Smart Cities, Smart Virus: tecnoutopias do novo normal

Giselle Beiguelman, Andre Deak

Giselle Beiguelman tem graduação em História, doutorado em História Social e Livre-docência na área de Arquitetura e Urbanismo e Artes. É artista e professora da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo e do Programa de Pós-graduação em Design da mesma instituição. Autora de vários livros e artigos sobre a cultura digital, pesquisadora sobre arte e ativismo na cidade em rede e as estéticas da memória no século XXI. É coordenadora do GAIA - Grupo de Arte e Inteligência Artificial do Programa Inova-USP. gbeiguelman@usp.br
http://lattes.cnpq.br/4120752125995822

André Deak Alonso tem graduação em Comunicação Social, mestrado em Ciências da Comunicação e é doutorando no Programa de Pós-graduação em Design da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, Brazil. É pesquisador do Laboratório para Outros Urbanismos e membro do grupo de pesquisa Estéticas da Memória no Século XXI. É professor na Escola Superior de Publicidade e Marketing, em São Paulo, onde coordena também o Laboratório de Formatos Híbridos. andredeak@gmail.com
http://lattes.cnpq.br/0434558072616306


Como citar esse texto: BEIGUELMAN, G.; DEAK, A. Smart Cities, Smart Virus: tecnoutopias do novo normal. V!RUS, São Carlos, n. 21, Semestre 2, dezembro, 2020. [online]. Disponível em: <http://www.nomads.usp.br/virus/virus21/?sec=4&item=1&lang=pt>. Acesso em: 16 Out. 2021.

ARTIGO SUBMETIDO EM 23 DE AGOSTO DE 2020


Resumo

Este artigo analisa o impacto da Covid-19 na cultura urbana, atentando para as biopolíticas e as novas formas de controle dos corpos que se disseminaram mundialmente a partir da pandemia. Interessa olhar, neste momento em que, como nunca, somos tão digitais, as tecnopolíticas que o contexto pandêmico disparou. Afinal, a pandemia instrumentalizou, de forma exponencial, o uso de big data, a invasão da privacidade pelo uso massivo de dados da população e recursos de Inteligência Artificial, embutidos em aplicativos de monitoramento da propagação do vírus. Tais formas de controle algorítmico se impõem por um conjunto de instrumentos integrados às redes, via processos que remetem aos discursos sobre as smart cities, objeto aqui de uma revisão bibliométrica, com vista a mapear o estado da arte do conceito. Procedimentos como tecnologias de rastreamento de contato e câmeras termais foram largamente implantados durante a pandemia, ainda que sem debate público, com sucesso garantido pelo medo do contágio. A conclusão é que a doutrina do choque pós-coronavírus, além de produzir um aprofundamento do abismo de disparidades sociais, tem como um dos seus efeitos mais perversos a naturalização da vigilância a reboque das políticas de saúde pública. Nesse contexto, Estados-plataforma transnacionais, que se constituem nas alianças entre grandes corporações de tecnologia e o poder público, passam a colher dados privados, levando ao limite relações de poder e soberania já enunciadas por autores como Benjamin Bratton, Adam Greenfield e Paul Virilio. O artigo defende que revisitar a bibliografia sobre o tema das cidades inteligentes permite compreender como as dinâmicas de previsibilidade dos fatos e de apropriação dos dados, pressupostos das tecnoutopias das smart cities, consagram um novo urbanismo, alicerçado no controle dos dados, de caráter oligopolista e socialmente excludente, que se consolida no novo normal ditado pela Covid-19.

Palavras-chave: Coronavírus, Smart cities, Vigilância, Urbanismo, Novo normal



1Introdução

A Covid-19 coloca em pauta uma nova biopolítica, que transforma a vigilância em um procedimento poroso que adentra os corpos sem tocá-los. Não que processos de vigilância não estivessem em implantação, há tempos. Mas o coronavírus soterrou o debate que era feito anteriormente, em defesa da privacidade, do anonimato. Seu motor, o mecanismo que coloca essa vigilância em funcionamento, é a administração do medo, a partir da combinação do discurso da segurança pública com o da saúde pública, conforme antecipou Paul Virilio (2012). Sua eficiência depende da convergência entre rastreabilidade e identidade, confluindo, em situações extremas, como a do coronavírus, para uma outra hierarquia social entre os corpos imóveis e os móveis, entre quem é visível e quem é invisível perante o Estado e pelos algoritmos corporativos.

Esse mapeamento completo dos corpos, essa disposição social para a oferta e coleta de dados, instalou-se de forma quase instantânea e sem debates, realizando, assim, o sonho dourado dos programadores de smart cities. No contexto que o coronavírus impôs, a cumplicidade com o monitoramento é também uma prerrogativa de sobrevivência. E o Estado alia-se a gigantes da tecnologia para conter um vírus através da vigilância de cada celular e seus movimentos. Consolida-se aí a noção de Estados-plataforma (BRATTON, 2015) e de cidades inteligentes como campo de vida social previsível e gerida remotamente (GREENFIELD, 2013) em suas versões mais atualizadas.

A discussão está aqui estruturada da seguinte maneira: primeiramente, apresenta uma revisão bibliométrica que investiga o estado da arte do conceito de smart cities a partir de artigos publicados durante dez anos até 2018 (item 2). Na revisão dessa bibliografia, enuncia-se, via de regra, um discurso que projeta na tecnologia uma capacidade de resolver, por si, todos os conflitos e disputas. É esse viés que designamos aqui como tecnoutópico. Em seguida, no item 3, o artigo apresenta o impacto da pandemia do coronavírus na cultura urbana, enfatizando o contexto brasileiro. Especial atenção é dada à capilarização da vigilância, via recursos algorítmicos. O fenômeno é lido à luz dos conceitos de "sociedade de controle", de Deleuze (1992), e shareveillance, de Birchall (2017), entre outros autores. Por fim, no item 4, as Conclusões relacionam os pressupostos de previsibilidade e controle das smart cities ao novo normal que emerge durante a pandemia da Covid-19, destacando a naturalização da vigilância e seus potenciais desdobramentos sociais no Brasil.

2O discurso crítico sobre smart cities: revisão bibliométrica

A velha cidade de concreto, vidro e aço agora contém um vasto mundo subterrâneo de computadores e software (TOWNSEND, 2013). Esta é a síntese do ideário das smart cities: cidades, computadores, software, redes. Esse amálgama, entretanto, tem também outros nomes, outras definições, muitas delas convergentes com as smart cities, outras com sentidos mais ou menos aproximados. Alguns exemplos apenas: intelligent cities, digital cities, virtual cities, wired cities, responsive cities, transparent cities, cities 2.0, wisdom cities, resilient, ubiquitous, information, sensient. São muitas as variações, e nenhum consenso.

A leitura de dezenas de artigos filtrados em uma revisão bibliométrica sobre o tema permite perceber uma outra ideia que sobressai nos artigos mais citados: smart cities trarão mais eficiência à gestão de recursos e à oferta de serviços. Mas poucos documentos explicam como, quando, onde, para quem e a quais custos esse suposto ganho de eficiência deverá ocorrer (FIGUEIREDO, 2018). Compreender os pressupostos das smart cities, da consagração deste novo tecnourbanismo de caráter oligopolista e socialmente excludente, a partir das bibliografias sobre o tema, traça uma ponte entre as origens da apropriação de dados em escala massiva e o futuro das cidades — ou o seu presente, se considerarmos os mais recentes acontecimentos em relação à Covid-19.

A origem das cidades inteligentes está conectada a outro termo vago que se tornou também onipresente, a ponto de significar quase tudo e, portanto, muito pouco: sustentabilidade. Cocchia (2014) aponta alguns momentos-chave em que teria havido um aumento de interesse pelo termo smart city, sendo o primeiro deles o ano de 1997, quando o Protocolo de Kyoto foi assinado por 191 estados-nação e colocou as cidades em alerta em relação ao tema sustentabilidade. Cocchia conclui que as definições de smart cities chegam, em geral, a um resultado de iniciativas para o bem comum, para cidades "mais inclusivas, mais verdes e mais limpas", e seriam sempre embaladas como estratégias-chave para melhorar a qualidade de vida de bilhões de pessoas no mundo todo. Mas a embalagem não condiz sempre com o produto.

2.1 Metodologia

O presente trabalho computou artigos publicados entre 2008 e janeiro de 2019, em cujos títulos estivessem presentes os termos "smart city" e "smart cities", mas também "cidade inteligente" ou "cidades inteligentes". Através do Google Scholar, chegou-se a apenas 45 resultados para "cidade inteligente" e 231 resultados para "cidades inteligentes", retirando-se da pesquisa patentes e citações. Em inglês, com o mesmo método, "smart city" trouxe 4.860 resultados e "smart cities" apresentou 5.150 resultados.

Destes 5.150 resultados sobre smart cities foram selecionados os primeiros mil, por ordem de número de citações, para análise. O primeiro artigo dessa lista de mil foi citado 2.535 vezes em outros artigos, e o milésimo resultado foi citado 5 vezes em outros artigos. Foi definido um novo filtro de análise para focar apenas nos artigos citados pelo menos 10 vezes, o que reduziu novamente as listas. Nenhum artigo em português com "cidade inteligente" no título obteve 10 citações. Já com o termo "cidades inteligentes", nove textos são referências citadas pelo menos 10 vezes. Com "smart city", são 669 textos citados mais de 10 vezes, e com "smart cities" são 591 textos. Com o cruzamento dos artigos chegamos em 1.260 resultados.

Desta lista, conforme apresentado no Quadro 1, oito fontes são citadas mais de mil vezes, e sete textos aparecem como citação em mais de 500 outros textos, totalizando 15 textos – entre eles um livro (TOWNSEND, 2013) – que formam a coleção mais significativa de citações e compõem, assim, boa parte da literatura em inglês que orienta estudos sobre o tema. Cada uma destas 15 fontes recebeu uma leitura mais detalhada, e quase todas apontam pouca diversidade de pensamento. Uma revisão narrativa, que cobriu outros aspectos do tema buscando textos por associação indireta, e não apenas pelas palavras-chave específicas, foi também realizada em textos em português e no Sistema Integrado de Bibliotecas da Universidade de São Paulo (Sibi), em oito bases de dados listadas sob o termo "urbanismo", cobrindo resultados até o ano de 2019. Este material serviu para acrescentar outras informações às análises e conclusões realizadas.

Quadro 1: Distribuição quantitativa dos artigos. Fonte: Autores, 2020.

2.2 Resultados

O texto mais citado é o paper "Smart Cities in Europe" (CARAGLIU, NIJKAMP, DEL BO, 2009), com 2.535 citações. Apresenta descrição bastante clara sobre alguns eixos que cidade inteligente deveria ter e traz uma análise quantitativa com dezenas de cidades européias, o que deve ter feito o artigo se destacar como principal artigo mais citado. O segundo texto, "Internet of things for smart cities" (ZANELLA, CASTELLANI, BUI, 2014), é um artigo que faz uma descrição de soluções instaladas na cidade de Padova (Itália), tais como: monitoramento da saúde estrutural de edificações, monitoramento de ruídos urbanos, monitoramento de lixo, de tráfego, de consumo de energia, estacionamento inteligente (smart parking), luzes inteligentes na cidade (smart lighting), automação de edifícios públicos (escolas, museus, escritórios públicos) com sensores de luz, temperatura, umidade. Ao contrário de "Smart Cities in Europe", é menos conceitual e bastante objetivo, inclusive com especificações técnicas para as soluções, sugerindo caminhos tanto para o mercado quanto para políticas públicas. Foi citado 2.465 vezes.

O terceiro texto dos mais citados é "Will the real smart city please stand up? Intelligent, progressive, or entrepreneurial?" (HOLLANDS, 2008), com 1.803 citações. Aparece como fonte na maioria dos outros textos da lista, talvez porque proponha uma distinção entre os termos. Mas os estudos mais citados que se debruçam sobre uma tentativa de definições são apresentados em dois artigos que estão em quarto e quinto lugares, respectivamente, ambos próximos de 1.400 citações. "Understanding smart cities: an integrative framework" (CHOURABI et al., 2012) e "Conceptualizing smart city with dimensions of technology, people and institutions" (NAM, PARDO, 2011) propõem um framework para encaixar definições sobre cidades inteligentes. Naquele momento, início dos anos 2010, academia e mercado buscavam algo concreto sobre o que avançar em termos de produtos e serviços. O selo de smart city começava a tomar forma mais robusta.

Único livro entre os 15 textos mais citados, 1.212 citações, "Smart Cities: Big data, civic hackers, and the quest for a new utopia" (TOWNSEND, 2013) é um texto não acadêmico, que auxilia a disseminar o termo, enquanto traz também algumas questões críticas. Mas, no geral, expressa uma visão otimista de futuro baseado em tecnologia. Supõe que a tecnologia, por si só, irá auxiliar pessoas e governos a trabalhar de forma melhor e mais transparente, repetindo expectativas que foram recorrentes frente à Internet, nos anos 1990. É a única publicação, dentre as listadas no período, que aborda como as cidades estão absorvendo tecnologias pervasivas e ubíquas e como isso alimenta o big data continuamente. Nesse sentido, orienta-se para o debate sobre as smart cities e a mineração de dados. 

Já "The real-time city? Big data and smart urbanism" (KITCHIN, 2013), com 1.151 citações, destaca o direcionamento algorítmico dos dados, uma vez que não existem dados brutos, nem tecnologia neutra. Todo dado é colhido de acordo com alguma ideologia. O último texto, com mais de mil citações, "Smart cities of the future" (BATTY et al., 2012), propõe alguns modelos, com seis cenários possíveis para cidades entrarem na era da inteligência digital. Há ainda uma revisão bibliográfica (NEIROTTI et al., 2014), uma análise do termo no campo da educação, associando cidades inteligentes àquelas em que a população é mais formalmente instruída (SHAPIRO, 2006), e um texto que discute o potencial de inovação direcionada pelos usuários: "Smart Cities and the Future Internet: Towards cooperation frameworks for open innovation" (SCHAFFERS et al., 2011). As outras publicações, entre as 15 mais citadas, seguem a abordagem otimista em relação ao uso da tecnologia aplicada ao cotidiano da cidade.

Em conjunto, o que esse levantamento revela é que a apreensão dos usos de aplicativos e algoritmos é intrínseco às smart cities, e que o uso das tecnologias sempre garante uma cidade segura, eficiente e lógica. Mas o que não está dito também revela algo. A base teórica que vem sendo utilizada para a construção do discurso hegemônico sobre smart cities não toca em questões centrais para as democracias contemporâneas: a vigilância permanente (MOROZOV; BRIA, 2019; BIRCHALL, 2017), o fim do direito ao anonimato (SILVEIRA, 2006), o direito ao esquecimento (MALDONADO, 2017). As epistemologias das smart cities e deste novo tecnourbanismo — um urbanismo pensado a partir da instrumentalização política da vigilância baseada no uso de algoritmos — seguem tendências centralizadoras, pensadas a partir do Norte global, que pressupõem a previsibilidade das dinâmicas sociais a partir do controle dos dados.

Sobre cidades inteligentes não há unanimidade de definições. Mas pode-se partir desta revisão bibliométrica para se propor uma: smart cities são propostas de tecnologias para solucionar problemas das cidades ligados à eficiência energética, econômica, de mobilidade, logística, de governança, de segurança, mas também uma ideia genérica de melhoria de qualidade de vida para seus habitantes. Quando adotadas sem amplo debate e crítica social, tornam-se estratégias para implementar um conjunto de ferramentas que aumentam a desigualdade social e o controle sobre as populações. Dependentes da coleta massiva de dados, inclusive pessoais, com finalidades não declaradas aos seus usuários, essas estratégias foram colocadas em pauta sob argumento da saúde pública, como formas de controle da propagação do coronavírus, por governos de diferentes países.

3O coronavírus e a cultura urbana do novo normal1

Em 2020, com a eclosão da pandemia do coronavírus, governos de diversos lugares do mundo passaram a se apoiar em sistemas que combinam dados estatísticos e geolocalização de telefones celulares para identificar quantas pessoas estão cumprindo as recomendações de isolamento social (HARARI, 2020). Essa direção pautou a ação governamental do Estado de São Paulo, por exemplo (GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO, 2020), e a proposta do Rio de Janeiro  para reservar espaços nas praias por meio de aplicativos (GRELLET, 2020). Se é certo que tais processos de monitoramento não são exclusivos das políticas públicas de combate ao coronavírus, a propulsão da pandemia popularizou a discussão sobre a dimensão e o alcance individual da digitalização de dados. 

Tudo se passa como se estivéssemos vivendo no filme Batman: o cavaleiro das trevas (2008), no qual via-se um painel de controle que monitorava Gotham City inteira a partir dos sinais de celulares de seus habitantes. Os aparelhos funcionavam como micro sonares e a emissão de seus sinais permitia inferir uma quantidade tão monstruosa de registros, que o sistema de controle devolvia, como resultado do rastreamento, imagens 3D da paisagem e dos habitantes de Gotham.

A tecnologia encenada no Cavaleiro das trevas não está ainda disponível no nosso cotidiano. Contudo, os avanços das formas de controle via dados provenientes das redes, especialmente pelo uso de smartphones, indicam que chegamos à era da Sociedade de Controle (DELEUZE, 1992, p. 219-226). Neste ensaio, Deleuze discute a emergência de uma forma de vigilância distribuída, que relativiza o modelo de controle panóptico, conceituado por Michel Foucault (1987, p. 162-187). A esse sistema, que vai encontrar seu símbolo mais bem-acabado no Big Brother orwelliano (ORWELL, 2018), superpõem-se processos de rastreamento que operam a partir de um mundo invisível de códigos, de senhas, e de fluxos de dados migrantes entre bases computadorizadas de algumas poucas corporações de tecnologia. São esses dados, combinados às estatísticas dos sistemas públicos de saúde, que gerenciam os movimentos da pandemia. Eles alimentam desde as plataformas de monitoramento do poder público até os aplicativos que instalamos nos nossos smartphones, tais como o Private Kit Save Paths, desenvolvido no MIT Lab, e o israelense HaMagen, entre vários outros (COVID-19 Tracker Apps, 2020).

Mas a esfera da vigilância que existe hoje não se resume somente à invisibilidade do controle dos mini brothers que habitam em nossos bolsos e bolsas — versões miniaturizadas e distribuídas do Grande Irmão imaginado no livro 1984, de George Orwell. Ela é uma vigilância molecular, que se introjeta no corpo, escaneando sua fisiologia, como os termômetros com sensores infravermelhos que se tornaram icônicos da pandemia, e armazena esses dados em servidores sobre os quais não há o mínimo controle ou conhecimento público. Isso faz com que a pergunta, hoje, não seja mais se seus dados serão coletados, mas sim por quem, de que forma e quais seus possíveis destinos.

Será que é possível abstrair que são empresas privadas de tecnologia, do porte da Apple e do Google, que estão investindo pesadamente em sistemas de rastreamento de contato (contact-tracing), orientados para alertar os usuários da possível aproximação de uma pessoa contaminada pelo coronavírus? E antes que se diga que se trata de operação voltada apenas a quem possui celulares com o sistema operacional dessas empresas, vale lembrar que estamos falando de 3 bilhões de pessoas, ou seja, quase um terço da população mundial, usuária dos aparelhos dessas duas companhias (GURMAN, 2020).

É importante ter também em mente que os registros feitos pelos aplicativos utilizados por vários governos, e também distribuídos de forma independente na Internet, podem capturar muito mais dados do que o deslocamento no espaço. Podem registar a temperatura, a pressão e a velocidade do andar, o que nos leva a uma forma de vigilância que é, como destacou Harari (2020), subcutânea. E é esse aspecto indolor e invisível que garante à vigilância algorítmica passar despercebida, como se não existisse. Nada mais coerente com as formas de violência do capitalismo de nossa época. 

Desde meados dos anos 1990, são formuladas definições de diferentes matizes ideológicos sobre o capitalismo. Capitalismo informacional (CASTELLS, 2005), capitalismo cognitivo (HARDT; NEGRI, 2000), capitalismo criativo (GATES, 2008) são algumas delas. A essas definições acrescente-se mais uma: capitalismo fofinho, um regime que celebra, por meio de ícones gordinhos e arredondados, um mundo cor de-rosa e azul-celeste, que se expressa a partir de onomatopeias, likes e corações, propondo a visão de um mundo em que nada machuca e todos são amigos. Nesse contexto, consolida-se o que Clare Birchall (2017) denominou de regime de shareveillance, um combinado entre vigilância e compartilhamento. Somos monitorados a partir dos dados que doamos, de forma consciente ou inconsciente, num arco heterogêneo e complexo, que vai das redes sociais à emissão de documentos, como passaportes e RGs com chips.

É isso que faz da vigilância, no contexto de digitalização da cultura em que vivemos, uma prática não necessariamente coercitiva. Ela pode operar, e de fato opera, de forma naturalizada, pela necessidade de se fazer parte do todo, de ser visível, e também de forma compulsória, pela necessidade de ser socialmente computável. Pode-se optar por integrar-se, ou não às redes sociais (ainda que isso implique a sua invisibilidade). Mas essa última opção é mais difícil, quando se trata de uma pandemia do porte da atual, em que o compartilhamento de dados pode significar a proteção da sua saúde. Esse formato emergente de vigilância ocorre no âmbito de novas práticas de violência social. Uma violência algorítmica que insere a todos no cômputo das vítimas do coronavírus. Esta violência se sobrepõe àquela que se volta às principais vítimas da necropolítica: os mais pobres, as mulheres, os negros, os imigrantes, os indígenas, entre outras minorias, conforme discutido por Mbembe (2017) e Pelbart (2018). Além disso, cria também novas formas de brutalidade, dilacerando ainda mais as relações de trabalho pela normalização do precário.

Tinha razão o artista Bruno Moreschi (2020), quando dizia que o coronavírus iria transformar a todos em turkers. Turkers é o nome que designa os trabalhadores que operam nas primeiras etapas dos processos de desenvolvimento de inteligências artificiais. É a eles que se destina a maçante tarefa de fazer a identificação e classificação dos elementos que integrarão os bancos de dados, sobre os quais se desenvolverão as programações avançadas de aprendizado de máquina, como a indexação de imagens que alimentarão um sistema de Reconhecimento Facial. Eles prestam serviços em plataformas como Amazon Mechanical Turk (Mturk), de onde vem a vil alcunha, um dos principais sites de ofertas desse tipo de trabalho. Para se ter uma ideia, cerca de meio milhão de pessoas trabalham como prestadoras de serviço para Mturk a custos ínfimos. Enquanto o salário mínimo por hora, nos EUA, é de cerca de 7,25 dólares, os turkers são remunerados a cerca de 2 dólares por hora trabalhada. Como os motoristas da Uber, os turkers, o ícone do teletrabalho, são induzidos a uma carga horária abusiva na tentativa de compor a sua renda mensal (MORESCHI, 2020). Esse modelo das galés da Internet expande-se agora para uma parcela significativa de profissionais liberais e de criação, e faz parte do pacote do novo normal pós-pandêmico, penalizando ainda mais os que dele não podem participar.

É difícil conjecturar sobre como será o cotidiano depois da súbita interrupção na mobilidade, determinada pela pandemia. Contudo, à medida em que passam a ser corriqueiros os anúncios de mobiliário de escritórios coletivos adequados para tempos de distanciamento social, os modelos "fashionistas" de máscaras, os projetos de design de sinalização para medidas de afastamento entre os corpos, vai ficando claro que tendemos cada vez mais a um estado de individualismo conectado (FLICHY, 2004). Ele remonta ao início dos anos 2000 e é simultâneo à popularização da Web 2.0. A facilidade de uso é a razão do sucesso desse sistema. Mas é também o que converteu a Internet em um espaço povoado de cidadelas fortificadas, como definiu Martin Warnke (2012), onde as pessoas vivem dentro de alguns poucos serviços populares dominantes. Qualquer semelhança com o cotidiano da cultura urbana durante a pandemia do coronavírus não é mera coincidência. Condomínios fechados, academias exclusivas e restaurantes para poucas pessoas tornaram-se os lugares de desejo daqueles que podem usufruir do mundo seguro e fora das zonas de contágio que se situa atrás das telas.

É na arquitetura de informação da Web 2.0 que se consolida a cultura do colaborativo e do compartilhado, tão incensada pelas grandes empresas de tecnologia, da qual qualquer um pode tomar parte, desde que de acordo com as regras prescritas pelos algoritmos previamente programados. Espaços de co-working são suas expressões na cultura urbana, incidindo sobre a lógica dos jardins murados e das bolhas das redes sociais e aplicativos, onde estamos sempre sozinhos, porém conectados. Em harmonia com o mantra "todos têm o direito a ser patrão de si mesmo", impera aí a vulnerabilidade ditada pela ausência dos direitos trabalhistas e de vínculos, fundamentais não apenas no campo dos afetos, mas também para a própria possibilidade de subversão. A vida se uberiza e o darwinismo social dos dados, que já tomou as redes, se impõe ao cotidiano da cidade. Vencem sempre os mais fortes, os mais bem avaliados, os mais acessados, os que se destacam na distopia bem-comportada do capitalismo fofinho. Profissionais de RH celebram esse cenário, chamando a atenção para a capacidade de eventos como o coronavírus de antecipar o futuro da preponderância do trabalho remoto. Uma de suas vantagens, de acordo com os analistas, é a valorização das metas em detrimento do cumprimento de horas de trabalho, muito embora reconheçam que, em nome do valor da produtividade, trabalha-se muito mais e as mulheres são extremamente penalizadas pela superposição do ambiente de trabalho às demandas familiares (CASTRO, 2020). 

Encastelados na bolha doméstica e presos à tela, vamos nos aproximando de uma visão de cidade que incorpora noções perversas consolidadas na Web 2.0, como a que aproxima as noções de público e grátis. Da mesma forma que não se paga para entrar no Facebook, a entrada nos shopping centers também é gratuita. O que não quer dizer que são lugares públicos. Mas é essa cidade-shopping center, de ruas vazias e pessoas sem rosto, que tende a se tornar padrão, um dos legados do futuro pós-pandêmico. Espécie de assombração da cidade genérica conceituada por Rem Koolhaas (2010), na qual tudo migra para o mundo online, a coronacity – a cidade modelada pelo coronavírus – é uma cidade sedada, isolada, feita para ser observada de um ponto de vista sedentário. Mais excludente e mais monitorada, ela dá corpo a uma sociedade que se divide entre os sucateados pelo trabalho remoto, o lumpesinato digital dos deliveries, os subtrabalhadores turkerizados e milhares de milhões de desabrigados (BEIGUELMAN, 2020).

4Conclusões

Nenhuma tecnologia é neutra, conforme aprendemos com vários autores, entre os quais Pierre Lévy (2010) e Vilém Flusser (2002). Morozov e Bria (2019) aproximam essa discussão do tema das cidades inteligentes, mostrando como infraestruturas configuradas segundo parâmetros neoliberais dificultaram as experimentações de cidades com políticas e medidas econômicas não neoliberais. O contrário também é verdadeiro, dizem eles: pensar políticas e tecnologias contra-hegemônicas fortalecem processos contra-hegemônicos. Falar, portanto, sobre cidades inteligentes demanda pensar a não neutralidade da agenda que ampara esse discurso, haja vista que sua implantação pressupõe, por exemplo, a privatização de serviços e dos dados públicos. Importante também sublinhar aqui as considerações de Adam Greenfield (2013), que se dedicou a desmontar argumentos de empresas como Cisco, Siemens, IBM e outras em seus anúncios sobre tecnologias inteligentes para cidades.

Há um determinismo tecnológico de base nas visões de smart cities, que pressupõe que a tecnologia vai salvar as cidades; que as tecnologias são benéficas, de qualidade e que vão funcionar. Parte-se do princípio de que as cidades são fadadas ao fracasso, e que a tecnologia vai resolver os problemas. As smart cities fariam uma cidade à prova de erro porque previsíveis — quando justamente o erro, tomado como desvio, é tido como possibilidade de dissenso no mundo contemporâneo. Há ainda que se destacar que, no discurso hegemônico sobre smart cities, a cidade é apresentada como um objeto de consumo e não um espaço compartilhado, de conflito e de disputa. Sem história e sem densidade social, a cidade é reduzida a uma analogia de projeto de aplicativo, passível de ser descontinuada assim que for conveniente, em prol de uma nova atualização. Ou construída do zero, como se designers e programadores pudessem elaborar um software do viver, atualização simplória da noção da casa como máquina de morar, de Le Corbusier (BRASILEIRO, CAMPOS SALLES, 2007).

Esse tipo de abordagem faz parte da mesma intoxicação ocidental triunfalista que tende a ver a narrativa da civilização humana como a conquista inexorável da Terra, e não como processo de uma cultura contraditória, que cresce de forma caótica e vacilante (WALLACE-WELLS, 2019). Uma cultura sobretudo marcada pela obsolescência, com civilizações que surgem e desaparecem, com tecnologias que podem ser mais nocivas do que úteis. A repetição da história – que aconteceria na primeira vez como tragédia e na segunda como farsa, de acordo com Karl Marx, no 18 de Brumário de Luís Bonaparte (2011) – pode também ser encontrada neste momento. A vigilância posta em marcha pelo Patriot Act após os ataques de 11 de setembro de 2001, nos Estados Unidos, em que o governo permitiu o acesso, sem precedentes, a dados pessoais, em interlocução com empresas de tecnologia, foi legitimada pela chamada doutrina do choque (KLEIN, 2008). De acordo com Klein, depois de uma catástrofe, governos aproveitam o choque da população para aprovar medidas que diminuem seus direitos. Desta vez, o monitoramento em massa, em escala mundial, veio após o choque da Covid-19.

O que vimos no primeiro semestre de 2020 foi a adoção de medidas e de tecnologias de combate à propagação do vírus, como se fossem recursos neutros e pontuais à situação covídica. Contudo, essas tecnologias estabeleceram regras de monitoramento de cada cidadão, via aplicativos inteligentes, para rastrear com quem ele se encontrou, por quanto tempo, a qual distância, além da medição de sua temperatura via análise fisiológica por câmeras termais. Tais recursos, utilizados para garantir a entrada, ou não, em determinados lugares, funcionam como um novo conjunto de pré-determinações da distribuição dos corpos no espaço. Dessa forma, pelo pressuposto, que combina rastreamento com previsibilidade, transformam o coronavírus em metáfora das motivações das cidades inteligentes, dando-lhe contornos de smart virus.

Importante notar também que esse modelo de vigilância algorítmica, associado a novos modelos de políticas públicas de saúde, cria novas formas de hierarquia e exclusão social. Afinal, são identificáveis e, portanto, passíveis de ser protegidos do contágio, apenas aqueles que possuem celulares com GPS, conectados à Internet. Já o não rastreável é aquele sujeito para o qual o Estado há muito havia voltado as costas. Dito de outra forma, na espiral da vigilância algorítmica maximizada pelo smart virus, o sujeito móvel, o desabrigado tão típico das cidades brasileiras, ganha uma nova camada de invisibilidade perante o Estado. Por não ser possível monitorar o seu deslocamento no espaço, evidencia que o cruzamento de políticas públicas com o big data pode acentuar ainda mais a violência social que impera no cenário urbano.

Ponderando sobre o futuro pós-pandêmico, Bruno Latour escreveu que "a última coisa a fazer seria voltar a fazer tudo o que fizemos antes" (LATOUR, 2020, n.p.). Mas, à luz das considerações apresentadas, pode-se inferir que o coronavírus trouxe para o cotidiano da cidade o imaginário mais perverso das smart cities, no que tange às suas formas de combinar previsibilidade com capacidade de controle dos corpos no espaço, via sistemas algorítmicos. Nessa perspectiva, parafraseando Latour, aventa-se aqui a hipótese de que talvez o futuro pós-pandêmico já tenha se tornado presente, e a primeira coisa a fazer seria não deixar que o novo normal do smart virus torne-se o amanhã do nosso urbanismo.

Referencias

BATTY, M.; AXHAUSEN, K. W., GIANNOTTI, F., POZDNOUKHOV, A., BAZZANI, A., WACHOWICZ, M., OUZONIS, G., PORTUGALI, Y. Smart Cities of the Future. The European Physical Journal Special Topics, v. 214, n. 1, p. 481-518, 2012. 

BATMAN: O cavaleiro das trevas. Direção: Christian Nolan. Produção: Emma Thomas, Charles Roven e Christopher Nolan. [S.l.]: Warner Brothers, 2008. (152 min). 

BEIGUELMAN, G. Coronavida: pandemia, cidade e cultura urbana. São Paulo: ECidade, 2020. 

BIRCHALL, C. Shareveillance: The Dangers of Openly Sharing and Covertly Collecting Data. Edição Kindle. Minnesota: University of Minnesota Press, 2017.

BRASILEIRO, V. B.; CAMPOS SALLES, C. T de. A casa é uma máquina de morar (?): analisando a casa modernista. Cadernos de Arquitetura e Urbanismo, v. 14, n. 15, p. 92-114, 2007.

BRATTON, B. The Stack: On Software and Sovereignty. Massachusetts: MIT Press, 2015. 

CASTELLS, M. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e terra, 2005.

CARAGLIU, A.; DEL BO, C.; NIJKAMP, P. Smart cities in Europe. In Proceedings of the 3rd Central European Conference in Regional Science. 2009. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/46433693_Smart_Cities_in_Europe. Acesso em: jun. 2019. 

CASTRO, N. É possível conciliar o Home com o Office? ISE Business School, 2020. Disponível em: https://ise.org.br/blog/conciliar-home-office/. Acesso em: 02 jun. 2020.

CHOURABI, H.; NAM, T.; WALKER, S.; GIL-GARCIA, J. R.; MELLOULI, S.; NAHON, K.; PARDO, T. A.; SCHOLL, H. J. Understanding smart cities: An integrative framework. 45th Hawaii International Conference on System Sciences. IEEE, 2012. 

COVID-19 Tracker Apps, 2020. Disponível em: https://fs0c131y.com/covid19-tracker-apps/. Acesso em: 02 jun. 2020.

COCCHIA, A. Smart and Digital City: A Systematic Literature Review. In: DAMIERI, R.; ROSENTHAL-SABROUX, C. (Eds.). Smart City. Progress in IS. [s.l.] Springer, 2014.

DELEUZE, G. Post-Scriptum sobre as Sociedades de Controle. In: DELEUZE, G. Conversações. Rio de Janeiro: Editora 34, 1992. p. 219-226.

FIGUEIREDO, G. M. P. O discurso e a prática da Smart City: Perspectivas críticas e aproximações. Dissertação apresentada à Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo para obtenção do título de Mestre em Arquitetura e Urbanismo. Banco de teses da USP, 2018. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/16/16132/tde-21092018-151408/publico/MEgabrielmazzola_rev.pdf Acesso em: jan. 2020.

FLICHY, P. L'individualisme connecté entre la technique numérique et la société. Réseaux, 124, n. 2, 2004. p. 17-51. 

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 1987.

FLUSSER, V. Filosofia da caixa preta: ensaios para uma futura filosofia da fotografia. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002.

GATES, B. Bill Gates Discusses How To Fix Capitalism. YouTube, Canal Revista Time. 4 de agosto de 2008. Disponível em: https://youtu.be/zA1ioym5OYA. Acesso em: 02 de jun. 2020.

GREENFIELD, A. Against the Smart City. Kindle Edition. New York: Do Projects, 2013.

GRELLET, F. Coronavírus: banhistas terão de reservar espaço na praia por aplicativo no RJ. Notícias UOL, 10 ago. 2020. 

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO. São Paulo contra o coronavírus. Disponível em: https://www.saopaulo.sp.gov.br/coronavirus. Acesso em: 30 ago. 2020. 

GURMAN, M. Apple, Google Bring Covid-19 Contact-Tracing to 3 Billion People. Bloomberg, 2020. Disponível em: https://www.bloomberg.com/news/articles/2020-04-10/apple-google-bring-Covid-19-contact-tracing-to-3-billion-people. Acesso em: 02 jun. 2020.

HARDT, M.; NEGRI, A. Império. São Paulo: Editora Record, 2000.

HARARI, Y. The world after coronavirus. Financial Times, 2020. Disponível em: https://www.ft.com/content/19d90308-6858-11ea-a3c9-1fe6fedcca75. Acesso em: 02 jun. 2020.

HOLLANDS, R. G. Will the real smart city please stand up? Intelligent, progressive or entrepreneurial? City, v. 12, n. 3, p. 303-320, 2008.

KLEIN, N. A doutrina do choque: a ascensão do capitalismo de desastre. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008.

KITCHIN, R. The real-time city? Big data and smart urbanism. GeoJournal, v. 79, n. 1, p. 1-14, 2014.

KOOLHAAS, R. Cidade genérica. In: Três textos sobre a cidade. Barcelona: Editorial Gustavo Gili, 2010. p. 29-65.

LATOUR, B. Imaginar gestos que barrem a produção pré-crise. Trad. Déborah Danowski e Eduardo Viveiros de Castro. São Paulo: N-1 edições, 2020. Disponível em: https://www.n-1edicoes.org/textos/28. Acesso em: 28 de out. 2020.

LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 2010.

MALDONADO, V. N. Direito ao esquecimento. São Paulo: Novo Século, 2017.

MOROZOV, E.; BRIA, F. A cidade inteligente: Tecnologias urbanas e democracia. São Paulo: Ubu, 2019. 

MBEMBE, A. Necropolítica. São Paulo: N-1 Edições, 2017.

MORESCHI, B. Exch w/ Turkers. 2020. Disponível em: https://brunomoreschi.com/With-Turker. Acesso em: 02 jun. 2020.

MARX, K. O 18 de Brumário de Luís Bonaparte. São Paulo: Boitempo, 2011.

NAM, T.; PARDO, T. A. Conceptualizing smart city with dimensions of technology, people, and institutions. In: Proceedings of the 12th Annual International Digital Government Research Conference: Digital Government Innovation in Challenging Times. 2011. 

NEIROTTI, P.; DE MARCO, A., CAGLIANO, A. C., MANGANO, G., SCORRANO, F. Current Trends in Smart City Initiatives: Some Stylised Facts. Cities, v. 38, p. 25-36, 2014. 

ORWELL, G. 1984. Internet Archive, 2018. Disponível em: https://archive.org/details/Orwell1984preywo/page/n3/mode/2up. Acesso em: 02 jun. 2020.

PELBART, P. P. Necropolítica tropical: fragmentos de um pesadelo em curso. Série Pandemia. São Paulo: N-1 Edições, 2018.

SCHAFFERS, H.; KOMNINOS, N.; PALLOT, M.; TROUSSE, B.; NILSSON, M.; OLIVEIRA,. Smart Cities and the Future Internet: Towards Cooperation Frameworks for Open Innovation. In: The Future Internet Assembly. Springer, Berlin, Heidelberg, 2011.

SHAPIRO, J. M. Smart Cities: Quality of Life, Productivity, and the Growth Effects of Human Capital. The Review of Economics and Statistics, v. 88, n. 2, p. 324-335, 2006.

SILVEIRA, S. A. da. Hackers, monopólios e instituições panópticas: elementos para uma teoria da cidadania digital. LÍBERO, n. 17, p. 73-81, 2006. Disponível em: https://casperlibero.edu.br/wp-content/uploads/2014/05/Hackers-monop%C3%B3lios-e-institui%C3%A7%C3%B5es-pan%C3%B3pticas-elementos-para-uma-teoria-da-cidadania-digital.pdf. Acesso em: 02 jun. 2020.

VIRILIO, P. The Administration of Fear. Los Angeles: Semiotext(e), 2012.

WARNKE, M. Databases as Citadels in the Web 2.0. In: LOVINK, Geert; RASCH, Miriam. Unlike Us Reader: Social Media Monopolies and Their Alternatives. Amsterdam: Institute of Network Cultures, 2012, p. 76-88.

WALLACE-WELLS, D. A terra inabitável: uma história do futuro. São Paulo: Cia. das Letras, 2019.

ZANELLA, A.; BUI, N.; CASTELLANI, A.; VANGELISTA, L.; ZORZI, M. Internet of Things for Smart Cities. IEEE Internet of Things journal, v. 1, n. 1, 2014. 



1 Uma versão anterior do texto deste item foi publicada em BEIGUELMAN, 2020, p. 27-35.


Smart Cities, Smart Virus: Technoutopias of the New Normal

Giselle Beiguelman, Andre Deak

Giselle Beiguelman holds a degree in History, a Ph.D. in Social History and Livre-docência in Architecture and Urbanism and Arts. She is an artist and an Associate Professor at the Faculty of Architecture and Urbanism of the University of São Paulo, Brazil, and the Graduate Program in Design, at the same institution. She is the author of several books and articles on digital culture, and works on art and activism in the networked city, and the aesthetics of memory in the 21st century. She directs GAIA - Art and Artificial Intelligence Group, at the Inova-USP Project. gbeiguelman@usp.br
http://lattes.cnpq.br/4120752125995822

André Deak Alonso has a degree in Social Communication, a master's degree in Communication Sciences, and is a Ph.D. candidate at the Graduate Program in Design of the Faculty of Architecture and Urbanism, University of Sao Paulo, Brazil. He is a researcher at the Laboratory for Other Urbanisms and a member of the Aesthetics of Memory in the 21st Century research group. He teaches at the Higher School of Advertising and Marketing, Sao Paulo, where he also directs the Hybrid Formats Laboratory. andredeak@gmail.com http://lattes.cnpq.br/0434558072616306


How to quote this text: Beiguelman, G., Deak, A., 2020. Smart Cities, Smart Virus: technoutopias of the new normal. Translated from Portuguese by Luiz Robero Mendes Gonçalves. V!RUS, 21, December. [online] Available at: <http://www.nomads.usp.br/virus/virus21/?sec=4&item=1&lang=en>. [Accessed: 16 October 2021].

ARTICLE SUBMITTED ON AUGUST 23, 2020


Abstract

This article analyzes the impact of COVID-19 on urban culture, emphasizing biopolitics, and new forms of body control that have spread worldwide due to the pandemic. It is interesting to examine the technopolicies set off by the pandemic environment at a time when, as never before, we are so digital. After all, the pandemic has exponentially instrumentalized big data, the invasion of privacy by the massive use of demographic data and Artificial Intelligence resources, embedded in applications for monitoring the virus dissemination. Such forms of algorithmic control are imposed by a set of instruments integrated into networks via processes that refer to smart cities' discourses. This concept is the object of a bibliometric review here, aiming at mapping its state of the art. Procedures such as contact tracking technologies and thermal cameras were widely implemented during the pandemic, albeit without a public debate, as the fear of contagion guaranteed its success. The conclusion is that, besides the deepening of the social disparities, one of the most perverse effects of the post-coronavirus shock doctrine is the naturalization of surveillance in the wake of public health policies. In this context, transnational platform-states, which constitute alliances between big technology corporations and public authorities, start collecting private data, pushing the edge relations of power and sovereignty already mentioned by authors such as Benjamin Bratton, Adam Greenfield, and Paul Virilio. The article argues that revisiting the bibliography on the topic of smart cities allows us to understand how the dynamics of predictability of facts and data appropriation, as presuppositions of smart cities technoutopies, enshrine new urbanism, based on the oligopolistic and socially dividing data control, which becomes more decisive in the new normal imposed by COVID-19.

Keywords: Coronavirus, Smart cities, Surveillance, Urbanism, New normal



1Introduction

COVID-19 puts a new biopolitics on the agenda, turning surveillance into a porous procedure that enters bodies without touching them. Of course, surveillance processes have been widespread for a long time. But the coronavirus has buried the debate that was previously held in defense of privacy and anonymity. Its engine, or the mechanism that puts this surveillance into operation, is the management of fear, based on a combination of public security and public health discourse, as anticipated by Paul Virilio (2012). Such biopolitics' efficiency depends on the convergence between traceability and identity, leading in extreme situations such as the current pandemic to another social hierarchy between immobile and mobile bodies, between who is visible and who is invisible before the state, and by corporate algorithms.

This complete mapping of bodies, this social arrangement for the supply and collection of data, has settled almost instantaneously and without debate, thus realizing smart city programmers' golden dream. In the context imposed by the coronavirus, complicity with monitoring is also a prerogative of survival. And the state is allied with technology giants to contain a virus by monitoring each cell phone and its movements. The notion of platform-states (Bratton, 2015) and smart cities is consolidated as a field of predictable, remotely managed social life (Greenfield, 2013) in its most updated versions. 

The discussion is structured here as follows: first, a bibliometric review investigates the state of the art of smart cities concept from articles published during ten years up to 2018 (item 2). In this bibliography review, a discourse is usually enunciated that projects in technology a capacity to resolve, by itself, all conflicts and disputes. It is this bias that we designate here as techno-utopian. Then, in item 3, the article presents the coronavirus pandemic's impact on urban culture, emphasizing the Brazilian context. Special attention is given to the capillarization of surveillance via algorithmic resources. The phenomenon is read through the concepts of "society of control" by Deleuze (1992) and shareveillance, by Birchall (2017), among other authors. Finally, in item 4, the Conclusions relate the assumptions of predictability and control in smart cities to the "new normal" that emerges during the COVID-19 pandemic, highlighting the naturalization of surveillance and its potential social developments in Brazil.

2The critical discourse about smart cities: a bibliometric review

The old city of concrete, glass, and steel now contains a vast underground world of computers and software (Townsend, 2013). This is the synthesis of the smart cities' idea: cities, computers, software, networks. However, this amalgam also has other names, other definitions, many of them converging with smart cities<, others with more or less approximate meanings. A few examples: intelligent cities, digital cities, virtual cities, wired cities, responsive cities, transparent cities, cities 2.0, wisdom cities, resilient, ubiquitous, information, sentient. There are many variations and no consensus. 

The reading of dozens of articles filtered in a bibliometric review on the topic allows us to perceive another idea that stands out in the most quoted items: smart cities will bring more efficiency to resource management and service offer. But few documents explain how, when, where, for whom, and at what costs this supposed efficiency gain should occur (Figueiredo, 2018). Understanding the assumptions of smart cities, the consecration of this new techno-urbanism of an oligopolistic and socially exclusive nature, based on bibliographies on the theme, draws a bridge between the origins of massive data appropriation and the future of cities — or their present if we consider recent events related to COVID-19. 

Smart cities' origin connects to another vague term that has also become ubiquitous, to the point of meaning almost everything and, therefore, very little: "sustainability." Cocchia (2014) points out some key moments when there would have been a growing interest in the term "smart city", being the first one in 1997, when the Kyoto Protocol, signed by 191 nation-states, put cities on alert regarding the sustainability theme. Cocchia concludes that smart cities' definitions generally result in initiatives for the common good, for "more inclusive, greener and cleaner" cities, and would always be packaged as critical strategies to improve life quality for billions of people around the world. But the packaging does not always match the product.

2.1 Methodology

The present work computed articles published between 2008 and January 2019, whose titles included the terms "smart city" and "smart cities" in English, but also their versions in Portuguese, "Cidade Inteligente" and "Cidades Inteligentes." There were only 45 and 231 results through Google Scholar, respectively, for the queries in Portuguese, removing patents and citations from the search. Using the same method in English, "smart city" brought 4,860 results, and "smart cities" presented 5,150 results.

Of those 5,150 results for "smart cities", the first thousand were selected, by order of the number of citations, for analysis. The first article of the list of a thousand was mentioned 2,535 times in other papers, and the thousandth result was cited five times in other articles. A new analysis filter was defined to focus only on articles mentioned at least ten times, which reduced the lists once more. No Portuguese article with "Cidade Inteligente" (smart city) in the title got ten or more citations. With the term "Cidades Inteligentes", nine texts were referenced at least ten times. With "smart city", 669 papers are cited more than ten times, and with "smart cities", there are 591 texts. With the crossing of articles, we came to 1,260 results. 

From this list, as shown in Table 1, eight sources are cited more than 1,000 times, and seven texts appear as a citation in more than 500 others, totaling 15 texts — including a book (Townsend, 2013) — that form the most significant collection of citations and thus make up much of the literature in English that guides studies on the topic. Each of those 15 sources received a more detailed reading, and almost all of them point to little diversity of thought. A narrative review, which covered other aspects of the theme looking for texts by indirect association, and not just for specific keywords, was also carried out in texts in Portuguese and in the Integrated Library System of the University of São Paulo (Sibi), in eight databases listed under the term "urbanism", covering results until 2019. This material served to add other information to the analyses and conclusions made.

Table 1: Quantitative distribution of articles. Source: Authors, 2020.

2.2 Results

The most quoted text is the paper "Smart Cities in Europe" (Caragliu, Nijkamp, Del Bo, 2009), with 2,535 citations. It presents a detailed description of some axes that a smart city should have and brings a quantitative analysis of dozens of European cities, making the article stand out as the most cited one. The second text, "Internet of things for smart cities" (Zanella, Castellani, Bui, 2014), is an article that describes the solutions installed in the city of Padova (Italy), such as: monitoring the structural health of buildings, monitoring urban noise, monitoring garbage, traffic, energy consumption, smart parking, smart city lighting, public buildings automation (schools, museums, public offices) with light, temperature, humidity sensors. Unlike "Smart Cities in Europe", it is less conceptual and relatively objective, including technical specifications of solutions, suggesting paths for both the market and public policies. It was mentioned 2,465 times.

The third text among the most cited is "Will the real smart city, please stand up? Intelligent, progressive, or entrepreneurial?" (Hollands, 2008), with 1,803 citations. It appears as a source in most other texts on the list, perhaps because it proposes a distinction between terms. But the most cited studies dealing with an attempt at definitions are presented in two articles in fourth and fifth places, respectively, both close to 1,400 citations. "Understanding smart cities: an integrative framework" (Chourabi et al., 2012) and "Conceptualizing smart city with dimensions of technology, people and institutions" (Nam, Pardo, 2011) propose a framework to fit definitions about smart cities. At the beginning of the 2010s, scholars and the market were looking for advances in products and services. The smart city label was beginning to take on a more robust form.

The only book among the 15 most cited texts, with 1,212 mentions, "Smart Cities: Big data, civic hackers, and the quest for a new utopia" (Townsend, 2013) is a non-academic text, which helps to disseminate the term while it also raises some critical questions. But in general, it expresses an optimistic vision of the future based on technology. It assumes that technology, by itself, will help people and governments to work in a better and more transparent way, repeating expectations that were recurrent in the face of the Internet in the 1990s. It is the only publication, among those listed in the period, that addresses how cities absorb pervasive and ubiquitous technologies and how that continuously feeds big data. In this sense, it is oriented towards the debate on smart cities and data mining.

"The real-time city? Big data and smart urbanism" (Kitchin, 2013), with 1,151 citations, highlights the data algorithmic orientation since there is no raw data or neutral technology. Any data is collected according to some ideology. With over 1,000 citations, the last text, "Smart cities of the future" (Batty et al., 2012), proposes some models, with six possible scenarios for cities to enter the digital intelligence era. There is also a bibliographic review (Neirotti et al., 2014), an analysis of the term in the field of education, associating smart cities to those in which the population is more formally educated (Shapiro, 2006), and a text that discusses the potential of user-driven innovation: "Smart Cities and the Future Internet: Towards cooperation frameworks for open innovation" (Schaffers et al., 2011). Among the 15 most cited, the other publications follow the optimistic approach regarding the use of technology applied to the cities' daily life. 

As a whole, this survey reveals that the apprehension of the uses of applications and algorithms is intrinsic to smart cities and that the use of technologies always guarantees a safe, efficient and logical city. But what is not said also reveals something. The theoretical basis that has been used for the construction of the hegemonic discourse on smart cities does not touch on central issues for contemporary democracies: permanent surveillance (Morozov, Bria, 2019; Birchall, 2017), the end of the right to anonymity (Silveira, 2006), the right to oblivion (Maldonado, 2017). The epistemologies of smart cities and this new techno-urbanism — urbanism thought from the political instrumentalization of surveillance based on algorithms — follow centralizing trends, considered from the global North, which presuppose the predictability of social dynamics based on data control. 

There is no unanimous definition of smart cities. But we could, starting from this bibliometric revision, offer one: smart cities are technology propositions to solve city problems related to energetic, economic, mobility, logistics, governance, security efficiency, but also a generic idea of improving their residents' life quality. When adopted without a broad debate and social criticism, they become strategies to implement tools that increase social inequality and control populations. Dependent on massive data collection, including personal data, for purposes not declared to their users, governments placed the agenda under public health's argument to control the coronavirus's spread by governments of different countries.

3Coronavirus and the "new normal" urban culture1

In 2020, with the outbreak of the coronavirus pandemic, governments worldwide started to rely on systems that combine statistical data and geolocation of mobile phones to identify how many people were complying with the recommendations of social isolation (Harari, 2020). This direction guided the governmental action in the state of São Paulo, for example (Government of The state of São Paulo, 2020), and the proposal of Rio de Janeiro to reserve spaces on the beaches through applications (Grellet, 2020). Indeed, such monitoring processes are not exclusive to public policies to combat the coronavirus, but the pandemic impetus popularized the discussion about the dimension and the individual scope of data digitization.

It is as if we were living in the film Batman: The Dark Knight (2008), in which a control panel monitors all of Gotham City from the mobile-phone signals of its inhabitants. The devices functioned as micro sonars, and the emission of their signals allowed them to infer such a massive amount of records that the control system returned, as a result of the tracking, 3D images of the landscape and the inhabitants of Gotham. 

The technology staged in The Dark Knight is not yet available in our daily lives. However, advances in control ways through data from networks, especially smartphones, indicate that we have arrived in the Society of Control era (Deleuze, 1992, p. 219-226). In this essay, Deleuze discusses the emergence of distributed surveillance that relativizes the panoptic control model conceptualized by Michel Foucault (1987, p. 162-187). To this system, which will find its most consummated symbol in the Orwellian Big Brother (Orwell, 2018), there are overlapping tracking processes that operate from an invisible world of codes, passwords, and migrating data flows between computer bases of a few technology corporations. These data, combined with statistics from public health systems, manage the movements of the pandemic. They feed on government monitoring platforms to the applications we install in our smartphones, such as Private Kit Save Paths, developed at the MIT Lab, and the Israeli HaMagen, among others (COVID-19 Tracker Apps, 2020). 

But the sphere of surveillance that exists today is not limited to the invisible control of the mini brothers who live in our pockets and purses — miniaturized and distributed versions of the Big Brother imagined in George Orwell's 1984. It is molecular surveillance, which introjects itself into the body, scanning its physiology, like the thermometers with infrared sensors that have become iconic in the pandemic, and stores this data on servers over which there is no control or public knowledge. This means that the question today is no longer whether your data will be collected, but by whom, in what way, and which are its possible destinations.

Is it conceivable to abstract that private technology companies of the size of Apple and Google are heavily investing in contact-tracing systems, oriented to alert users of the possible approach of a person infected with the coronavirus? And before we say that this is an operation aimed only at those who have cell phones with the operating system of those companies, it is worth remembering that we are talking about 3 billion people, that is, almost a third of the world population, users of the devices of those two companies. (Gurman, 2020).

It is also essential to keep in mind that the records made by applications used by various governments, and also distributed independently on the Internet, can capture much more data than just spatial displacement. They can record temperature, pressure, and walking speed, which leads us to a kind of surveillance that is, as Harari (2020) pointed out, subcutaneous. This painless and invisible aspect ensures that algorithmic surveillance goes unnoticed as if it did not exist. Nothing is more consistent with the forms of violence of present-time capitalism.

Since the mid-1990s, definitions of different ideological hues about capitalism have been formulated. Informational capitalism (Castells, 2005), cognitive capitalism (Hardt, Negri, 2000), creative capitalism (Gates, 2008) are some of them. To these definitions, one more is added: "cute capitalism", a regime that celebrates, through fat and rounded icons, a pink and sky-blue world, which expresses itself with onomatopoeia, likes, and hearts, proposing the vision of a world in which nothing hurts, and all people are friendly. In this context, Clare Birchall (2017) called the shareveillance regime, a combination of sharing and surveillance is consolidated. We are monitored from the data we give, consciously or unconsciously, in a heterogeneous and complex arc from social networks to the emission of documents such as passports and IDs with chips.

This is what makes surveillance, in the culture digitization context we live in, a practice that is not necessarily coercive. It can operate, and operates, in a naturalized way, by a need of making part of the whole, of being visible, and also compulsorily, by the need to be socially computable. It is possible to choose whether to integrate with social networks (even if this might imply one's invisibility). But the latter option is more difficult when dealing with a vast pandemic like the present one, in which data sharing can mean protecting your health. This emerging format of surveillance occurs within the scope of new practices of social violence. It is algorithmic violence that inserts everyone in the coronavirus victims tally. This violence overlaps with the one that targets the primary victims of necropolitics: poor people, women, blacks, immigrants, indigenous people, among other minorities, as discussed by Mbembe (2017) and Pelbart (2018). Moreover, it also creates new forms of brutality, further tearing labor relations by normalizing precariousness.

Artist Bruno Moreschi was right when he said that the coronavirus would turn everyone into turkers. Turkers designates workers who operate in the early stages of artificial intelligence development processes. It is up to them the tedious task of identifying and classifying elements that will integrate databases. Machine learning programs will be developed, such as the image indexing that will feed a Facial Recognition system. They provide services on platforms such as Amazon Mechanical Turk (Mturk), where the vile nickname comes from, one of the main sites offering this type of work. To give a glimpse, about half a million people work as service providers for Mturk at minimal costs. While the US's minimum hourly wage is about $ 7.25, turkers receive about $ 2 per worked hour. Like Uber drivers, turkers, the icons of telework, are induced to an abusive workload in an attempt to compose their monthly income (Moreschi, 2020). This Internet galleys model is now expanding to a significant number of liberal and creative professionals and is part of the new post-pandemic normal package, further penalizing those who cannot take part in it. 

It is difficult to ponder what life will be like after the sudden disruption in mobility caused by the pandemic. However, as collective office furniture ads suitable for social distancing times, "fashionist" mask models, signaling design for measures of distancing between bodies, it is more and more apparent that we increasingly tend to a state of connected individualism (Flichy, 2004). This dates back to the early 2000s and is simultaneous with the popularization of Web 2.0. Ease of use is the reason for this system's success. But it is also what turned the Internet into a space populated by fortified citadels, as defined by Martin Warnke (2012), where people live within a few mainstream popular services. Any similarity to urban culture's daily life during the coronavirus pandemic is no coincidence. Closed condos, exclusive gyms, and restaurants for a few people have become the wished places for those who can enjoy the safe world outside the contagion zones behind the screens.

In the information architecture of the Web 2.0, the collaboration and sharing culture is consolidated, acclaimed by the big tech companies, in which anyone can take part, as long as they follow the rules prescribed by previously programmed algorithms. These co-working spaces are expressions in urban culture, focusing on the logic of walled gardens and the bubbles of social networks and applications, where we are always alone, yet connected. In harmony with the mantra "everyone has the right to be their boss", a vulnerability dictated by the absence of labor rights and bonds prevails, fundamental not only in the field of affections but also for the very possibility of subversion. Life becomes uberized, and the social Darwinism of data, which has already taken over networks, imposes itself on the city's daily life. The strongest, the best rated, the most accessible, the ones who stand out in the well-behaved dystopia of cute capitalism always win. Human Resources professionals celebrate this scenario, drawing attention to events such as the coronavirus to anticipate a future of remote work prevalence. One of its advantages, according to analysts, is the valuing of the accomplished goals in detriment of worked hours. However, they recognize that much more work is done on behalf of productivity value, and women are extremely penalized by the overlapping of work environment with family demands (Castro, 2020).

Captured in the domestic bubble and stuck to the screen, we are approaching a city vision that incorporates notions consolidated in Web 2.0. Like the one that brings together the ideas of public and free. Just as you don't pay to enter Facebook, entry to shopping malls is also free. Which is not to say they are public places. But it is this shopping center city, with empty streets and faceless people, that tends to become the standard, one of the post-pandemic future legacies. It is a kind of ghost of the generic city conceptualized by Rem Koolhaas (2010), where everything migrates to the online world. The "coronacity" — the city modeled by the coronavirus — is sedated, isolated, made to be observed from a sedentary point of view. More exclusive and more monitored, it embodies a society divided between people scrapped by teleworking, the digital lumpen of delivery workers, the "turkerized" subworkers, and billions of homeless people (Beiguelman, 2020).

4Conclusions

As we learned from several authors, no technology is neutral, including Pierre Lévy (2010) and Vilém Flusser (2002). Morozov and Bria (2019) approach this discussion of the smart cities theme, showing how infrastructures configured according to neoliberal parameters made it challenging to experiment with cities with non-neoliberal policies and economic measures. The opposite is also true; they say: counter-hegemonic policies and technologies strengthen counter-hegemonic processes. Therefore, talking about smart cities demands thinking of the non-neutrality of the agenda that supports this discourse, given that its implementation presupposes, for example, the privatization of services and public data. It is also important to underline here the considerations of Adam Greenfield (2013), who dedicated himself to disassembling statements by companies such as Cisco, Siemens, IBM, and others in their advertisements about smart technologies for cities. 

There is an essential technological determinism in smart cities' visions, which presupposes that technology will save cities; technologies are beneficial, have quality, and work. It is assumed that cities are doomed to fail, and that technology will solve problems. Smart cities would be error-proof because they are predictable — precisely when the error, taken as a deviation, is considered a possibility of dissent in the contemporary world. It should also be noted that, in the hegemonic discourse on smart cities,the city is presented as an object of consumption and not a shared, conflicted, and disputed space. Without history and social density, the city is reduced to an analogy of an application project. It can be discontinued as soon as it is convenient, in favor of a new update. Or they are built from scratch as if designers and programmers could create software for a living, a simplistic update of Le Corbusier's notion of the home as a living machine (Brasileiro, Campos Salles, 2007). 

This type of approach is part of the same Western triumphalistic intoxication that tends to see the narrative of human civilization as the inexorable conquest of the Earth, rather than the process of a contradictory culture growing in a chaotic, unstable way (Wallace-Wells, 2019). A culture mainly marked by obsolescence, with civilizations that appear and disappear, with technologies that can be more harmful than useful. The repetition of history — which would happen the first time as a tragedy and the second as a farce, according to Karl Marx (2011) — can be found at this moment. The surveillance set in motion by the Patriot Act after the September 11, 2001 attacks in the United States, in which the government allowed unprecedented access to personal data, in a dialogue with technology companies, was legitimized by the so-called shock doctrine (Klein, 2008). According to Klein, after catastrophes, governments take advantage of the population's shock to approve measures that reduce their rights. This time, mass monitoring, on a global scale, came after the shock of COVID-19.

In the first half of 2020, we saw the adoption of measures and technologies to combat the virus' spreading as if they were neutral and punctual resources to the COVID-19 situation. However, those technologies established monitoring rules for each citizen, via smart apps, to track who one met, for how long, at what distance, in addition to measuring their temperature via physiological analysis by thermal cameras. Such resources used to guarantee the entrance, or not, work as a new set of predeterminations of the bodies' spatial distribution in certain places. Thus, on the assumption that combines screening with predictability, they transform the coronavirus into a metaphor for the smart cities' motivations, giving it the contours of a "smart virus".

It is also worthy to notice that this algorithmic surveillance model, associated with new models of public health policies, creates new forms of hierarchy and social exclusion. After all, only those who have cell phones with GPS, connected to the Internet, are identifiable and therefore liable to be protected from contagion. The non-traceable person is the one to whom the state has long ago turned its back. In other words, in the spiral of algorithmic surveillance maximized by the smart virus, the mobile subjects, the homeless people so ordinary in Brazilian cities, acquire a new layer of invisibility before the state. Since it is not possible to monitor their displacement in space, it is evident that the crossing of public policies with big data can further stress the social violence prevailing in the urban scene. 

Pondering the post-pandemic future, Bruno Latour wrote that "the last thing to do would be to redo all we did before" (Latour, 2020). But, in the light of the considerations presented, it can be inferred that the coronavirus has brought to the city's daily life the most perverse imagery of smart cities, in terms of their ways of combining predictability with the ability to control bodies in space, via algorithmic systems. In this perspective, paraphrasing Latour, the hypothesis arises that maybe the post-pandemic future has already become present, and the first thing to do would be not to let the smart virus' "new normal" become our urbanism of tomorrow.

References

Batman: The Dark Knight, 2008. Direction: Christian Nolan. Directed by Christopher Nolan: Warner Brothers, (152 min). 

Batty, M., Axhausen, K. W., Giannotti, F., Pozdnoukhov, A., Bazzani, A., Wachowicz, M., Ouzounis, G., Portugali, Y., 2012. Smart cities of the future, The European Physical Journal Special Topics, 214(1), p. 481-518. Available at: DOI: 10.1140/epjst/e2012-01703-3. Accessed 11 July 2020. 

Beiguelman, G., 2020. Coronavida: pandemia, cidade e cultura urbana. São Paulo: ECidade. Available at: https://escoladacidade.edu.br/wp-content/uploads/2020/08/200811_op_giselle_LEITURADIGITAL.pdf. Accessed 11 July 2020.

Birchall, C., 2017. Shareveillance: The Dangers of Openly Sharing and Covertly Collecting Data. Minneapolis: University of Minnesota Press.

Brasileiro, V. B.; Campos Salles, C. T de, 2007. A casa é uma máquina de morar(?): analisando a casa modernista. Cadernos de Arquitetura e Urbanismo, v. 14, n. 15, p. 92-114.

Bratton, B. H., 2015. The Stack: On Software and Sovereignty. Cambridge, Massachusetts: MIT Press.

Caragliu, A., Del Bo, C., Nijkamp, P., 2011. Smart Cities in Europe, Journal of Urban Technology, 18(2), p. 65–82. Available at: DOI: 10.1080/10630732.2011.601117. Accessed 11 July 2020.

Castells, M., Majer, R. V., 2013. A sociedade em rede. São Paulo: Paz & Terra.

Castro, N. de, 2020. É possível conciliar o Home com o Office?, ISE Business School: Educação Executiva e MBA Internacional IESE, 2 June. Available at: https://ise.org.br/blog/conciliar-home-office/. Accessed 11 July 2020.

Chourabi, H.; Nam, T.; Walker, S.; Gil-Garcia, J. R.; Mellouli, S.; Nahon, K.; Pardo, T. A.; Scholl, H. J., 2012. Understanding Smart Cities: An Integrative Framework, 45th Hawaii International Conference on System Sciences, p. 2289-2297. Available at: DOI: 10.1109/HICSS.2012.615/. Accessed 11 July 2020.

Cocchia, A., 2014. Smart and Digital City: A Systematic Literature Review, in Dameri, R. P. and Rosenthal-Sabroux, C. (eds) Smart City: How to Create Public and Economic Value with High Technology in Urban Space. Viena: Springer International Publishing, p. 13-43. Available at: DOI: 10.1007/978-3-319-06160-3_2. Accessed 11 July 2020.

COVID-19 Tracker Apps, 2020. Available at: https://github.com/fs0c131y/covid19-tracker-apps. Accessed 11 July 2020.

Deleuze, G., 1992. Post-Scriptum sobre as Sociedades de Controle. In: Deleuze, G. Conversações. Rio de Janeiro: Editora 34, p. 219-226.

Figueiredo, G. M. P., 2018. O discurso e a prática da Smart City: Perspectivas críticas e aproximações. MSc. Universidade de São Paulo. Available at: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/16/16132/tde-21092018-151408/publico/MEgabrielmazzola_rev.pdf. Accessed January 2020.

Flichy, P., 2004. L’individualisme connecté entre la technique numérique et la société, Réseaux, 124(2), p. 17. Available at: DOI: 10.3917/res.124.0017. Accessed 11 July 2020.

Flusser, V., 2011. Filosofia da Caixa Preta. Ensaios Para Uma Futura Filosofia da Fotografia. São Paulo: Annablume.

Foucault, M., 1997. Vigiar e Punir: Nascimento da Prisão. Petrópolis: Vozes.

Governo do Estado de São Paulo, 2020. São Paulo contra o coronavírus. Available at: https://www.saopaulo.sp.gov.br/coronavirus. Accessed 11 July 2020.

Greenfield, A., 2013. Against the smart city. New York: Do projects.

Gurman, M., 2020. Apple, Google Bring Covid-19 Contact-Tracing to 3 Billion People, Bloomberg.com, April 10. Available at: https://www.bloomberg.com/news/articles/2020-04-10/apple-google-bring-covid-19-contact-tracing-to-3-billion-people. Accessed 11 July 2020.

Harari, Y. N., 2020. The world after coronavirus. Financial Times [online] 2020 (20 March). Available at: https://www.ft.com/content/19d90308-6858-11ea-a3c9-1fe6fedcca75. Accessed 11 July 2020.

Hardt, M., Negri, A., 2001. Império. Rio de Janeiro: Record.

Hollands, R. G., 2008. Will the real smart city please stand up?, City, 12(3), p. 303–320. Available at: DOI: 10.1080/13604810802479126. Accessed 11 July 2020.

Kitchin, R., 2014. The real-time city? Big data and smart urbanism, GeoJournal, 79(1), p. 1–14. Available at: DOI: 10.1007/s10708-013-9516-8. Accessed 11 July 2020.

Klein, N., 2008. The Shock Doctrine: The Rise of Disaster Capitalism. New York: Picador USA.

Koolhaas, R., 2012. Três textos sobre a cidade. Barcelona: Gustavo Gili.

Latour, B., 2020. Imaginar os gestos-barreiras contra o retorno à produção pré-crise. São Paulo: N-1 edições, 2020. Available at: https://www.n-1edicoes.org/textos/28. Accessed 11 July 2020.

Lévy, P., 2010. Cibercultura. 3rd ed. São Paulo (SP): Editora 34.

Maldonado, V. N., 2017. Direito ao esquecimento. Rio de Janeiro: Novo Século.

Marx, K., 2020. O 18 de brumário de Luís Bonaparte. São Paulo: L&PM Pocket.

Mbembe, A., 2018. Necropolítica. São Paulo: N-1 Edições.

Moreschi, B., 2020. Exch w/ Turkers. Available at: https://sites.usp.br/gaia/en/projeto-exch_w_turkers/. Accessed 11 July 2020.

Morozov, E., Bria, F., 2019. A cidade inteligente: tecnologias urbanas e democracia. São Paulo: Ubu Editora.

Nam, T., Pardo, T., 2011. Conceptualizing smart cities with dimensions of technology, people, and institutions, ACM International Conference Proceeding Series, p. 291. Available at: DOI: 10.1145/2037556.2037602. Accessed 11 July 2020.

Neirotti, P.; De Marco, A.; Cagliano, A. C.; Mangano, G.; Scorrano, F., 2014. Current Trends in Smart City Initiatives: Some Stylised Facts, Cities, 38, p. 25–36. Available at: DOI: 10.1016/j.cities.2013.12.010. Accessed 11 July 2020.

Orwell, G., 1961. 1984. New York: Signet Classic.

Pelbart, P. P., 2018. Necropolítica tropical: fragmentos de um pesadelo em curso. São Paulo: N-1 edições.

Schaffers, H.; Komninos, N.; Pallot, M.; Trousse, B.; Nilsson, M.; Oliveira, A., 2011. Smart Cities and the Future Internet: Towards Cooperation Frameworks for Open Innovation, in Domingue, J. et al. (eds) The Future Internet. Berlin, Heidelberg: Springer (Lecture Notes in Computer Science), p. 431–446. Available at: DOI: 10.1007/978-3-642-20898-0_31. Accessed 11 July 2020.

Shapiro, J. M., 2006. Smart Cities: Quality of Life, Productivity, and the Growth Effect of Human Capital. The Review of Economics and Statistics, May 2006, 88(2). p. 324-335. Available at: https://www.brown.edu/Research/Shapiro/pdfs/history.pdf. Accessed 11 November 2020.

Silveira, S. A. da., 2020. Hackers, monopólios e instituições panópticas: elementos para uma teoria da cidadania digital. Líbero, n. 17, pp. 73-81, 2006. Available at: https://casperlibero.edu.br/wp-content/uploads/2014/05/Hackers-monop%C3%B3lios-e-institui%C3%A7%C3%B5es-pan%C3%B3pticas-elementos-para-uma-teoria-da-cidadania-digital.pdf. Accessed 11 July 2020.

TIME, 2008. Bill Gates Discusses How to Fix Capitalism. TIME. Available at: https://www.youtube.com/watch?v=zA1ioym5OYA. Accessed 11 July 2020.

UOL, 2020. Coronavírus: banhistas terão de reservar espaço na praia por aplicativo no RJ. UOL. 2020 (08 Oct.). Available at: https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/agencia-estado/2020/08/10/crivella-anuncia-que-banhistas-terao-de-reservar-espaco-na-praia-por-aplicativo.htm. Accessed 11 July 2020.

Virilio, P., 2012. The Administration of Fear. Los Angeles: Semiotext.

Wallace-Wells, D., 2019. A terra inabitável: Uma história do futuro. Translated by C. de A. Leite. São Paulo: Companhia das Letras.

Warnke, M., 2012. Databases as citadels in the web 2.0, in: Lovink, G., Rasch, M., (eds.), Unlike Us Reader: Social Media Monopolies and the Their Alternatives. Amsterdam: Institute of Network Cultures, p. 76-88.

Zanella, A.; Bui, N.; Castellani, A.; Vangelista, L.; Zorzi, M., 2014. Internet of Things for Smart Cities, IEEE Internet of Things Journal, 1(1), p. 22–32. Available at: DOI: 10.1109/JIOT.2014.2306328. Accessed 11 July 2020.



1 An earlier version of this item's text was published in Beiguelman, 2020, p. 27-35.