração de estudos e intervenções na cidade e sua paisagem. Foi explicitada uma estratégia metodológica de projeto da Paisagem que transita entre distintas perspectivas de leitura da paisagem, sendo elas, uma visão abrangente e abstrata, que permite a compreensão sistêmica de um território e a quantificação de suas características, e uma apreensão na escala do caminhante, que corresponde às experiências de paisagem suscitadas pelo contato direto com o real.

A perspectiva do caminhante é colocada em evidência, na medida em que permite experienciar os múltiplos aspectos da paisagem que escapam à visão generalista, criticada como de sobrevoo. A frequentação do território de intervenção apoia a formulação de propostas projetuais que levam em consideração as paisagens já existentes, constituídas pelas práticas cotidianas dos moradores. Percorrer esse território permite observar que se trata de um lugar pleno de significados. Os significados se expressam por meio de presenças e apropriações, desdobramentos que passam despercebidos ao olhar técnico que prioriza as funções, geralmente deixando de lado a dimensão subjetiva e sensível da paisagem.

Esta estratégia metodológica tem o intuito de construir um processo de projeto que caminha junto com a leitura e conhecimento do lugar, e a abordagem não se estrutura segundo um programa de projeto pré-estabelecido. O que se propõe é criar formas alternativas de se perceber e abordar uma paisagem relacionando-a à imaginação e proposição de lugares. Evidentemente, não se trata de ignorar as questões que há tempo fazem parte do projeto da paisagem, sobretudo, as questões ambientais. Trata-se, na verdade, de agenciar os distintos perfis da paisagem, através de um processo criativo que parte da premissa de que é imprescindível percorrer, caminhar por esse espaço, adotando uma postura atenta e aberta às associações: trata-se de se deixar afetar pelas diversas manifestações de paisagem

O Grupo de Trabalho dos Parques Urbanos de São Carlos se constitui como espaço privilegiado para a experimentação dessa estratégia metodológica, reunindo representantes de diversos campos disciplinares e constituindo um coletivo que tem como interesse comum pensar os espaços livres da cidade de São Carlos. A proposta para o Parque da Orla do Monjolinho, cuja implantação geral é apresentada na Figura 17, se coloca como uma possibilidade, uma forma de se conceber os espaços livres da cidade, alternativa às lógicas que têm predominado no processo de construção da cidade contemporânea.

Referencias

BAGLIANI, F. (Org.). Paesaggio: un’esperienza multiculturale: scrittu di Bernard Lassus. Roma: Kappa, 2010.

BESSE, J.-M. O gosto do mundo: exercícios de paisagem. Rio de Janeiro: Eduerj, 2014.

BESSE, J.-M. Ver a terra: seis ensaios sobre a paisagem e a geografia. São Paulo: Perspectiva, 2006.

CARERI, F. Caminhar e parar. São Paulo: Gustavo Gili, 2017.

CARERI, F. Walkscapes: o caminhar como prática estética. São Paulo: Gustavo Gili, 2013.

CULLEN, G. Paisagem urbana. Lisboa: Edições 70, 1961.

DARDEL, E. O homem e a terra: natureza da realidade geográfica. São Paulo: Perspectiva, 2015.

JACOBS, J. Morte e vida das grandes cidades: 3. ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2011.

LIMA, M. C. P. B. de. Paisagem, cartografia e projeto: uma leitura da bacia hidrográfica do córrego Monjolinho em São Carlos, SP. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo). IAU-USP: São Carlos, 2019.

LASSUS, B. L’obligation de l’invention: du paysage aux ambiances successives. In: BERQUE, Augustin (Org.). Cinq propositions pour une théorie du paysage. Mayenne: Champ Vallon, 1994, p. 81-106./p>

LYNCH, K. A imagem da cidade: 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da Percepção. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

1 “Mesmo desgastado pelo uso, o vocabulário afetivo afirma que a Terra é apelo ou confidência, que a experiência do rio, da montanha ou da planície é qualificadora, que a apreensão intelectual e científica não pode extinguir o valor que se encontra sob a noção. (...) Entre Homem e a Terra permanece e continua uma espécie de cumplicidade no ser”. (DARDEL, 2015, p. 6).

2 Os Seminários Veredas são eventos anuais organizados pela OSCIP Veredas e realizados no SESC São Carlos, com o intuito de apresentar discussões sobre as bacias hidrográficas que compõem o território da cidade de São Carlos, em especial, a bacia do Córrego Santa Maria do Leme.

The landscape as an experience: a methodological strategy

Maria Cecília Bom de Lima, Luciana Martins Schenk

Maria Cecília Bom de Lima has a degree in Architecture and Urbanism and a Master's in Theory and History of Architecture and Urbanism. She is a researcher in the Graduate Program in Architecture and Urbanism at the Institute of Architecture and Urbanism at the University of São Paulo, and a member of the Working Group of Urban Parks of São Carlos, Brazil. She undertakes research on conceptualization and methodology in Landscape Architecture. mariaceciliapbl@gmail.com

Luciana Martins Schenk has degrees in Architecture and Urbanism and Philosophy, and a Ph.D. in Architecture and Urbanism. She is a professor at the Institute of Architecture and Urbanism at the University of Sao Paulo, Brazil, and at the Graduate Program in Architecture and Urbanism at the same institution. She is the president of the Brazilian Association of Landscape Architects - ABAP, and co-leader of the YBY Research Group - Land Studies, Urban Policies, Space and Landscape Production. She studies cities, development and landscape, open space systems, landscape and design, street designs, squares, and parks. lucianas@sc.usp.br


How to quote this text: Lima, M. C. P. B., Schenk, L. B. M., 2020. The landscape as an experience: a methodological strategy. Translated from Portuguese by Renata Ferrari Novato. V!rus, Sao Carlos, 20. [online] Available at: <http://www.nomads.usp.br/virus/virus20/?sec=4&item=12&lang=en>. [Accessed: 27 January 2023].

ARTICLE SUBMITTED ON MARCH 10, 2020


Abstract

The notion of landscape involves various disciplinary fields such as geography, ecology, art, architecture and urbanism, in which their different approaches are linked to the specificities of each field. It is up to the urban architects, the landscape according to the perspective of the design, comparing these fields and seeking to understand these approaches in their synthesis process for the proposal of places. To this end, they develop strategies that involve readings that seek to encompass the complexities of the territories subject for intervention proposals. In the contemporary context, project processes have gained space seeking to access the landscape as a phenomenological experience, which agencies its goal-oriented and subjective aspects. This article aims to discuss the issue of the research method in a field of knowledge that develops studies on the city and its landscape, and urban life. To this end, it presents a methodological strategy of landscape design that aims to articulate the materialized reading by the attendance of this territory through the perspective of the walker to the readings based on cartographic representations and quantitative, legal, and historiographical information. Its readings enhance, through experience, indeterminate places of the contemporary city and the practices of the everyday sphere. The strategy was tested by the Working Group of The Urban Parks of São Carlos (GTPU) by choosing as study object a stretch of the Monjolinho Stream watershed, in the city of São Carlos, State of São Paulo, which resulted in the proposal of the Parque da Orla do Monjolinho.

Keywords: Landscape, Phenomenological Landscape, Design



1 Introduction

The notion of landscape involves several disciplinary fields whose approaches are linked to the specificities of these fields. Geographers, biologists and ecologists, literati and artists, architects and urban planners, all have in the landscape an issue or motto that are the object of study and development according to their particularities. From the fields listed, it is up to the urban architects to design, which is understood as the way to imagine, represent, and build this landscape. The theme of the landscape has a complexity that is not only related to the multiplicity of perspectives that identify it as an object of reflection and action. It settles in subtle conjunction between objective and subjective dimensions. The landscape is fundamentally a relationship, the physical environment transforms and is transformed by human ways of existence, it is the lived experience and expression of an era: at one time, the landscape is direct experience and representation of values that characterize the relationship between humanity and the world (Besse, 2014). Given the complexity of the landscape theme, it is necessary to investigate potential methods, better named as methodological strategies, involved in the studies that have its design as a perspective.

The landscape, as a phenomenological experience (Besse, 2006), has fundamental qualities that can underpin the planning and design activity. Thus, to engender its potential transformation is to promote an encounter with its objective and subjective aspects, creating opportunities for the revelation of this information through experience and its enhancing through the project, built and in use. Far from being just what is embraced with the vision, the landscape unfolds in layers, whose presence requires the researcher expedients that promote the dialogue between objectivities and subjectivities in a creating way.

Ephemerality and transience are qualities among the aspects of the landscape in relation to the body that runs through it. Here, the landscape is understood as an event that turns visible the individual's contact with the world (Dardel, 2015). Prior to any reflexive effort, the landscape as a direct experience with the real would escape, at that first moment, from the forms of representation and surpass the strictly objective aspect of the medium.

Among the disciplines that make use of the landscape theme, landscape architecture aims to apprehend, interpret, and intervene in the territory. Since its constitution, this field has dealt with objective and subjective issues to promote interventions that consider and build the relationship between human beings and nature.

In the contemporary context, a key of understanding stands out, according to which landscape architects emphasize the aspects based on the concepts of ecology, elaborating from this matrix of thought and focusing on responses based on the so-called green infrastructures and ecosystem services. Here, the emphasis is on the little adherence that this entry of technical prevalence would have in relation to the cultural, technical, and subjective perspectives that the landscape contemplates.

Another approach that has been expanded corresponds to the understanding of the landscape as an experience. The reading of the territory, linked to this second approach, refers to the perspective of the walker and translates an action related to the local scale. In certain approaches, it is particular and on daily base, having its historical roots in the disciplinary field of the landscape. This reading gains special strength and visibility from the final decades of the 20th century to today (Cullen, 1961; Careri, 2013).

The design process linked to this approach is complex since it proposes to deal with an object whose existence would be altered by the rationalization present in any analysis that accompanies the design activity. In other words, the reflection that sparks interpretations activates repertoires and impregnates the original experience of meanings. However, at this moment, we observed, within the subjective spectrum of the landscape, how this walking – which has an aesthetic dimension (Careri, 2013) – can participate in this methodological strategy. This practice is capable of suggesting the election of new landscape themes linked to the daily sphere of cities and of their margin spaces, which are undefined places that remain throughout the urbanization process. They are the banks of watercourses and railways, the wastelands, the remaining public lands of the parceling process which have not yet been appropriated or received any use.

In the contemporary context, Landscape Architecture Design seems to require methods that expand the understanding of what the landscape would be, going beyond the common structure of diagnosis that prescribes solutions to problems and generates a program. More than a natural environment that should be preserved or adapted to the urban environment, the landscape, in this contemporary record, seems to refer to the daily life of citizens and their practices.

In this approach, an action stands out as a creative process that has in the landscape and its characteristics the engine of its design, and that involves, concomitantly, readings of the territory and intervention propositions. This way of designing the landscape requires the construction of consistent approaches that, instead of pre-defining interventions for a given place (a future park, a future square), are based on the reading and attendance to the place to make visible what already exists and imagining others from their potentialities. The expectation is to reveal experiences of this landscape so that its planning, or potential design, can be constituted through this articulation between direct experience with the real, repertoire, and creation.

This article proposes a reflection on a methodological strategy to get to know and design with the landscape. Starting from phenomenology themes, we intend to present a way of conceiving a landscape design consistent with new subjects and values of the contemporary city. Therefore, it presents as an example an experience proposed by an interdisciplinary group, the GTPU, Working Group of Urban Parks of São Carlos: the design process for the Orla do Monjolinho park.

The first part of the article presents the main theoretical issues of the field of phenomenology and landscape architecture that corroborate the construction of this methodological strategy. Starting from reflections present in geography (Dardel, 2015) and phenomenology (Merleau-Ponty, 1994), we seek to understand the landscape as a direct experience, without mediations. The question posed here is: what the implications and consequences of this approach to the projecting field of landscape architecture in the contemporary context are?

The second part confronts the theoretical questions with an empirical object in a design experiment, explaining the associations and meanings constructed in the design process of the Orla do Monjolinho park, in the city of São Carlos. The methodological strategy is then presented, joining the reading of stretches of the Monjolinho river basin and intervention proposals, relating experience, repertoire, and creation.

2 A methodological strategy for designing with the landscape

The beginning of the 20th century was marked by criticism of positivist science. The effort to create universal concepts to systematize knowledge, a process that based much of the development of science in its specializations, culminated, dialectically, in the simplification of the complexities of the world. There are two issues that are important to note: the first concerns a comprehensive vision of the whole that is lost in this process of specializations; and a second, result of this compartmentalization of knowledge, which is the search to explain things from its specialization point of view.

The philosophical field of phenomenology stands for questioning this science. The philosopher Maurice Merleau-Ponty (1994) characterizes phenomenology as a science based on naïve contact with the world, whose understanding would dispense symbols and abstractions. This philosophy does not aim to build explanations of the world, but descriptions. The totalities produced do not claim to be determinant but an approximation by profiles, constructed by experience. Direct contact with things, prior to any reflexive effort, would be the guiding theme of this philosophy, placing the body as centrality in the production of knowledge.

The notion of landscape participated in this critical process on the production of knowledge. Until the beginning of the 20th century, it was understood as exteriority, as physiognomy of the world, in a clear separation between subject and object. From the ideas defended by phenomenology, the apprehension of the landscape in its dimension of experience was placed in the foreground, causing this separation to lose its meaning.

Eric Dardel ([1952] 2015), a French geographer who distanced himself from the prevailing discourses of his time (the mid-1950s), brought reflections of phenomenology to his field. The author redefines his disciplinary field, stating that geography is the previous experience of scientific concepts1. More than a clearly delimited field of knowledge and endowed with a chronology, geography relates to an existential dimension that concerns the relationship between man and Earth. In this sense, Dardel describes the various geographies, which are not organized successively throughout the ages but become present according to the attitude that humanity presents before the world. Geography as a relationship, either of closer links that are established in the relations of origin between the world and life (mythical geography) or in the distancing that characterizes the search for science for the knowledge of its object of study, the earth (scientific geography).

Within the notions established by Dardel, the landscape would be understood from the human presence and its relationship with the world in which it is inserted. Dardel states that "much more than a juxtaposition of picturesque details, the landscape is a set, a convergence, a moment lived, an internal connection, an "impression", which unites all the elements" (Dardel, 2015, p. 30, our translation, emphasis added).

Moving away from the predominant definition of the landscape of occidental culture, consisting mainly of landscape paintings and a sense of vision, Dardel evokes the landscape as an experience: "it is not, in its essence, made to look at but the insertion of man in the world, a place of struggle for life, a manifestation of and its being with others, the basis of its social being" (Dardel, 2015, p. 32, our translation).

Resuming the issue of the phenomenon to relate it once again to the landscape in the field of Architecture and Urbanism, historiography presents a movement that brings forth the defense of perception in contrast to the generalizations promoted by the modernist key of Rational Functionalism. The 1960s encompassed a whole range of authors who built the defense of an architecture based on issues of experience, with notes of increasing subjectivity as a vital design issue, either in the perception of movement with an emphasis on walking, and the frameworks that unravel the urban landscape (Cullen, 1961), in the production of mental maps that take part in the construction of an imaginary of cities and their meanings (Lynch, [1960] 2011), or in the affirmation of diversity and mixture proper to everyday life (Jacobs, [1961] 2011).

In the contemporary context, the protagonism of the experience in the processes of reading the city can be identified in the writings of architect Francesco Careri, who presented in his books "Walkscapes: walking as an aesthetic practice" (2013) and "Walking and stopping" (2017) a way of thinking an architecture linked to the mode of experiencing space by walking through it. The practice of walking considered by the author, and which taxes the criticism mentioned in the previous paragraph, by advancing in its elaboration, refers to what allows us to know the city through movement, which is revealed between places built and determined by meanings, referring to dominant logics. According to the author, walking through the indeterminate spaces of the city, attending places that do not have clear meanings, allows us to know parts of the city in which the multiple practices of urban daily life are developed, and which have remained, in some way, invisible.

The fields of knowledge that try to apprehend contemporary cities are faced with their ephemeral character and the deconstruction of concepts that, for long periods, determined what would be a landscape that could be enjoyed. The context of this city is characterized by the indetermination of the remaining spaces throughout the continuous transformation processes, resulting from legal determinations, related to the real estate market dynamics and the multiple forms of appropriation of the city by its population. The everyday landscapes of this urban actuality are prodigal in what is supposedly devoid of meanings: they go unnoticed and do not participate in the perception of the individual and groups, consequently not qualifying as places.

The methodology rehearsed here seeks to dialogue with the challenge of including these spaces in the reading processes, spaces that remain from processes that have occurred over years, a kind of palimpsest of overlapping landscapes. First of all, it presents a perspective that intends to be able to access the multiple layers of the landscape, promoting its apprehension as an experience: it is the direct contact with the things that will broker the subjective and the objective aspects of the landscape. If the landscape is experience, designing it means making such an experience apprehensive. This discourse is present in the performance of some contemporary architects, who seek to reconfigure their methodological strategies of knowledge and intervention in the territory, according to the aspects in evidence today as transience and indeterminacy.

The landscape architect Bernard Lassus (1994) presents reflections that indicate links with the notions of phenomenology. His design process is characterized by readings of the place of intervention, which infers this direct contact with the real, as presented previously, also consider historical characteristics, physical aspects, and diverse perceptions. Lassus discusses some strategies and ideas that guide his design activity: the "floating attention" would be that receptive posture of those who seek to know a territory, willing to grasp the various aspects that compose it, without a predefined program, narrowing this reading. The author distinguishes between "visual scale", which concerns everything that configures as an image, and "tactile scale", which covers everything that can be perceived beyond vision (odors, textures, sounds); it brings the idea of "minimal intervention", which could transform the perception of the landscape without changing it physically in an untimely way. With these notions, Lassus makes subtle interventions that present proposals for new readings of existing landscapes (Lassus apud Bagliani, 2010; Lassus, 1994).

This way to interpret the landscape, which highlights the lived world from a walker’s scale, allows access to its various aspects, irreducible to a view of overflight or a reading that intends to quantify the characteristics of the territory. While classical cartography and aerial photographs homogenize landscapes margins, such as riverbanks, railways and highways, wastelands, and unqualified public land, the practice of crossing such landscapes reveals its distinct qualities. The project, as a representation of a proposal for the qualification of places, does not present itself as a solution to a diagnosis but, rather, it is installed as a possible synthesis of these layers, promoted transversally between readings and interpretations.

3 Landscape and experience: territory, places, and intervention

Created in 2017, through the Resolution CONDEMA 01/2017, the Working Group of Urban Parks of São Carlos (GTPU) initially aimed to formulate guidelines for Urban Parks, instituted by decree No. 170 of 2017. During 2018, the GTPU developed a strategy that created categories of analysis associated with parks, squares, and streets, based on the Landscape Unit of the watershed from the consolidation of a Free Spaces System in the available public areas. The group's action, guided by a methodology developed since 2015 in the landscape course of the Institute of Architecture and Urbanism at the University of São Paulo - IAU-USP, proposed the approach that promotes the transit between scales, going from the spheres of planning to urban design. As a result, at the end of 2018, based on a series of cartography and complementary information, the linear park of the Kartódromo-Cambuí was presented during the V Seminar Veredas2, at SESC São Carlos, which already materialized part of the methodological strategy, presented here in a process of reading and proposing occupation, fruition, and conservation of this city’s territory.

This multiscale approach based on the methodological field proved to be fruitful. The GTPU chose as its object of discussions, parts of the main urban watershed of the city of São Carlos, the Monjolinho river basin, promoting a planning approach and deepening the methodological strategy, which was applied in 2019.

Under the coordination of professors Renata Bovo Peres (DCAm-UFSCar) and Luciana Bongiovanni Martins Schenk (IAU-USP), the group was involved in the construction of a reading process that delimited the territory that would receive design proposals. Without a predefined path, walks were carried out, following the watercourse that structures the clipping territory along the Monjolinho Stream. The path was chosen according to the interest of the walkers, who followed the prerogative presented by Lassus and related to the maintenance of floating attention, an expedient that sought to expand the reception of stimuli. The direct experience of the real was the object of verbal exchanges at the moment of going to the field. Photography and drawing, comments and descriptions comprised a mosaic gathered and debated by the group. As an expected outcome, associative processes were presented from perceptions experienced in different places, imagining possibilities. The experience was then related to themes of contemporary urban development also present in the agenda of landscape architecture.

Although no previous path was established, the walks were guided by a central idea or principle that guides the actions of the GTPU: how to make the streams visible and make them participants of the daily life of the city, no longer being just the bodies of water remarked as barrier or catastrophe but a multiple quality of landscape perception. In parallel to the field experience, information was gathered that would compose another necessary and general approach to the studied watershed, understood as abstract and overflight (Merleau-Ponty, 1994). This information consisted of documents, such as legal provisions of various natures, cartography on hydrography, topography, demographic and social data, and other information present in the Master Plan, such as Free and Recreational Areas, Use and Occupation, information on environmental fragility, as well as data related to connectivity and access, such as public transportation lines and information from bicycle rider groups about bike paths.

The articulation between the two scales – of overflight and of the walker – assisted in the process of knowledge of the territory to the extent that the information, collected in the stage of studies on the basin, was identified in loco. The walks, carried out along the stretch of the Monjolinho Stream, were limited between the Kartódromo Park and the Washington Luís Highway. The urban context of the public properties indicated by the cartography and of the unpaved roads indicated by the aerial images and maps of the City Hall were observed. The visiting of these places allowed to observe them through new perspectives, invisible to the view of overflight, besides seeing a series of relevant characteristics to think about potentialities for the project.

Six points of interest were identified during the walks. The first, explained in Figure 1, consists of the margin of the Monjolinho stream that composes the immediate surroundings of the Kartódromo Park. This park hosts several uses at different times of the day as sports activities, fairs, and children's leisure. Despite the intense flux of this small park, the stream does not participate in these dynamics. It crosses the hidden territory by the vegetation of the banks and traffic lanes, configuring itself as a barrier. In certain points, the stream can be seen, as shown in Figure 2, and its aspect raises the playful potential that water can bring to the design of free spaces. The quality of this meeting and the possible design solutions are the object of memories and narratives.

Fig. 1: First point of interest. Source: Collection of the Urban Park Planning Working Group, 2019.

Fig. 2: Córrego Monjolinho. Source: Collection of the Urban Park Planning Working Group, 2019.

If the Kartódromo space is often used, its surroundings are not. Especially the left bank of the Monjolinho Stream, which presents an indeterminate profile, being in a state of abandonment with the presence of waste and garbage of various qualities. While the cartography and aerial images show these spaces as a homogeneous set of voids, the attendance allows to unveil specific characteristics of each place and potential connections. There is a road that borders the stream and has not yet been paved (despite the pressure by entrepreneurs, witnessed by the government, to become a conventional main avenue), as can be seen in Figure 3. The landscape configured is silent, distant from the flows of cars and with occasional presence of a trail marked by tires that run sporadically through the place; of abandoned waste along the edge of the stream; plant species apparently planted by residents of the surroundings. The walker finds himself in a kind of corridor formed by walls on one side and vegetation of the Permanent Preservation Area on the other. Eventually, it is possible to observe or hear the waters of the Monjolinho stream or the movements that occur on the opposite bank. The idea that this experience could be expanded to the population crossed the group's conversations.

Fig. 3: Unpaved road on the left bank of the Monjolinho stream. Source: Collection of the Urban Park Planning Working Group, 2019.

Several plots of land along this road have not yet been occupied. Among them, one on the left margin, publicly owned, the second point, presented in Figure 4, is located in front of the Kartódromo park. Currently, a part of its area has been used as parking lot for a commercial facility while the rest is covered by vegetation without maintenance. The slope of the terrain allows the visualization of the space of the Kartódromo park and a close horizon of buildings. Here, the group discusses the possibility of joining the Kartódromo park to a future square, whose qualities could complement the sports activities of the Park.

Fig. 4: Second point of interest. Source: Maria Cecília Pedro Bom de Lima, 2019.

Going upstream, another public land that has not yet been occupied has the specific characteristic of corresponding to a square, which makes the existing buildings compose a wall on a side of the land, as shown in Figure 5. Another relevant information that constitutes the third point is that, like the Kartódromo park, this small piece of land has already been crossed by the intricacies of the Monjolinho stream, as indicated by an old map of the city.

Fig. 5: Third point of interest. Source: Collection of the Urban Park Planning Working Group,2019.

The fourth point, shown in Figures 6 and 7, sets up a wooded path between the Monjolinho stream and the existing buildings, which provides an alternative path to the street. The “discovery” of this place took place from the journey through landscapes that appeared along the way. Apparently, off the route of daily flows, this stretch has the potential to be a trail option away from the paved street and the presence of cars, and close to the stream. The frequentation of this section allowed us to verify that, in fact, it is not a space outside everyday practices. On the bridge that ends this stretch, for example, people were observed with fishing rods on the bank of the stream.

Fig. 6: fourth point of interest. Source: Collection of the Urban Parks Planning Group, 2019.

The trail continues after crossing the bridge (Alameda dos Heliótropos). It is a stretch of preservation, now on the right bank, with the ground full of leaves (serrapilha), and a relief that allows a closer approximation to the stream in the widening stretches. Much of this place, until reaching the next bridge, presents ways of appropriation of the Monjolinho margins by the population: improvised benches, ornamental plant species, a swing.

Fig. 7: Fourth point of interest. Source: Collection of the Urban Park Planning Working Group, 2019.

The fifth point is between the stream and a private property that borders the stream and has not yet been occupied. It is a large empty space covered by herbaceous and grasses, shown in Figure 8. It coincides with the end of the trail for those who walk along that unpaved road, delimited by walls and vegetation on the left bank of the stream. At different times of attendance, they were the object of reference for the group. There, diverse landscapes are revealed: from a wide field of vegetation in green and white tones during the flowering season to a carbonized field after “cleaning” by burning vegetation that develops without control. Remnants of a brick portal indicate past use that has not continued. As long as the land does not receive an undertaking, it remains in an undetermined condition, while the surrounding city "turns its back on it", as the group participants commented.

Fig. 8: Fifth point of interest. Source: Collection of the Urban Park Planning Working Group, 2019.

The sixth point, shown in Figure 9, refers to another public space that has not yet received a project qualification but that shows signs of ownership by the population, such as improvised benches and a soccer field. Near this place, there is a community garden and a so-called ecopoint, which demonstrates the potential of a meeting place and common use in this part of the city. From there, it is possible to see the other bank in its promontory condition.

Fig. 9: Sixth point of interest. Source: Collection of the Urban Park Planning Working Group, 2019.

The walks enabled the apprehension of various characteristics that were not accessible by cartographies, aerial images, and legal provisions. Places that apparently were devoid of any meaning or use. However, the experience of the walks revealed traces of appropriation by the residents: improvised furniture and small gardens as an extension of the residences and executed by the residents. While attending, it was already possible to glimpse potential design proposals according to the observed aspects and existing uses. These proposals would be discussed in a group, in a second stage of the design process of Orla do Monjolinho park.

The Orla do Monjolinho project park is already ongoing during the field visit and decisions about enhancing the walker's and cyclist's point of view guide the dialogues. The potentialities are registered through images and notations. It is strategic to create alternative interventions that allow articulating the necessary infrastructure for its entry into the urban game while protecting slower flows. Thus, it enables the apprehension of existing landscapes in this perspective, in an undetermined context of the city that receives strong pressures to configure itself as a space for the automobile, a logic conventionally adopted throughout the city.

As the proposals are developed through drawings related to specific interventions recorded along the stretch that the team delimited for the park, the moments of living in the place, of walking along the banks of the stream that give rise to the project are highlighted. From a collective effort, possible interventions are put on paper. They are actions built in the light of this landscape, related to the movement of bodies and their perceptions. This process is explained in Figure 10.

Fig. 10: Design studies. Source: Collection of the Urban Parks Planning Working Group, 2019.

As general guidelines, especially considering the experience of leading the pedestrian, devices were indicated to affirm the local character of the road and reaffirm the existing uses at the Kartódromo. Such devices consist of elevated lanes on corners and in stretches in front of public spaces, corners redesigned to control the speed of vehicles, in addition to the design of a cycle path circuit, as shown in Figure 11.

Fig 11: General implementation of the Orla do Monjolinho park. Source: Collection of the Urban Parks Planning Working Group, 2019.

The immediate surroundings of the Kartódromo bring together a set of public spaces of interest: the first was called Deck Prainha and consists of a wooden floor that allows the arrival of users of the Kartódromo park to the Monjolinho stream. This action materializes the ever-present desire to make the population enjoy the city's streams. The Deck is in front of the proposal of the so-called Praça do Pôr do Sol, the second point chosen in the reading activities, which reflected the desire for connection between public open spaces, highlighted in the field visit. This place has the potential to accommodate the expansion of activities that take place at the Kartódromo. The visual connection is associated with a physical connection with a small pedestrian bridge that joins the two public spaces. The connection between these two spaces, explained in Figure 12, seeks to eliminate the barrier character of the stream observed during the walks. The stream would become a place of convergence, crossing spaces that could house several collective activities.

Fig. 12: Images of the Prainha Deck and Praça do Pôr do Sol project. Source: Collection of the Urban Parks Planning Working Group, 2019.

Further ahead (upstream of the stream), the other public property, perceived during visits as unoccupied land and surrounded by blind walls, is now called Praça Molhada, shown in Figure 13. This small square configures the third point and will play the role of water retention in times of flood, participating once again in the hydrological logic and operating as a memory of the course of the stream that, one day, as the cartographies prove, passed through it. It has a simple design with a wooden wharf overlaid on the area to be flooded. On the face of the land that borders the buildings, showers are placed to reinforce playful contact with water in this space.

Fig. 13: Images of the Praça Molhada project. Source: Collection of the Urban Parks Planning Group, 2019.

The proposed interventions are most evident in Praça do Pôr do Sol and Praça Molhada, since the characteristics of the existing uses and the project parties adopted according to these uses demand an infrastructure that does not exist on site. On the other hand, the next sequence of spaces is designed according to subtle actions, which minimally transform the physical characteristics of the place. Something that would approach the so-called “minimal intervention”, described by Bernard Lassus. Unlike the other two spaces, which have the potential to structure certain uses that require larger interventions, the proposal for these is to make existing landscapes visible. In the same region, on the right bank of the stream, the wooded space receives the proposal of an orchard and a stretch of bicycle path, as shown in Figure 14. Following this margin, after crossing the bridge, it is proposed to consolidate a trail of dirt or gravel, with a place to be closer to the stream. The goal, in this fourth point, is to highlight a space for contemplation, exploration, and approximation with the watercourse that has been revealed in its playful quality throughout the entire field activity.

Fig. 14: Project images for point four. Source: Collection of the Urban Parks Planning Working Group, 2019.

The last two spaces included in the park's design are thought together. In the public area, the Praça do Bosque, shown in Figure 15, is created and a soccer field is consolidated, taking advantage of the earth movement already carried out to build a simple bleacher, which will also serve as a seating area. A wide trail runs through the block and is crossed by tree planting lines. Closer to the stream, a landing that reinforces the visual connection with the other bank is proposed. On this other bank, a place for retaining stream waters during flood periods is proposed. In the case of an interface between a watercourse and a private property that is about to receive a new development, a volumetric study of a building with an active facade is proposed, which constitutes the Rua da Orla, referring to Figure 16, a boardwalk in front of the stream with the potential to turn this place into a point of interest for visitation. Larger interventions are based on the project adopted for these last two spaces, in dialogue with the observations made during the walks: it is a place that brings together collective uses in its vicinity (community garden, ecopoint) and which remains undetermined but will inevitably receive new developments, completely transforming the current landscape. The proposition presented here is a possible path to guide this transformation, seeking a congruence with the existing uses and the presence of the Monjolinho stream.

Fig. 15: Images of the Praça do Bosque project. Source: Collection of the Urban Park Planning Working Group, 2019.

Fig. 16: Images of the Project of Rua da Orla Source: Collection of the Urban Park Planning Working Group, 2019.

Fig. 17: General implementation of the Monjolinho Waterfront Park project. Source: Collection of the Urban Park Planning Working Group, 2019.

4 Final considerations

This article sought to present a reflection on the issue of the research method in the field of Landscape Architecture, which involves the elaboration of studies and interventions in the city and its landscape. It explained a methodological strategy of landscape design that transitions between different perspectives of landscape reading and is a comprehensive and abstract vision that allows the systemic understanding of a territory, quantification of its characteristics, and apprehension in the walker scale, which corresponds to the landscape experiences raised by direct contact with the real.

The perspective of the walker is highlighted, as it enables the experience of the multiple aspects of the landscape that escape the generalist view, criticized as overflight. The attendance of the intervention territory supports the formulation of design proposals that take into account the existing landscapes, constituted by the daily practices of the residents. Going through this territory allows us to observe that it is a place full of meanings. The meanings are expressed through presences and appropriations, unfoldings that go unnoticed to the technical look that prioritizes the functions, usually leaving aside the subjective and sensitive dimension of the landscape.

This methodological strategy aims to build a project process that goes along with reading and knowledge of the place and the approach is not structured according to a pre-established project program. What is proposed is to create alternative ways of perceiving and approaching a landscape relating it to the imagination and purpose of places. Of course, it is not a question of ignoring the issues that have been part of the landscape project for some time, especially environmental issues. It is, in fact, to broker the different profiles of the landscape, through a creative process that departs and the premise that it is essential to walk through this space, adopting a careful and open posture to associations: it is about letting itself be affected by the various landscape manifestations.

The Working Group of Urban Parks of São Carlos is a privileged space for the experimentation of this methodological strategy, bringing together representatives from various disciplinary fields and constituting a collective that has a common interest to think the free spaces of the city of São Carlos. The purpose of the Parque da Orla do Monjolinho, whose general implantation is presented in Figure 17, is a possibility, a way of conceiving the free spaces of the city, an alternative to the logics that have prevailed in the process of construction of contemporary science.

References

BAGLIANI, F. (Org.). Paesaggio: un’esperienza multiculturale: scrittu di Bernard Lassus. Roma: Kappa, 2010.

BESSE, J.-M. O gosto do mundo: exercícios de paisagem. Rio de Janeiro: Eduerj, 2014.

BESSE, J.-M. Ver a terra: seis ensaios sobre a paisagem e a geografia. São Paulo: Perspectiva, 2006.

CARERI, F. Caminhar e parar. São Paulo: Gustavo Gili, 2017.

CARERI, F. Walkscapes: o caminhar como prática estética. São Paulo: Gustavo Gili, 2013.

CULLEN, G. Paisagem urbana. Lisboa: Edições 70, 1961.

DARDEL, E. O homem e a terra: natureza da realidade geográfica. São Paulo: Perspectiva, 2015.

JACOBS, J. Morte e vida das grandes cidades: 3. ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2011.

LIMA, M. C. P. B. de. Paisagem, cartografia e projeto: uma leitura da bacia hidrográfica do córrego Monjolinho em São Carlos. Msc. Thesis. Instituto de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, São Carlos.

LASSUS, B. L’obligation de l’invention: du paysage aux ambiances successives. In: BERQUE, Augustin (Org.). Cinq propositions pour une théorie du paysage. Mayenne: Champ Vallon, 1994, p. 81-106./p>

LYNCH, K. A imagem da cidade: 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da Percepção. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

1 "Even worn out by use, affective vocabulary states, that the Earth is appeal or confidence, that the experience of the river, mountain or plain is a qualifier, that intellectual and cannot extinguish the value that is under the notion. (...) Between Man and Earth remains and continues a kind of complicity in being." (Dardel, 2015, p. 6, our translation).

2 The Veredas Seminars are annual events organized by OSCIP Veredas and Sesc São Carlos to present discussions about the hydrographic basins that make up the territory of the city of São Carlos, in particular, the Santa Maria do Leme Stream basin.