MODERNOS RADICAIS

Marcelo Tramontano, Juliana Trujillo, Fernanda Ferrari, Nayara Benatti, Mariah Di Stasi, Guilherme Mayrinck

Marcelo Tramontano é arquiteto e Livre-docente em Arquitetura e Urbanismo. Professor Associado e pesquisador do Instituto de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (IAU-USP), onde coordena o Nomads.usp, Núcleo de Estudos de Habitares Interativos, e é editor-chefe da revista V!RUS

Juliana Couto Trujillo é Mestre em Estudos de linguagem e pesquisadora no Instituto de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo. Professora Adjunta na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, coordenadora do grupo de pesquisa algo+ritmo. Estuda processos digitais de projeto, cidades e cultura digital e políticas culturais com meios digitais.

Fernanda Ferrari é Arquiteta e pesquisadora do Nomads.usp, no Instituto de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo. Atua no desenvolvimento, execução e gerenciamento de projetos de arquitetura e de interiores e tem como foco de pesquisa o processo de projeto na plataforma BIM.

Nayara Benatti é Cientista Social e pesquisadora do Nomads.usp, no Instituto de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo. Estuda ações culturais em espaços públicos como processo colaborativo.

Mariah Di Stasi é Arquiteta e pesquisadora do Nomads.usp, no Instituto de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo. Estuda processo de projeto arquitetônico através da Cibernética.

Guilherme Mayrinck é Arquiteto e Urbanista, pesquisador voluntário do Nomads.usp no Instituto de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo. Desenvolve trabalhos voltados para gerenciamento de projetos e processos colaborativos na construção civil.


Como citar esse texto: TRAMONTANO, M.; TRUJILLO, J.; FERRARI, F.; BENATTI, N.; DI STASI, M.; MAYRINCK, G. Modernos radicais (Editorial). V!RUS, São Carlos, n. 12, 2016. Disponível em: <http://www.nomads.usp.br/virus/virus12/?sec=1&item=1&lang=pt>. Acesso em: 21 Fev. 2020.

MODERNOS RADICAIS

Revisitar o conceito de Moderno e as realizações das vanguardas modernas é uma ideia antiga no Nomads.usp. Além de já ter produzido várias pesquisas sobre arquitetura, cidades e modos de vida no Brasil e no mundo, no período que vai do final do século XIX até meados do século XX, muitas das referências teóricas e projetuais de todas as demais pesquisas do Núcleo têm raízes aí.

O que mais encanta ao se examinar esse período é a atitude corajosa e desafiadora de questionamento e busca de ampliação de limites que constitui um denominador comum a modernos radicais nas várias áreas do conhecimento. No cinema, na música, nas artes visuais, na arquitetura, na literatura, no design, na moda, na própria maneira de se escrever a história, as realizações da primeira metade do século XX exibem, muitas vezes, uma irreverência ao mesmo tempo competente, consistente e conseqüente que talvez tenha se tornado rara desde então.

De fato, é curioso notar que o perfil de muitos que estudam, hoje, as vanguardas modernas é absolutamente conservador, resistente a mudanças e renovações e saudoso de momentos pretéritos. Exatamente o oposto das personagens que estudam. Os modernos radicais que a revista V!RUS aborda em sua décima segunda edição foram, em geral e, no Brasil, em particular, pessoas extremamente abertas ao que acontecia no mundo, leitores ávidos de revistas que constituíam canais privilegiados de informação, grandes viajantes, interessados por processos transdisciplinares, inventores de novas técnicas, formuladores de novos processos, contribuindo para a revisão do pensamento teórico e de modos de fazer em muitas áreas do conhecimento.

Nessa edição, temos o grande prazer de oferecer aos leitores um conjunto de textos e imagens que discutem variados aspectos do Moderno, situados no recorte temporal entre o início dos chamados Tempos Modernos, na Renascença, e os dias atuais.

Leituras críticas e reexames conceituais são apresentados por Otavio Leonidio [ O COMPLEXO FOSTER-EISENMAN ], Flávia da Costa e Rafael Brandão [ DA PROPOSIÇÃO MODERNA NA CONTEMPORANEIDADE: SUPERAÇÃO OU RESGATE? ] e na entrevista com Carlos Martins, por Marcelo Tramontano [ PERGUNTAS MODERNAS, PERGUNTAS RADICAIS ]. Uma reflexão sobre as relações entre moderno e paisagem é proposta por Luciana Schenk [ MODERNO E PAISAGEM, CONTATOS POSSÍVEIS ].

A cidade nas histórias em quadrinhos é objeto do estudo de Tânia Cardoso [ UM SONHO QUE NASCE NA METRÓPOLE: CONSIDERAÇÕES SOBRE A CIDADE MODERNA EM LITTLE NEMO IN SLUMBERLAND ]. A cidade também é lida, pelas lentes da arte , no texto de Maria Fernanda Vegro [ A OBRA NOSSO LAR - BRASÍLIA E O MOVIMENTO MODERNO: PARAÍSO OU PURGATÓRIO? ]. Arte e arquitetura são aproximadas no artigo de Rafael de Almeida e Fábio Lopes [ PERSPECTIVAS CRÍTICAS ENTRE ARTE E ARQUITETURA: O IDEÁRIO MODERNO VISTO ATRAVÉS DAS INVESTIGAÇÕES DE DAN GRAHAM ].

Relações entre o Moderno e o cinema são abordadas por Denise Vieira e Ana Elisabete Medeiros [ LE CORBUSIER ENCONTRA A MARRETA: CORPO, ESPAÇO E MODERNIDADE NO FILME O HOMEM AO LADO ] e por Marcelo Tramontano [ ESPÉCIES DE ESPAÇOS: NOTAS SOBRE UM EXERCÍCIO POTENCIAL ], que também explora conexões com a literatura . Uma reflexão sobre a fotografia de uma obra moderna é proposta por Ana Ottoni [ A RUÍNA BRUTALISTA ].

Quatro artigos tratam de espaços de habitar , tema caro aos arquitetos modernos. Um deles, de Silvia Pina e Natalia Ranga, revisita os conjuntos habitacionais [ O OLHAR DISTINTO DOS IAPS E A IMPLANTAÇÃO HABITACIONAL MODERNA ], e outros três tratam de casas modernas : são os trabalhos de Ana Sofia Silva [ DOMESTICIDADE E VIGILÂNCIA: O EXEMPLO DA CASA DE MELNIKOV ], de Ana Elísia Costa e Mariana Samurio [ CASA PA: ENTRE PAULO MENDES DA ROCHA E METRO ARQUITETOS ] e de Denise Mônaco dos Santos e Andressa Martinez [ IMAGENS DE CERTA MODERNIDADE: A CASA KLABIN EM CAMPOS DE JORDÃO, UMA INSTÂNCIA DE EXPERIMENTAÇÕES ARQUITETÔNICAS ].

O patrimônio construído moderno é tratado do ponto de vista da contribuição dos modernos para a construção do conceito de preservação , no Brasil, por Ana Lúcia Meira [ OS MODERNOS E AS ESCOLHAS DO PASSADO NO SUL DO BRASIL ]; no exame de realizações em meio urbano, por Celma Vidal [ EXPERIÊNCIAS DO MODERNO EM BELÉM: CONSTRUÇÃO, RECEPÇÃO E DESTRUIÇÃO ], e em uma experiência de documentação, por Erivelton da Silva [ O MODERNISMO OCULTO DE PETRÓPOLIS ].

Os meios digitais são abordados em dois textos: um, relacionado à arte eletrônica , de Karla Brunet [ ECOS MODERNISTAS EM ARTE ELETRÔNICA ], e, o outro, sobre a atualidade da media art , de Alessio Chierico [ ESPECIFICIDADE DO MEIO NA PRÁTICA PÓS-MÍDIAS ].

Dois trabalhos se debruçam sobre grandes modernos radicais brasileiros. Em um deles, Adelia Borges lê a trajetória de Santos Dumont a partir do design [ SANTOS DUMONT: O POETA VOADOR ] e, no outro, Renato Anelli traz um aspecto do processo de projeto de Lina Bo Bardi [ UMA FLOR ENTRE A PEDRA E O CRISTAL ].

O projeto gráfico dessa edição tem como referência o filme "2001, uma odisséia no espaço", que Stanley Kubrick realizou em 1968. O filme problematiza a relação homem-máquina no momento em que a informatização começava a fazer parte do quotidiano, em diversas partes do mundo. Com design e direção de arte irretocáveis e surpreendentemente atuais, o filme registra muito da maneira como se imaginava o futuro nos anos 1960, exibindo diversos objetos, tecnologias e equipamentos que tornaram-se corriqueiros décadas depois. A paleta de cores, as fontes e o grafismo das páginas da V!RUS 12 evocam o painel de controle do computador HAL 9000, como uma citação à competente pesquisa em design, tecnologia e modos de vida que fundamenta o filme, mas também como homenagem a esse grande trabalho de documentação de um futuro moderno e radical.

Esperamos que essa edição da V!RUS sobre a radicalidade moderna contribua para o debate em torno da necessidade e da urgência de questionamentos que caracteriza seu legado, e inspire nossos leitores em suas reflexões, em suas realizações, em suas vidas.

Painel do computador HAL 9000, no filme "2001, uma odisséia no espaço". Fonte: Typeset in the Future. Disponível em: < http://bit.ly/28Wu1tz . Acesso em: 06.07.2016

RADICAL MODERNS

Marcelo Tramontano, Juliana Trujillo, Fernanda Ferrari, Nayara Benatti, Mariah Di Stasi, Guilherme Mayrinck

Marcelo Tramontano is Architect and Livre Docente in Architecture and Urbanism, and Associate Professor and researcher at the Institute of Architecture and Urbanism, IAU-USP, of the University of Sao Paulo, Brazil. He directs the Nomads.usp, Center for Interactive Living Studies, and is the Editor-in-Chief of V!RUS journal.

Juliana Couto Trujillo is Master in Languages Studies and researcher at Nomads.usp, at the Institute of Architecture and Urbanism of the University of Sao Paulo, Brazil. Adjunct Professor at the Federal University of Mato Grosso do Sul, Brazil, where she coordinates the research group algo+ritmo. She studies digital design processes, cities and digital culture, and cultural policies with digital media.

Fernanda Ferrari is Architect and researcher at Nomads.usp, at the Institute of Architecture and Urbanism of the University of Sao Paulo, Brazil. She works on development, implementation and management of architecture projects and interior design. She studies BIM supported design process.

Nayara Benatti is Social Scientist and researcher at Nomads.usp, at the Institute of Architecture and Urbanism of the University of Sao Paulo, Brazil. She studies cultural actions in public spaces as collaborative processes.

Mariah Di Stasi is Architect and researcher at Nomads.usp, at the Institute of Architecture and Urbanism of the University of Sao Paulo, Brazil. She studies architectural design process using Cybernetics.

Guilherme Mayrinck is Architect and Urban Planner, voluntary researcher at Nomads.usp, at the Institute of Architecture and Urbanism of the University of Sao Paulo, Brazil. Develops works focused on project management and collaborative processes in civil construction.


How to quote this text: Tramontano, M., Trujillo, J., Ferrari, F., Benatti, N., Di Stasi, M. and Mayrinck, G., 2016. Radical moderns (Editorial). V!RUS, [e-journal] 12. [online] Available at: <http://www.nomads.usp.br/virus/virus12/?sec=1&item=1&lang=en>. [Accessed: 21 February 2020].

RADICAL MODERNS

Revisiting the concept of Modern and accomplishments of modern avant-garde is an old idea at Nomads.usp. Besides having produced several studies on architecture, cities and ways of living in Brazil and the world, at the period from the late nineteenth to mid-twentieth century, many of the theoretical and projective references of all other projects have their roots there.

What is more charming when examining this period is the courageous and defiant attitude of questioning, searching for broadening limits as a common denominator of radical moderns in various areas of knowledge. In cinema, music, visual arts, architecture, literature, design, fashion, and even in the way of writing history, the achievements of the first half of the twentieth century exhibit often irreverence simultaneously competent, consistent and consequent that has become perhaps rare since then.

Indeed, it is curious to notice that the profile of many of those who study today modern avant-garde is absolutely conservative, resistant to changes and renovations and longing for bygone times. Exactly the opposite of the personages they study. Radical moderns approached by V!RUS Journal in its twelfth edition were, in general and in Brazil in particular, people extremely open to what was happening in the world, avid readers of magazines that constitute privileged information channels, great travelers, curious about new developments. They were interested in transdisciplinary processes, makers of new techniques, inventors of new processes, contributing to review both theoretical thinking and ways of doing in many areas of knowledge.

In this issue, we have the great pleasure to offer our readers a set of texts and images that discuss various aspects of the Modern, located in the time frame between the beginning of the so called Modern Times, during the Renaissance, and today.

Critical readings and conceptual reexaminations are presented by Otavio Leonidio [THE FOSTER-EISENMAN COMPLEX], Flávia da Costa and Rafael Brandão [ON MODERN PROPOSITIONS IN CONTEMPORANEITY: TO OVERCOME OR TO RESCUE?] and in the interview with Carlos Martins, by Marcelo Tramontano [MODERN QUESTIONS, RADICAL QUESTIONS]. A reflection on the relationship between Modern and Landscape is proposed by Luciana Schenk [MODERN AND LANDSCAPE: POSSIBLE CONTACTS].

The city in comics is the object of Tania Cardoso study [A DREAM BORN IN THE METROPOLIS: CONSIDERATIONS ABOUT THE MODERN CITY IN LITTLE NEMO IN SLUMBERLAND]. The city is also read by the art lenses, in the text of Maria Fernanda Vegro [THE ARTWORK NOSSO LAR - BRASILIA AND THE MODERN MOVEMENT: PARADISE OR PURGATORY?]. Art and architecture are approximated in Almeida Rafael and Fabio Lopes article [CRITICAL PERSPECTIVES BETWEEN ART AND ARCHITECTURE: MODERN IDEAS SEEN THROUGH DAN GRAHAM'S INVESTIGATIONS].

Relations between Modern and cinema are discussed by Denise Vieira and Ana Elizabeth Medeiros [LE CORBUSIER FINDS THE SLEDGEHAMMER: BODY, SPACE AND MODERNITY IN THE FILM THE MAN NEXT DOOR] and Marcelo Tramontano [SPECIES OF SPACES: NOTES ON A POTENTIAL EXERCISE], who also explores connections with literature. A reflection about photographs of a modern home is proposed by Ana Ottoni [THE BRUTALIST RUIN].

Four articles deal with spaces of dwelling, a central theme to modern architects. In one of them, Silvia Pina and Natalia Ranga revisit housing complexes [THE DISTINCTIVE VIEW FROM IAPS AND THE MODERN HOUSING SITING DESIGN], and another three deal with modern houses: they are the works by Ana Sofia Silva [DOMESTICITY AND SURVEILLANCE: THE MELNIKOV’S HOUSE EXAMPLE], by Ana Elísia Costa and Mariana Samurio [PA HOUSE: BETWEEN PAULO MENDES DA ROCHA AND METRO ARCHITECTS], and by Denise Monaco dos Santos and Andressa Martinez [IMAGES OF A CERTAIN MODERNITY: KLABIN HOUSE IN CAMPOS DO JORDÃO, INSTANCE OF ARCHITECTURAL EXPERIMENTATION].

The modern built heritage is studied from the point of view of the contribution of moderns to consolidate the concept of preservation in Brazil, by Ana Lucia Meira [MODERNISTS AND THE CHOICES OF THE PAST IN SOUTHERN BRAZIL], in examining achievements in urban areas, by Celma Vidal [EXPERIENCES OF MODERN IN BELEM: CONSTRUCTION, RECEPTION AND DESTRUCTION] and in a documentation experiment, by Erivelton da Silva [THE HIDDEN PETROPOLIS MODERNISM].

Digital media are covered in two texts: one related to electronic art, from Karla Brunet [MODERNIST ECHOES IN ELECTRONIC ART] and the other on the current status of media art, by Alessio Chierico [MEDIUM SPECIFICITY IN POST-MEDIA PRACTICE].

Two studies have addressed great modern Brazilian radicals. In one of them, Adelia Borges reads the path of Santos Dumont from the design perspective [SANTOS DUMONT: THE FLYING POET], and on the other, Renato Anelli brings an aspect of Lina Bo Bardi design process [A FLOWER BETWEEN THE STONE AND THE CRYSTAL].

The graphic design of this issue refers on the film "2001, A Space Odyssey" directed by Stanley Kubrick in 1968. The film discusses the man-machine relationship at the time that computerization began to be part of everyday life in many places of the world. With a flawless and surprisingly contemporary design and art direction, the film registers much of the way the future was imagined in the 1960s, by displaying various objects, technologies and equipment that have become commonplace a few decades later. The palette of colors, fonts and graphic design of V!RUS 12 pages evoke the HAL 9000 computer control panel, as a citation to the relevant research in design, technology and ways of life that underpins the film, but also as a tribute to this great work of documentation of a modern and radical future.

We hope this issue of V!RUS about modern radicalism contributes to the debate on the necessity and urgency of questionings, which characterizes its legacy, inspiring our readers in their reflections on their achievements in their lives.

Control panel of HAL 9000, in the movie "2001, a space odissey". Source: Typeset in the Future. Available at: < http://bit.ly/28Wu1tz . Accessed 06.07.2016.