PICO Colectivo como metodologia projetual em territórios fragilizados

Mariana Sant'Anna, Vera Luz

Mariana Tealdi Sant'Anna tem graduação em Arquitetura e Urbanismo e é mestranda em Urbanismo, no Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo da Pontifícia Universidade Católica de Campinas. É membro do Laboratório de Desenho de Estratégias Urbano-Regionais (LADEUR) da mesma instituição. Tem como temas de pesquisa projeto participativo, fragilidades socioespaciais e ambientais, pertencimento e PICO Colectivo. mari.tealdi@gmail.com http://lattes.cnpq.br/4528252278208162

Vera Santana Luz tem graduação em Arquitetura e Urbanismo e é doutora em Arquitetura e Urbanismo. É professora e pesquisadora do Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo da Pontifícia Universidade Católica de Campinas, onde orienta pesquisas sobre os temas arquitetura, urbanismo, meio ambiente, sustentabilidade e soluções baseadas na natureza, e territórios com fragilidades socioespaciais e ambientais. veraluz@puc-campinas.edu.br http://lattes.cnpq.br/2708934593900531


Como citar esse texto: SANT'ANNA, M. T.; LUZ, V. PICO Colectivo como metodologia projetual em territórios fragilizados. V!RUS, São Carlos, n. 22, Semestre 1, julho, 2021. [online]. Disponível em: <http://www.nomads.usp.br/virus/virus22/?sec=7&item=1&lang=pt>. Acesso em: 28 Set. 2022.

ARTIGO SUBMETIDO EM 7 DE MARÇO DE 2021


Resumo

Este artigo tem como objetivo discutir soluções metodológicas e projetuais de estudo de caso, como alternativa a fenômenos da segregação socioespacial, percebidos principalmente em países dependentes da América Latina. Como raiz presente, o continente compartilha uma história marcada pelo colonialismo e desigualdade, contemplando similitudes e diferenças socioterritoriais. PICO Colectivo, coletivo arquitetônico multidisciplinar venezuelano, atua em territórios fragilizados especialmente em seu país, para o que, busca-se o reconhecimento de especificidades da Venezuela como situação sistêmica. Articula-se o estudo de caso de maneira metodologicamente dialética, mediante sua interpretação perante referências teóricas e pela investigação crítica de sua atuação. Os resultados incluem a compreensão inicial de condicionantes desdobráveis a outros países sul-americanos dependentes como analogia ao fenômeno de segregação socioespacial. A investigação de princípios, processos organizativos, de inserção social e metodologias de projeto do coletivo objetiva construir um inventário pressupondo hipóteses de replicabilidade circunstanciada a especificidades de outros países do continente ou de territórios do Sul Global. Intenta-se uma reflexão sobre o papel da arquitetura e urbanismo como agentes em uma sociedade segmentada, em direção à superação de ações instrumentadas pelo sistema hegemônico de acumulação de capital. Indagam-se possibilidades de uma profissão e disciplina tão dependentes de investimento, em encontrar alternativas metodológicas, projetuais e técnicas que possam fomentar transformações conjunturais compartilhadas em sua inserção no território, em direção a alterações estruturais de caráter político.

Palavras-chave: América Latina, PICO Colectivo, Projeto participativo, Lugar, Direito à cidade



1 À guisa de introdução: em busca de possibilidades da arquitetura para a autonomia de comunidades

Este artigo está articulado a uma pesquisa1 que investigou, de forma dialética, métodos de constituição de soluções de um coletivo de arquitetura de caráter multidisciplinar e seu compromisso com o território em que se inserem, como ações participativas. Mediante seleção de projetos, a partir da investigação da metodologia preconizada pelo coletivo, pretendeu-se sua análise crítica e a discussão sobre sua repercussão como exemplaridade em busca por resistência perante a segregação socioespacial em países dependentes latino-americanos. Articulou-se esta aproximação com a fundamentação teórica, com referenciação a diversos autores, cujos princípios apontam para a autonomia e emancipação anti-hegemônica nas situações de dependência e subordinação, o que mais recentemente – no advento da mundialização da economia – pode-se definir como Sul Global.

Pretende-se, a partir desse estudo de caso localizado, considerar suas condicionantes sistêmicas e correspondências à reflexão sobre problemas de caráter estrutural de processos de urbanização de territórios periféricos dependentes, particularmente na América Latina, cujas regiões desassistidas revelam, pela estratificação socioespacial, sua precariedade e exclusão. Considera-se que, dada a história colonial e a estrutura global que articulam atualmente os países latino-americanos, mesmo contemplando diferentes especificidades socioterritoriais, haja aspectos constantes. Discussões sobre recentes ondas progressistas apontam para o enfrentamento da encruzilhada entre autonomia cultural e civilizatória, por um lado, e subserviência ao capital, por outro, que se fundamentam como projetos de país. Neles, nos limites mais desfavoráveis de adesão, o capital e o Estado fazem alianças espoliativas pela superexploração do trabalho e superexploração dos recursos naturais, e onde a renda da terra urbana é um instrumento de acumulação e poder (SANTOS, 2019; HARNECKER, 2019).

Lançando um olhar que parte inevitavelmente da condição brasileira – nosso ponto de vista, nossa experiência cotidiana e contexto de nossas ações –, foi intentado debruçar-se sobre uma circunstância venezuelana – de caráter local, porém com consciência territorial – como estratégia de aproximação. Acreditamos que a contextualização de um fenômeno relativamente particular em suas especificidades possa informar reverberações e simultaneidades de propósitos em nossos territórios latino-americanos, seja por somatória, estabelecimento de redes, troca de experiências ou pela sistematização de condicionantes comuns ou contrastantes, como um passo a mais para a identidade latinoamericana se afirmar. Esta tensão metodológico-conceitual não visa uma generalização diluidora, mas apontar para similitudes, sem a pretensão de esgotamento. Deixar explícito nosso ponto de vista inevitavelmente estrangeiro, desde o Brasil, buscando detectar correspondências, nos pareceu fecundo como acercamento.

As referências principais às quais recorremos, do ponto de vista conceitual, são Freire (1982) e Santos (2018), ambos os autores de dimensão planetária e atualíssima. Freire, como um pioneiro da anti-opressão, via autonomia pela educação, cujos preceitos se mantém inspiradores e necessários de manter à luz, e Santos, que reivindica as Epistemologias do Sul como alternativa ao colonialismo e ao capitalismo. Foram contrapostas referências clássicas relacionadas ao contexto urbano brasileiro, que julgamos articuláveis ao continente dada a constância dos processos já enunciados, a estudos sobre urbanização na Venezuela, suas condições políticas, econômicas e socioterritoriais. Diante da hipótese desse estado da arte mundializado, espera-se confirmar possibilidades de autonomia imediata que possam gerar resistências e insurgências potentes de enfrentamento do status quo, construído de forma hegemônica. A partir do estudo de caso do PICO (Proyecto de Interés Comunal, na sigla em espanhol) Colectivo, seus princípios, metodologias e práxis social, intenta-se o entendimento desta experiência como um dos universos possíveis para a arquitetura na condição sistêmica de urbanização precária em países latino-americanos.

O PICO Colectivo constitui um coletivo venezuelano de arquitetura que se define como uma estrutura de ação política e territorial. Aposta no desenvolvimento de estratégias e operações de infraestrutura – englobando neste termo o projeto de arquitetura – em ambientes onde ocorrem precariedade socioespacial e conflitos urbanos. Fundado em 2011, busca trazer à tona, na diversidade de seu espectro, o debate sobre o papel da arquitetura e como a disciplina pode ser uma alternativa ao descaso do Estado em áreas fragilizadas da cidade.

Perguntas como "Quais tipos de negociações podem ser implantadas no bairro?", "Como são produzidas?", "Como são remuneradas?", "Como são mantidas ao longo do tempo?", são incógnitas da participação popular. Resolver esse paradoxo inclui, segundo o Colectivo, promover novas relações produtivas, refutando o acordo de coexistência dominante pré-estabelecido para constituir uma rede complexa de múltiplas associações complementares, baseadas na cooperação e no engajamento social (PICO COLECTIVO, 2017).

2 Segregação socioespacial na Venezuela como exemplaridade latinoamericana

Apresentamos inicialmente algumas considerações sobre fatores estruturantes que determinam a situação em que se encontra a República Bolivariana da Venezuela, que podem indicar paralelismos no universo da América Latina como território marcado pelo neocolonialismo e dependência. A estrutura sociopolítica venezuelana se viu passar por diversas fases, tanto de esperança quanto de duras repressões militares e ditatoriais, dicotomia que se percebe inclusive em discursos de seu líder mais significativo, Hugo Chávez, em dois momentos distintos. Em 1998, em sua primeira vitória via eleições, o líder defendia um governo que não fosse nem socialista, nem capitalista, aos moldes do britânico Tony Blair, como se fosse uma hipótese humanista. Dez anos depois, perante a experiência concreta de uma trajetória com ambiguidades e repleta de oposições e tentativas de golpe, Chávez reformula seu discurso e passa a defender a criação de um caminho socialista para o país pois, argumentava, apenas assim a Venezuela alcançaria sua liberdade (SANTOS, 2019, p. 23).

Segundo Fabio Luis Barbosa dos Santos (2019), a eleição de Hugo Chávez, em 1998, significou a primeira vitória de um candidato efetivamente contrário a políticas neoliberais no passado recente da América Latina. Para situarmos em que circunstâncias estava o país quando isso ocorreu, é importante considerar uma particularidade determinante da economia venezuelana: o petróleo. Em 1920, a Venezuela já havia se tornado a maior produtora de petróleo mundial e, para o deleite das elites dominantes, tamanha prosperidade tornou a pátria bolivariana uma economia extrativista e importadora de bens industrializados. Celso Furtado definiu esse estado como “subdesenvolvimento com abundância de divisas” (FURTADO, 2008). A valorização do bolívar pela chamada doença holandesa2 elevou o preço dos produtos agrícolas exportáveis, levando o país a se tornar um importador de alimentos. Isso desencadeou a migração da população para os centros urbanos e, por consequência, a diminuição massiva das atividades produtivas (MARINGONI, 2009; SANTOS, 2019). Conforme aponta Mioto (2015), a economia venezuelana se beneficiou com o aumento do preço do petróleo e investiu na atividade imobiliária. No entanto, déficits em transações correntes levaram o país ao endividamento externo, somados a ajustes neoliberais implementados pelo Estado em função do capital internacional, agravando a situação de pobreza urbana. Dados preocupantes mostram que, em 1980, a população em situação de pobreza extrema era de 25% e, no ano de 1991, a pobreza urbana do país atingiu a marca de 85%, sendo 35% de pobreza e 50% de pobreza crítica.

A Venezuela aumentou seu grau de urbanização, simultaneamente à diminuição nas suas taxas de crescimento populacional. A desigualdade social aprofundada entre as décadas de 1980 e 1990 ocorreu em um território que enfrentava uma desindustrialização em uma base já pouco industrializada, afetando ainda mais o desemprego urbano (MIOTO, 2015). No caso de Caracas, tal desigualdade foi observada principalmente no setor terciário, onde se viu uma ampliação de sua característica heterogênea. Amaya (1999) cita duas consequências desse processo: a primeira, é a distribuição geográfica dos polos econômicos e a segunda, a segregação geográfica da população. De acordo com Hirao (2015), Caracas se tornou polo de empresas vinculadas ao capitalismo internacional, passando a assumir diversas funções dentro da hierarquia das cidades globais, como pesquisas acadêmicas. Suas novas centralidades passam a se localizar a leste, fragmentando ainda mais a mancha urbana da capital: um centro global de negócios conformou-se contíguo às áreas portuárias, em função dos novos vínculos do país com a economia global e as necessidades do capital nacional e internacional. A estruturação das cidades em função do mercado foi um fenômeno que se tornou comum na América Latina como um todo, durante os processos de conurbação (HIRAO, 2015).

Como defende Gorelik (2005), a cidade latino-americana poderia ser pensada como um ciclo que percorre desde o otimismo da modernização à sua inversão crítica e radical, palco de desigualdade e fragmentação socioespacial. Podemos desde já inferir que o fenômeno de urbanização acelerada nos países dependentes, observado especialmente a partir do pós-guerra, ocorreu, em grande medida, devido à pressão do processo capitalista nas periferias. Circunstâncias de industrialização tardia e incompleta provocaram uma explosão de grandes pólos urbanos, onde o Estado não foi capaz de constituir instrumentos suficientes para a provisão de moradia, infraestrutura e qualidade urbana para as populações expulsas do campo e recém-chegadas às cidades. Pode-se espelhar, mesmo dentro das especificidades próprias de cada país, a constância deste fenômeno de dependência e exclusão, a partir de vasta literatura que trata disto no Brasil (MARICATO, 2000; ROLNIK, 1997; KOWARICK, 1983; VILLAÇA, 2001), inclusive contrapondo-se à visão dualista predicada pela CEPAL, já na década de 1970, no ensaio pioneiro de Francisco de Oliveira (1975).

Segundo Villaça (2001) e Rolnik (1997), esse processo cria paisagens com graus distintos de privilégios e, consequentemente, de valores de mercado, conforme sua localização. Assim, podem-se definir as periferias, grosso modo, como espaços de exclusão e irregularidade que se referem a múltiplas configurações espaciais. Conforme Kowarick (1983), ao analisar o caso do Brasil, com a expulsão de contingentes populacionais do campo e o incremento quantitativo de mão de obra urbana ocorre a crescente pressão sobre a oferta de habitação popular, simultaneamente à valorização dos terrenos próximos às fábricas. Transferem-se, historicamente os gastos fabris com moradia para os próprios trabalhadores e os de infraestrutura para o Estado. As vilas operárias começam a desaparecer e o problema habitacional passa a ser resolvido pelas relações econômicas no mercado imobiliário, onde o salário não era suficiente para a própria reprodução da força de trabalho, especialmente para o provimento de moradia adequada.

Nesse contexto de origem, apesar de existirem programas de subsídios, há a constante insuficiência e enfrentamento, em que Harnecker (2019) identifica três fatores, articulados do ponto de vista da crise da esquerda como: a falta de pensamento próprio, a falta de estudo sobre o socialismo e a falta de estudo sobre o capitalismo. A autora afirma que as esquerdas progressistas da América Latina olharam para seu território com uma visão europeia, não estudando os êxitos conquistados pelo socialismo e, muito menos, suas derrotas.

3 PICO Colectivo: utopia realizável?

Para sua inserção social, à luz da discussão sobre o jogo de forças em que a sociedade vive contemporaneamente, o coletivo conclui que a democracia baseada no modelo de representação política estaria esgotada. Defende a necessidade de promover a transformação da estrutura hierárquica do Estado e a constituição de um sistema horizontal de poder, articulado a partir de inúmeros grupos locais, capazes de gerenciar seu próprio ambiente, como um desafio iminente (PICO COLECTIVO, 2017). Segundo Valencia (2015, p. 1, tradução nossa), “Como em grande parte da América Latina, a Venezuela tem sido um terreno fértil para o surgimento de jovens coletivos de arquitetura comprometidos em unir forças, manter a autonomia, formar sua própria voz e, acima de tudo, um foco social”. Entre estes, está o PICO Colectivo, cujos membros fundadores se formaram dez anos após a revolução venezuelana, tendo como princípio questionar o papel do arquiteto na sociedade, mediante projetos participativos. Em publicação própria (PICO COLECTIVO, 2017), o coletivo apresenta os processos de trabalho, evidenciando a preocupação com o território, as comunidades e as técnicas sociais e construtivas utilizadas.

O pressuposto da arquitetura para o coletivo seria, portanto, promover intervenções capazes de cruzar o conhecimento técnico com a experiência popular, hibridizando o raciocínio e as estratégias na tomada de decisões e ações necessárias para conduzir transformações fortes, modificando o caráter exclusivo para a estruturação de ações compartilhadas. Assim, os arquitetos hão de se envolver em problemas comuns, assumindo uma forma de co-liderança compartilhada, trabalhando como técnicos em desenho simultaneamente à sua condição de cidadãos em relações sociais, como também colaborando na interlocução política junto a instituições estatais. Suas premissas indicam que o arquiteto questione os modelos de engajamento pela competição no mercado e seus mecanismos de inserção de projetos, entendendo que cada problema de uma comunidade constitui uma situação de oportunidade em operar e detonar outros processos diretamente ligados às verdadeiras demandas populares.

Para o coletivo, a arquitetura não é um fim em si, mas um suporte a processos que vão além da própria infraestrutura, projetando a disciplina como uma ciência capaz de construir, mas também de abordar o potencial programático e cultural e promover relações sociais intensas. Somente sob essa condição de transversalidade seria possível aos arquitetos tornarem-se verdadeiros agentes de transformação (PICO COLECTIVO, 2017). Em relação à aproximação com a comunidade, Marcos Coronel, um dos fundadores do PICO, esclarece, em depoimento direto via e-mail às autoras, que todos os projetos são produto de anos de luta persistente junto às comunidades, as quais, muito antes do projeto, já elaboraram seu próprio plano, lidam com o diagnóstico preciso e identificam sua força de trabalho. Os espaços construídos são o resultado de intenso processo que precede a intervenção física. Os arquitetos dividem seu trabalho em três categorias: Estruturas Territoriais, Plataformas de Desenvolvimento Coletivo e Dispositivos Funcionais.

Definidas pelo coletivo como estratégias políticas, as Estruturas Territoriais visam constituir protocolos de gestão baseados em redes, tecidos e sistemas cooperativos, promovendo operações de transformação física e social em territórios socialmente complexos, a partir de ações acupunturais que buscam progressivamente irradiação em um ambiente mais amplo. Incorporam lógicas de organização não hegemônica onde se variam a morfologia, a demanda programática ou a técnica construtiva empregada. Trata-se de pequenas operações sistêmicas que focam a atenção nas comunidades locais, buscando ações com objetivos claros, baixo atrito, resultados imediatos e a fomentação de novas motivações. Buscam responder às verdadeiras demandas da comunidade e do território, onde se tecem novas relações de convivência pela reconstrução de infraestruturas em locais indicados pelos moradores (PICO COLECTIVO, 2017).

A segunda categoria, Plataformas de Desenvolvimento Coletivo, apelidada de “microeconomias subversivas”, é composta por bases de operações que pretendem o estabelecimento e fortalecimento de programas culturais e esportivos nos assentamentos populares e áreas de conflito urbano. Estas intervenções objetivam fornecer espaços de apoio para atividades comunitárias, contando com grande participação dos grupos comunitários e movimentos sociais na escolha dos programas, locais a serem implantados e em sua execução. Diferentemente das Estruturas Territoriais, esta categoria não preconiza a seriação, podendo tratar de projetos isolados em locais diversos. A terceira categoria, os Dispositivos Funcionais, reúne projetos que se caracterizam como soluções pré-configuradas para problemas específicos. O conjunto destes dispositivos forma uma cartilha de elementos aplicáveis, como uma base a partir da qual eles podem ser reinterpretados, conforme as condições das diferentes realidades, tendo a participação ou não da comunidade no processo de realização da obra.

Fig. 1: Intervenções do PICO Colectivo na Venezuela. Fonte: Mapa do Google Earth com anotações das autoras, 2021.

A Figura 1 apresenta um mapeamento das intervenções do PICO Colectivo na Venezuela, em que é verificável quase sua totalidade em áreas de grande declividade, nas encostas da Cordilheira dos Andes e seus desmembramentos setentrionais, em geral em áreas de risco, sujeitas a desastres naturais, em comunidades segregadas, bairros carentes e áreas de favela. Examinaremos a seguir algumas destas experiências.

3.1 Habitações Produtivas do Bairro: arquitetura e urbanismo em um só modelo

Configuradas como protótipos diversos de unidades habitáveis a serem ​​construídas à margem da cidade formal, consistem na criação de modelos replicáveis de infraestruturas domésticas que combinam os ambientes das habitações propriamente ditas, conforme especificidades programáticas para cada caso. Abrangem atividades produtivas em escala familiar, respeitando a característica agrícola do bairro, como hortas e pomares nos espaços entre as casas ou nos pátios livres. A estratégia do programa é gerar pontos focais de transformação que reverberem, potencializados, em uma rede residencial, como espaços cooperativos e áreas de produção. O sistema aposta em procedimentos e tecnologias já conhecidos pela comunidade, mesclados a soluções industriais, unindo saberes populares com os propriamente técnico-profissionais. Cada um dos quinze protótipos passou por um processo de revisão, realizado com a comunidade antes de sua construção, em um diálogo horizontal, para definição do que futuramente seria implementado nos locais definidos.

O bairro piloto foi interpretado como um grande ecossistema que incorpora três dimensões: ambiental, social e territorial. Na dimensão ambiental, foram levantadas as qualidades naturais do sítio em que seriam implantadas as intervenções e, como produto, obteve-se um dossiê no qual se buscou o entendimento detalhado sobre aspectos da geologia do solo, da topografia existente, dos tipos de vegetação e microclimas. Alicerçado neste estudo ambiental, foi realizado o cotejamento de possíveis fontes sustentáveis de energia, com a intenção de cobrir serviços não prestados pelo Estado, bem como hipóteses de hortas coletivas em pátios familiares, áreas comuns ou ao redor de riachos. A dimensão social consistiu na organização da comunidade, fundada na criação de espaços de participação coletiva, como salas de jantar, salas técnicas e locais em que pudessem ser discutidas agendas políticas e culturais. O objetivo foi o de unir a dimensão técnico-profissional às forças da população envolvida, na forma de acordos e de cadeias de trabalho onde existissem o intercâmbio horizontal de informações e discussões públicas.

Fig. 2: Protótipos residenciais realizados pelo coletivo em bairro piloto. Fonte: PICO Colectivo, 2017. Disponível em: https://bit.ly/3ytKl1i. Acesso em: 19 set. 2020.

Consoante à dimensão territorial, foi realizado um plano urbanístico em microescala objetivando a reordenação físico territorial, onde foram redefinidas áreas públicas de convívio, vias de acesso e de segurança sob cabos de alta tensão. Ele propunha a unificação entre os setores da vizinhança, com vistas a dissolver seus limites, para que se pudesse construir novos pactos onde o novo foco passasse a ser pautado pelas relações de coexistência e solidariedade. Parte do sistema de protótipos do programa Habitações Produtivas do Bairro, como mostra a Figura 2, segue preceitos de tipologias habitacionais conectadas a uma rede de soluções que administram estratégias em um ecossistema rural emergente. Propõe um olhar focado no desenvolvimento de novas formas de morar em contextos rural-urbanos, deixando clara a possibilidade assertiva em explorar modelos que se distanciem dos prefigurados na cidade formal (PICO COLECTIVO, 2017).

3.2 Núcleo Cultural La Ye: catalizador social desde dentro

Fig. 3: Vista do bairro do Petare. Ao centro, a intervenção Núcleo Cultural La Ye. Fonte: PICO Colectivo, 2017. Disponível em: https://bit.ly/3ytKl1i. Acesso em: 19 set. 2020.

O Núcleo Cultural La Ye (Figura 3) localiza-se no Petare, favela da região metropolitana de Caracas, Venezuela, considerada a maior do país, com aproximadamente 369.000 habitantes (DIO, 2021). O projeto caracteriza-se como um ambiente comunitário auto-administrado, frequentado por jovens do bairro, onde uma casa, antes em condições precárias, foi recuperada e transformada em um espaço para uso esportivo e cultural. Pensado como um microrganismo híbrido de economias alternativas, que destaca sua preexistência, La Ye tem seu princípio na realização de atividades atípicas, através da reestruturação de uma construção desocupada. Constituída por uma antiga casa autoconstruída, que funcionava como local de apostas e loja de bebidas, era considerada anteriormente como um local vulnerável e impróprio à convivência comunitária. No pavimento térreo, com área de 120m², havia diversas saletas segregadas, separadas por um corredor com iluminação e ventilação natural deficientes. Na cobertura, em estado inacabado, havia vergalhões expostos para ampliação de um pavimento futuro. Uma escada perimetral de acesso a outros edifícios lindeiros, completava o conjunto.

O ponto de partida da concepção foi a transformação da casa em espaços multiuso a serem apropriados pela comunidade. Um dos nós do projeto foi a construção de uma quadra poliesportiva, como espaço integrador de diferentes atividades recreativas, adaptando o tabuleiro de cobertura, completado pela adição de platibanda envoltória. Como metodologia, foram criadas quatro equipes interconectadas, onde diferentes agentes atuaram simultaneamente. A equipe de desenho foi encarregada de definir o programa de usos da construção, as estratégias de intervenção e o planejamento do trabalho. A equipe de identidade definiu uma imagem que representasse o projeto, assim como seus elementos simbólicos. A equipe de atividades foi encarregada de propor um programa de eventos que aconteceriam durante e após a reforma. A equipe de comunicação foi responsável por desenvolver o trabalho de documentação em forma de um diário do trabalho.

Durante a intervenção, foram realizados análises e diagnósticos em conjunto com as quatro equipes, o que alavancou uma conversa horizontal que permitiu encontrar as necessidades básicas do projeto e obra, bem como um consenso dos objetivos comuns. As ações e soluções foram formuladas durante um processo decisório em tempo real, o que as tornou flexíveis e adaptadas ao cenário, respondendo às perguntas conjunturais e de logística. Segundo o Pico Colectivo (2017), um fator muito importante para que a execução acontecesse dentro do prazo estabelecido foi a criação de tal método de trabalho dinâmico e processual, regido pela máxima do “aprender a fazer”.

3.3 Cineteca: pontos reverberantes e replicáveis na paisagem urbana

Fig. 4: Vista externa da intervenção Cineteca. Fonte: PICO Colectivo, 2017. Disponível em: https://bit.ly/3ytKl1i. Acesso em: 19 set. 2020.

No conjunto denominado como módulos de espelhamento, a Cineteca (Figura 4) consiste em uma ocupação pública que ocorreu, em 2014, no térreo do edifício Omar Torrijos, na Avenida Bolívar, em Caracas. Contempla um equipamento para atividades lúdicas desenvolvido pelos jovens desse edifício, do gerenciamento à autoprodução. A instalação original é composta por dois armazéns com pé direito duplo, com área de 50m² cada um, que se comunicam entre si física e visualmente. O objetivo é consolidar o primeiro sistema de espaços públicos integrados e abertos à cidade para promover o encontro diário de seus moradores.

Fig. 5: Intervenção atuando como Cineteca e espaço recreativo para as crianças do edifício. Fonte: PICO Colectivo, 2017. Disponível em: https://bit.ly/3ytKl1i. Acesso em: 19 set. 2020.

A Cineteca (Figura 5) se articula em torno de duas necessidades fundamentais: a construção de um espaço para projeções audiovisuais, teatrais, de encontros comunitários e de uso variado, para substituir o pórtico de acesso ao prédio, e um playground alternativo aos convencionais, para as crianças do edifício. Seu uso, capacidade e técnicas foram organizados a partir de um sistema estrutural modular, regido por treliças simples triangulares intertravadas. Mediante esta concepção, há a possibilidade de replicação em diversas escalas e configurações, podendo ser adaptada a diferentes ambientes e usos. Para sua produção, foi realizada uma linha de trabalho baseada em quatro protocolos simples: medição, corte, montagem e pintura. Com sua simplicidade construtiva, o projeto visou se transformar em uma escola de fácil aprendizagem, que estimulasse o lazer e, principalmente, a participação ativa dos jovens que ali residem. O resultado foi uma interação da comunidade para que seus moradores pudessem se conhecer mais profundamente, como passo para o avanço em sua autonomia e reconhecimento político de consolidação neste lugar.

4 Considerações finais: a luta é contínua

Mediante quadro teórico, estudo comparativo e eleição de três projetos exemplares de circunstâncias, métodos e escalas diversos, objetivou-se compreender as formas de abordagem do PICO Colectivo em diferentes cenários, como estudo de caso que possa ter correspondência a situações análogas no universo latino-americano. Para tal, apresentou-se um projeto de prototipagem residencial em rede, idealizado e construído com a contribuição da comunidade, um núcleo cultural e esportivo, onde se encontrava uma casa de jogos de azar já deteriorada e marcada pela violência, e a concepção de um objeto replicável, com função recreativa para crianças e adultos, em forma de jogódromo ou cinema itinerante.

Da leitura de projetos que diferem entre si, depreende-se a compreensão de suas conexões devido a seus propósitos e metodologias. Deles desponta a consciência de inserção política, cuja colaboração participativa comunitária é central, e o foco não reside, necessariamente, na uniformização das técnicas, das características formais, ou dos programas. O que importa a esta arquitetura, segundo a interpretação das autoras, é que os projetos reverberem e consigo carreguem um desígnio de luta por dignidade e pelo direito à igualdade, a se refletir em espaços públicos e íntimos de qualidade, na definição de cidade como bem infraestruturado, equipado, e ambiental e sócio espacialmente justo.

Diante da recorrente segregação socioespacial e da ineficiência do Estado – que constitui um projeto – e suas diversas e perversas consequências, que alcançam a condição de crise urbana planetária (DAVIS, 2006), buscou-se debruçar-se sobre possibilidades horizontalizadas de pequena escala. Como paradigma, foram selecionadas conceituações de referências de alcance estrutural para orientar a leitura de situações palpáveis e realizadas, perante as quais o entendimento de procedimentos concretos e localizados pudessem apontar correspondências. Seu mote em comum é a esperança de maior dignidade em nosso continente. A proposição de paradigmas alternativos de enfrentamento da situação sistêmica nas periferias urbanas, por ações projetuais de participação comunitária, como hipótese de propostas conjunturais para problemas estruturais, pode ser uma das formas de resistência na afirmação de identidade dos lugares, autonomia comunitária, qualificação de espaços coletivos, indicando uma direção de ampliação das reivindicações populares pelo direito de existir.

Aposta-se em uma virada contra hegemônica de uma utopia realizável (LUZ, 2020, p. 6), baseada em uma revolução epistemológica. Com ela objetiva-se rebater as consequências do capitalismo, em direção a um sistema horizontal e igualitário, onde as especificidades não sejam excluídas, mas vistas como alternativas a problemas para os quais sempre foram dadas as mesmas soluções racionais e mercantis (SANTOS, 2018).

Examinando uma situação recorrente no continente latino-americano, este trabalho procurou compreender uma metodologia de arquitetura de integração disciplinar a camadas populares, especialmente aquelas em condição de opressão, fragilidade ou precariedade socioespacial, mediante decisões compartilhadas, unindo seus saberes sobre os territórios e sobre si mesmas à teoria e práxis dos profissionais, em um diálogo horizontal livre da arrogância colonizadora (PICO COLECTIVO, 2017). Essa ação entende que ninguém compreende melhor as dinâmicas e necessidades de um lugar do que quem o vivencia, e que este saber é imprescindível para uma arquitetura igualitária que vise contribuir positivamente para a transformação de lugares fragilizados pela linha abissal que polariza a sociedade capitalista. Este fator é agravado nos territórios submetidos à hegemonia mundializada, entendidos, a partir de Santos (2018), como Sul Global. Processos e ações dessa natureza podem ser considerados um projeto pedagógico, socialmente necessário e definidor da função social da arquitetura e do urbanismo como disciplinas e profissão, nos moldes preconizados por Freire (1982).

Tais projetos, conjunturais para ter poder de tocar o âmbito estrutural e eventualmente apontar transformações de maior amplitude, devem estar ligados a ações políticas, fomentando formas organizadas de processos de apropriação, formação cívica e, no limite, constituir instrumental para reivindicação de direitos perante a experimentação vivencial, atingindo o estatuto de compreensão conceitual. A população oprimida necessita tomar consciência de classe e alcançar a teoria de suas práticas como metodologia, para planejar sua ação de tomada de liberdade e autonomia. Permanecendo apenas em teoria, tamanhos esforços podem se reduzir a pensamentos abstratos e, por oposição, a práxis mal fundamentada pode não resultar em ações transformadoras, onde a arquitetura e urbanismo deve estar inexoravelmente compromissada em constituir contribuições importantes.

Paralelos poderiam ser tecidos com respeito a contradições entre localismo e iniciativas individualizadas, recorrentes desde os anos 1990, depois capturados pelos discursos neoliberais, em que soa a consequente desvalorização do Estado ou sua substituição pura e simples por estes processos pulverizados. A permanência destas ações nos parece, contudo, mais atuar no campo da resistência e da intenção de formar quadros comunitários capazes de conscientização e luta por seus direitos, e menos no aceite em incorporar para si funções eminentemente de responsabilidade pública. O fio da navalha entre a acomodação à desvalia, a resolução de urgências, a ação no presente e o processo de luta por igualdade, autonomia e emancipação segue em curso. Consideramos que o caso do PICO Colectivo segue nesta direção.

Na aceleração do mundo capitalista e racionalizado instrumental – em busca de sucesso, eficiência e acumulação –, olvida-se de olhar para os lados com respeito e empatia, primordiais para a construção de uma sociedade mais horizontal e justa, o que deve ser premissa fundamental para o campo da arquitetura e do urbanismo. Esta nos parece ser a configuração do PICO Colectivo como exemplaridade. De outra sorte, mediante o status quo profissional, corre-se o risco recorrente de que resistências possam ser esmagadas pela ideologia hegemônica que as faça acreditar que nada podem fazer para mudar essa situação (KOWARICK, 1983; FREIRE, 1982). E assim continuamos. Este trabalho pretende um esforço de entendimento ao revés, na contracorrente.

Referencias

AMAYA, C. A. Desarrollo histórico del sistema urbano venezolano: modelos de organización. Revista Geográfica Venezolana, Mérida, Venezuela, v. 40, n. 2, p. 167-199, 1999.

DIO, H. P. Venezuela: the most violent slum in the world. Large Movements: storie di esseri umani, 18, jan. 2021. Disponível em: https://migrazioniontheroad.largemovements.it/petare-venezuela-slum/. Acesso em: 21 maio 2021.

DAVIS, M. Planeta Favela. São Paulo: Boitempo, 2006.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 11. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

FURTADO, C. Ensaios sobre a Venezuela: subdesenvolvimento com abundância de divisas. Rio de Janeiro: Contraponto/ Centro Internacional Celso Furtado, 2008.

GORELIK, A. A produção da “cidade latino-americana”. Tempo Social Revista de Sociologia da USP, São Paulo, v. 17, n. 1, p. 111-133, 2005.

HARNECKER, M. Os desafios da esquerda latino-americana. São Paulo: Expressão Popular, 2019.

HIRAO, F. H. As questões habitacional e urbana na Venezuela Contemporânea, 2015. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

KOWARICK, L. A espoliação urbana. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

LÓPEZ MAYA, M. La crisis del chavismo en la Venezuela actual. Cidade do México: Estudios Latinoamericanos, Nueva Época, [S. l.], n. 38, p. 159- 185, out. 2016.

LUZ, V. S. Cultura, técnica e política: fronteiras contemporâneas de resistência perante fragilidades socioespaciais e ambientais, 2020. Projeto de Pesquisa. Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas, 2020. Mimeografado.

MARICATO, E. As ideias fora do lugar e o lugar fora das ideias: planejamento urbano no Brasil. In: ARANTES, O., VAINER, C., MARICATO, E. A cidade do pensamento único: desmanchando consensos. Petrópolis: Vozes, 2000. p. 121-193.

MARINGONI, G. A revolução venezuelana. São Paulo: Editora Unesp, 2009.

MIOTO, B. T. As políticas habitacionais no subdesenvolvimento: os casos do Brasil, Colômbia, México e Venezuela (1980/ 2013), 2015. Tese (Doutorado em Economia) - Instituto de Economia, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2015.

OLIVEIRA, F. A economia brasileira: crítica à razão dualista. Estudos CEBRAP, Seleções CEBRAP 1 - Questionando a Economia Brasileira. São Paulo: Editora Brasiliense/CEBRAP, 1975.

PICO COLECTIVO. Proyecto de interés comunal: infraestructuras de empoderamiento social: contextos emergentes en Venezuela. Caracas, Venezuela, jul. 2017. Disponível em: https://picocolectivo.org.ve/. Acesso em: 12 jul. 2019. Versão de prova.

ROLNIK, R. A cidade e a lei: legislação, política e territórios na cidade de São Paulo. São Paulo: Studio Nobel/FAPESP, 1997.

SANTOS, B. S. Construindo as epistemologias do sul: antologia essencial. Para um pensamento alternativo de alternativas. Buenos Aires: CLACSO, v. II, 2018.

SANTOS, F. L. B. Uma história da onda progressista sul-americana (1998- 2016). 2a. ed. São Paulo: Editora Elefante, 2019.

SANT’ANNA, M. T. Alternativas projetuais para fragilidades socioespaciais e ambientais na América Latina: estudo de caso PICO Colectivo, Venezuela. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) - Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo. Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Campinas, 2021.

VALENCIA, N. Venezuelan urban acupuncture: Spaces of Peace by PICO Estudio. The Architectural Review, Essays, 9 set. 2015. Disponível em: https://www.architectural-review.com/essays/venezuelan-urban-acupuncture-spaces-of-peace-by-pico-estudio/8686647.article. Acesso em: 30 mar. 2019.

VILLAÇA, F. Espaço intra-urbano no Brasil. São Paulo: Studio Nobel/Fapesp; Harrisburg/Pensilvânia: Lincoln Institute, 2001.

1 O artigo deriva de Dissertação de Mestrado de Mariana Tealdi Sant’Anna, orientada pela coautora, aprovada em fevereiro de 2021 e homologada em março de 2021, no Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Brasil (SANT’ANNA, 2021). O presente trabalho foi realizado com apoio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - Brasil (CAPES) - Código de Financiamento 001.

2 Segundo López Maya (2016, p. 168, tradução nossa), “a doença holandesa é conhecida como uma enfermidade que ocorre nas economias nacionais devido aos efeitos de uma entrada massiva de divisas (dólares), que geralmente provém do pagamento de uma matéria-prima no mercado internacional, como petróleo, cobre ou gás natural. Essa entrada leva a uma sobrevalorização da moeda que, se não freada, arruína o aparato produtivo, principalmente o industrial.” Do original em espanhol: “Se conoce como enfermedad holandesa un mal que ocurre en economías nacionales por los efectos de una entrada masiva de divisas (dólares), que suelen provenir del pago una materia prima en el mercado internacional como petróleo, cobre o el gas natural. Esta entrada acarrea una sobrevaluación de la moneda que, si no frena, va arruinando el aparato productivo, sobre todo el industrial.”.

PICO Colectivo as a project methodology in fragile territories

Mariana Sant'Anna, Vera Luz

Mariana Tealdi Sant'Anna has a degree in Architecture and Urbanism and is a Master's student in Urbanism at the Postgraduate Program in Architecture and Urbanism at the Catholic University of Campinas, Brazil. She is a member of the Urban-Regional Strategy Design Laboratory at the same institution. Its research topics are participatory design, socio-spatial and environmental weaknesses, belonging, and PICO Colectivo. mari.tealdi@gmail.com http://lattes.cnpq.br/4528252278208162

Vera Santana Luz has a degree in Architecture and Urbanism and a Ph.D. in Architecture and Urbanism. She is a professor and researcher at the Postgraduate Program in Architecture and Urbanism at the Catholic University of Campinas, where she conducts research on the themes of architecture, urbanism, the environment, sustainability and nature-based solutions, and territories with socio-spatial and environmental weaknesses. veraluz@puc-campinas.edu.br http://lattes.cnpq.br/2708934593900531


How to quote this text: SANT'ANNA, M. T.; LUZ, V., 2021. PICO Colectivo as a project methodology in fragile territories.Translated from Portuguese by Vera Santana Luz and Gustavo C. da Mota. V!RUS, 22, July. [online] Available at: <http://www.nomads.usp.br/virus/virus22/?sec=7&item=1&lang=en>. [Accessed: 28 September 2022].

ARTICLE SUBMITTED ON MARCH, 7, 2021


Abstract

Through the analysis of three case studies, this article aims to discuss methodological and design solutions as an alternative to the phenomenon of socio-spatial segregation, perceived mainly in dependent countries of Latin America. The continent has a history rooted in colonialism and inequality, sharing similarities and differing in socio-territorial aspects. PICO Colectivo, a Venezuelan multidisciplinary architectural collective, operates in fragile territories, especially in its country, for which it aims to recognize the specificities of Venezuela as a systemic situation. This case study has been conceived in dialectics through the interpretation of theoretical references and critical investigations of the collective’s performance. The results include the initial acknowledgement of possible outcomes for other dependent South American countries as an analogy to the event of socio-spatial segregation. The investigation of the principles of the collective, its organizational processes, social insertion, and project methodologies aims to craft an inventory of guidelines that consider the variables of other countries and territories in the Global South to suggest hypotheses of replicability in them, intending to reflect on the role of architecture and urbanism as agents in a segmented society to overcome actions instrumented by the hegemonic system of capital accumulation. We investigate possibilities for such an investment-reliant profession and discipline in finding alternatives in method, design and technique that can promote transformations with their insertion in territories and ponder on the ensuing structural and political changes.

Palavras-chave: Latin America, PICO Colectivo, Participatory project, Place, Right to the city



1 An introduction: searching for possibilities in architecture for the autonomy of communities

This article is linked to a research1 that investigated, in a dialectical way, methods of a multidisciplinary architecture collective to propose solutions and its commitment to the territory in which it operates, such as participatory actions. Through the selection of projects based on the investigation of the methodologies defined by the collective, we intend to establish critical analysis and explore their effects as an instance of resistance to socio-spatial segregation in Latin American dependent countries2. We have taken this approach with theoretical bases premised by several authors whose principles revolve around autonomy and counter-hegemonic emancipation in situations of dependency and subordination, which has recently been defined as the Global South due to the advent of a global economy.

Based on this localized case study, we intend to consider its systemic conditions and correspondences for the reflection on structural problems of urbanization processes in dependent, peripheral territories and mainly Latin America, in which unassisted regions reveal their precariousness and exclusion through socio-spatial stratification. We consider that certain aspects are constant in all of them, given the colonial history and the global structure that have shaped the Latin American countries, even when contemplating different socio-territorial characteristics. Discussions about recent progressive waves point towards a crossroad between autonomies of culture and civilization on one hand, and subservience to the capital on the other; these come to be the foundations for national projects. In such projects, the most unfavorable limits of adhesion are executed, as capital and the State form plundering alliances for the overexploitation of work and the overexploitation of natural resources, where the income from urban land is an instrument of accumulation and power as in per the works of Santos (2019) and Harnecker (2019).

From an observation point that starts at Brazilian conditions – that is, from our point of view, our daily experience, and within the context of our actions –, we have attempted to focus on Venezuelan circumstances as a strategy of approach through local visages, and territorial awareness. We believe that the contextualization of a relatively particular phenomenon in its smallest details can demonstrate the reverberations and simultaneities of purposes between our Latin American territories, whether by summation, establishment of networks, exchange of experiences, or the systematization of common or contrasting conditions, as one more step towards the assertion of a Latin American identity. Such tension of method and concept does not aim to reach dilutive generalization, but to indicate similarities, without the pretension of being final. It seems fertile to us as an approach to make our foreign, Brazilian point of view explicit in order to detect correspondences.

The main references to which we resort from a conceptual point of view are Freire (1982) and Santos (2018), both authors of planetary recognition and very up to date. Freire, as a pioneer of anti-oppression by autonomy through education, whose precepts remain inspiring and necessary to keep the discussion alive, and Santos, who states the Epistemologies of the South are an alternative to colonialism and capitalism. We have contrasted classic references related to the Brazilian urban context, which we believe are seen all over the continent given the constancy of the processes already mentioned, with studies on urbanization in Venezuela, in its political, economic, and socio-territorial conditions. By the hypothesis of this globalized state of the art, we have expected to confirm the chances of immediate autonomy that can generate resistance and powerful insurgencies built in a hegemonic way to face the status quo. Based on the case study of the PICO (Proyecto de Interés Comunal, in the acronym in Spanish) collective, its principles, methodologies, and social praxis, the intention is to understand this experience as one of the possible universes for architecture in the systemic condition of precarious urbanization in Latin American countries.

The PICO Colectivo is a Venezuelan collective of architecture that defines itself as a structure for political and territorial action. They invest in the development of strategies and operations of infrastructure – the architectural project is part of this notion – in environments where socio-spatial precariousness and urban conflicts occur. Founded in 2011, it seeks to bring up the debate on the role of architecture and how this discipline can be an alternative to the State's neglect in fragile areas of the city.

Questions such as "What types of negotiations can be implemented in the neighborhood?", "How are they produced?", "How are they paid for?", "How are they maintained over time?", are kept away from popular participation. Resolving this paradox involves, according to the Collective, promoting new productive relationships that refute the dominant, pre-established coexistence agreement to constitute a complex network of multiple complementary associations based on cooperation and social engagement (Pico Colectivo, 2017).

2 Socio-spatial segregation in Venezuela as a Latin American example

Initially, we present considerations on structuring factors that determine the current situation of the Bolivarian Republic of Venezuela, which may indicate parallels in the Latin American universe as a territory marked by neocolonialism and dependence. The Venezuelan socio-political structure has undergone through several phases, fluctuating between hope and of harsh military and dictatorial repressions, a dichotomy that can be seen even in speeches by its most significant leader, Hugo Chávez, in two different periods. In 1998, in his first victory through elections, the leader defended a government that was neither socialist, nor capitalist, similar to Tony Blair’s British government, as if it were a humanist hypothesis. Ten years later, with the concrete experience of a trajectory of ambiguities, full of opposition and coup attempts, Chávez reformulated his speech and started to defend the creation of a socialist path for the country because, he argued, only so Venezuela would achieve its freedom (Santos, 2019, p. 23).

According to Fabio Luis Barbosa dos Santos (2019), the election of Hugo Chávez in 1998 marked the first victory of a candidate who was effectively opposed to neoliberal policies in the recent past of Latin America. To properly analyse the situation of the country when he was elected, it is important to consider a determining feature of the Venezuelan economy: oil. By 1920, Venezuela had already become the largest oil producer in the world. For the delight of the dominant elites, such prosperity had made the Bolivarian homeland into an extractive economy and an importer of industrialized goods. Celso Furtado defined this condition as “underdevelopment with an abundance of foreign exchange” (Furtado, 2008). The appreciation of the bolívar by the so-called Dutch disease3 raised the price of exportable agricultural products, leading the country to become a food importer. In turn, that triggered the migration of population to urban centres and, consequently, the massive decrease in productive activities (Maringoni, 2009; Santos, 2019). As Mioto (2015) states, the Venezuelan economy benefited from the increase in oil prices and invested in real estate. However, deficits in current transactions along with neoliberal adjustments implemented by the State due to international capital have led the country to an ever-increasing external debt and aggravated the urban poverty situation. Alarming statistics show that, in 1980, the percentage of the population living in extreme poverty was 25%. In 1991, the country's urban poverty reached the 85% mark, 35% of which was poverty and 50% of critical poverty.

Venezuela has increased its urbanization level concurrently to the decrease in its population growth rates. The deepening of social inequality between the 1980’s and 1990’s occurred in a territory that was facing deindustrialization over an already weak industrialized foundation, further affecting urban unemployment (Mioto, 2015). In the case of Caracas, such inequality was observed mainly in the tertiary sector, which had its heterogeneous characteristics expanded. Amaya (1999) mentions two consequences of that process: the first one concerns the geographical distribution of economic hubs, as the second relates to the geographical segregation of the population. According to Hirao (2015), Caracas has become a hub for companies associated with international capitalism, taking on various functions within the hierarchy of global cities, such as academic research. The implementation of new centralities in the east side of the city contributed to the fragmentation of the capital's urban area: a global business center was established along the port areas due to the country's new links with the global economy and the needs of national and international capital. The structuring of cities according to the market was a phenomenon that became common in the whole Latin America during the conurbation processes (Hirao, 2015).

Gorelik (2005) argues that the Latin American city could be thought of as a cycle that ranges from the optimism of modernization to its critical and radical inversion: the stage of inequality and socio-spatial fragmentation. We can already infer that the phenomenon of accelerated urbanization in dependent countries, observed especially since the post-war period, occurred largely due to the pressure of the capitalist process in the outskirts. Circumstances of late and incomplete industrialization ignited the explosion of large urban centres, where the State was not able to constitute sufficient instruments for the provision of housing, infrastructure, and urban quality for the populations expelled from the countryside and newcomers to the cities. We can observe the constancy of this phenomenon of dependence and exclusion — even within the specific characteristics of each country — in the vast literature that deals with the Brazilian case (Maricato, 2000; Rolnik, 1997; Kowarick, 1983; Villaça, 2001), in opposition to the dualist vision predicted by Economic Commission for Latin America and the Caribbean (ECLAC) in the 1970’s in the pioneering essay by Francisco de Oliveira (1975).

According to Villaça (2001) and Rolnik (1997), that process creates landscapes with different levels of privileges and, consequently, of market values according to their location. Thus, the outskirts can be roughly defined as spaces of exclusion and irregularity that refer to multiple spatial configurations. As Kowarick (1983) states in his analysis of the Brazilian case, the expulsion of contingents of population from the countryside and the quantitative increase in urban labour results in a crescent pressure for popular housing paired with the appreciation of the value of lands closer to factories. Throughout history, the expenses on housing are transferred from the factories to the workers, and the burden of infrastructure is left to the State. Workers' villages gradually disappear, and housing becomes a negotiation to be solved by economic relations established in the real estate market, where wages were not enough for the reproduction of the labour force itself, especially regarding the provision of adequate housing.

In this original context, despite the existence of welfare programs, there is a constant insufficiency and confrontation — in which Harnecker (2019) identifies three factors drawn from the argument of the crisis of the left: the lack of self-thinking, the lack of study on socialism, and the lack of study on capitalism. The author states that the progressive left in Latin America has looked at its territory through European lenses, by not studying the successes achieved by socialism, and to a lesser extent, its defeats.

3 PICO Colectivo: a feasible utopia?

Considering the discussion about the clash of forces in which modern society resides, the collective has concluded that a democracy based on the political representation model does not allow their insertion. They promote the imminent challenge of transforming the hierarchical structure of the State and the constitution of a horizontal system of power originated from countless local groups capable of managing their own environment (Pico Colectivo, 2017). According to Valencia (2015, p. 1, our translation), “Similarly to a great part of Latin America, Venezuela has been a fertile ground for the emergence of young architectural collectives committed to joining forces, maintaining autonomy, bolstering their own voice, and, above all, social focusing”. PICO Colectivo is among those collectives — whose founding members graduated ten years after the Venezuelan revolution — with the principle of questioning the role of the architect in society through participatory projects. In its own publication (Pico Colectivo, 2017), the collective presents its work processes, highlighting concerns with territory, communities, and the social and constructive techniques used.

Therefore, the purpose of architecture according to the collective would be the promotion of interceding actions capable of merging technical knowledge with popular experience. This integration aims to hybridize the reasoning and strategies related to the decision-making and the necessary actions to conduct meaningful transformations that modify the exclusive character of the structuring of shared actions. By doing that, architects will get involved in common problems and assume a position of shared co-leadership, working as design technicians along with their status as citizens in social relations, as well as collaborating in political dialogue with state institutions. The premises indicate that the architect questions the models of engagement by market competition and its mechanisms for the project’s insertion, understanding that each problem in a community presents an opportunity to execute and trigger other processes directly connected to real popular demands.

For the collective, architecture is not an end but a support for processes that go beyond infrastructure itself, projecting the discipline as a science capable of building and addressing programmatic and cultural potentials and promoting intense social relations. It is only under such conditions of transversality that it would be possible for architects to become true agents of transformation (Pico Colectivo, 2017). Regarding the approach towards the community, Marcos Coronel, one of the founders of PICO, clarifies in a direct testimony via e-mail to the authors that all the projects are a product of years of persistent struggle alongside communities which long before the project had already developed their own plan, dealt with precise diagnoses, and identified their workforce. As for the constructed spaces, they are the result of an intense process that precedes concrete intervention. Architects divide their work into three categories: Territorial Structures, Platforms of Collective Development, and Functional Devices.

Defined by the collective as political strategies, Territorial Structures aim at elaborating management protocols based on systems of networks, fabrics, and cooperation, promoting physical and social transformation operations in socially complex territories based on precise actions that seek to gradually irradiate to a broader scope. They incorporate principles of non-hegemonic organization in which morphology, the programmatic demand or the constructive technique used varies according to the context. These are small systemic operations that direct attention to local communities, looking for actions with clear objectives, low friction, immediate results, and the encouragement of new motivations. They pursue answers to the real demands of the community and territory, where new coexistence relationships are woven through the reconstruction of infrastructure in places indicated by the residents (Pico Colectivo, 2017).

The second category, Platforms of Collective Development, nicknamed “subversive microeconomies”, consists of operation pillars that aim to establish and strengthen cultural and sports programs in popular settlements and areas of urban conflict. Those interventions intend to provide spaces of support for community activities with great participation of community groups and social movements in the choice of programs, places where they can be implemented, and their execution. Unlike Territorial Structures, this category does not recommend serialization, which allows for isolated projects in different scenarios. The third category, Functional Devices, brings together projects featured as preset solutions for specific problems. The set of such devices forms a primer of applicable elements as a basis from which they can be reinterpreted according to the conditions in each reality with optional participation of the community in the process of implementing the construction.

Figure 1: Interventions by PICO Colectivo in Venezuela. Source: Google Earth map with authors' notes, 2021.

Picture 1 presents a map of PICO Colectivo’s interventions in Venezuela. Most of them are located in areas of great declivity, on slopes of the Andes Mountains. The map also shows their northern spread, in areas at risk prone to natural disasters, segregated communities, underprivileged neighbourhoods, and slums. We examine some of these experiences below.

3.1 Productive Housing of the Neighborhood: architecture and urbanism into a single model

Configured as different prototypes of habitable units to be built at the outskirts of the formal city, they consist in the creation of replicable models of domestic infrastructure that merge the environments of habitation units according to programmatic features for each case. They encompass productive activities on family scale, respecting the agricultural characteristics in the neighborhood, such as vegetable gardens and orchards in-between houses or on free patios. The strategy of the program is to engender focal transformation points that generate an enhanced residential network, such as cooperative spaces and areas for production. The system foresees procedures and technologies already known to the community, and mixes them with industrial solutions, uniting popular knowledge to proper technical professionals. Each of the fifteen prototypes has undergone a review process carried out along with the community before its construction — a horizontal dialogue — to define what would be implemented in set locations in the future.

The pilot neighborhood was interpreted as a large ecosystem that incorporates three dimensions: environment, society, and territory. In the environmental dimension, the natural qualities of the site designated for the implementations were reported and led to a dossier focused on a detailed understanding of soil geology, existing topography, vegetation types, and microclimate aspects. Based on that environmental study, a comparison of possible sustainable energy sources was carried out with the intention of covering services not provided by the State as well as the hypothesis of collective gardens in family farms, common areas, or around river streams. The social dimension consisted in community organization, substantiated by the creation of spaces for collective participation such as dining rooms, technical rooms, and places for the discussion of political and cultural agendas. The objective was to unite the technical-professional dimension to the strength of the population involved through agreements and work chains characterized by horizontal exchanges of information and public discussion.

Figure 2: Residential prototypes made by the collective for the pilot neighborhood. Source: PICO Colectivo, 2017. Available at: https://bit.ly/3ytKl1i. Accessed 19 September 2020.

Considering each territorial dimension, they produced a micro-scale urban plan aiming to reorganize physical territory through the redefinition of public areas for socializing, access, and security routes under high voltage cables. The plan proposed unification among neighborhood sectors to dissolve their limits so that the population could build pacts whose focus would be guided by relations of coexistence and solidarity. Part of the prototype system of the Productive Housing of the Neighborhood program, as shown in Figure 2, follows the precepts of housing typologies connected to a network of solutions to manage strategies in an emerging rural ecosystem. It offers a view centered on the development of new ways of living in rural-urban contexts while stating the assertive possibility of exploring models that distance themselves from those prefigured in the formal city (Pico Colectivo, 2017).

3.2 La Ye Cultural Center: social catalyst from within

Figure 3: View of the Petare neighborhood. In the center, the La Ye Cultural Center project. Source: PICO Colectivo, 2017. Available at: https://bit.ly/3ytKl1i. Accessed 19 September 2020.

The La Ye Cultural Center (Figure 3) is in Petare, a slum located in the metropolitan region of Caracas, Venezuela, considered the largest shanty town in the country with approximately 369,000 inhabitants (Dio, 2021). The project is characterized as a self-managed community environment attended by young people from the neighborhood. The building that once had been in precarious conditions was recovered and became a space for sports and cultural use. Imagined as a hybrid microorganism of alternative economies — a fact that highlights its pre-existence — La Ye has its values based on the conduction of atypical activities in a restructured unoccupied construction: an old, man-made house, which had been used as a betting place and liquor store. It was previously considered a vulnerable and inappropriate place for community gathering. On the ground floor, with an area of 120m², there were several segregated rooms, separated by a corridor that lacked lighting and natural ventilation. On the roof, there were rebars exposed as part of a never-fulfilling plan to expand into future flooring. Finally, a staircase on the perimeter allowed access to neighbouring buildings.

The starting point of the program was the transformation of the house into multipurpose spaces to be used by the community. One of the steps of the project was the construction of a multisport court as an integrating space for different recreational activities, adapting the covering board and finishing it with the addition of a wraparound plateau. Four interconnected teams were created as per methodology, and its different agents acted simultaneously: the design team was tasked with defining the program of usage of the construction, strategies of intervention and work planning; the identity team would set a picture that represented the project, as well as its symbolic elements; the activities team was tasked with proposing a program of events that would take place during and after the renovation; the communication team was responsible for developing the documentation work in the form of a work diary.

During the intervention, the four teams made together the analysis and diagnostics, which led to a horizontal conversation that made it possible to find the basic needs of the work and project and a consensus about common objectives. Actions and solutions were formulated through decision-making processes in real-time, which made them more flexible and adapted to the scenario, attending to questions of conjuncture and logistics. According to Pico Colectivo (2017), an especially important factor for the execution in the established deadline was the creation of such a dynamic and procedural method of work, headed by the main principle of “learning how to do”.

3.3 Cineteca: reverberating and replicable features for urban landscape

Figure 4: External view of the Cineteca intervention. Source: PICO Colectivo, 2017. Available at: https://bit.ly/3ytKl1i. Accessed 19 September 2020.

In the kit labelled as modules for reflection, Cineteca (Figure 4) comprises a public occupation that took place in 2014 on the ground floor of the Omar Torrijos building, at Avenida Bolívar in Caracas. It includes equipment for recreational activities from management to self-production developed by young people. The primary installation consists of two warehouses with double height, with an area of 50m² each, which communicate visually and physically with one another. The objective is to consolidate the first system of integrated and open public spaces for the city to promote the daily meeting of its dwellers.

Figure 5: Intervention acting as Cineteca and recreational space for resident children. Source: PICO Colectivo, 2017. Available at: https://bit.ly/3ytKl1i. Accessed 19 September 2020.

Cineteca (Figure 5) revolves around two fundamental needs: the construction of a space for audio-visual and theatrical projections, community meetings, and various uses, replacing the access porch of the building, and an alternative playground to the conventional ones for the resident children. Its use, capacity, and techniques were organized based on a modular structural system, guided by simple interlocking triangular trusses. That concept permits easy replication in different scales and configurations and can be adapted to different environments and uses. For its production, a production line was put in place based on four simple protocols: measurement, cutting, assembly, and painting. Due to its constructive simplicity, the project aimed to become an easy-to-learn school focused on the stimulation of leisure and mainly the active participation of young people who live there. The result was the community interaction so that its residents could get acquainted with each other more, a step towards advancing their autonomy and consolidating their political recognition in the place.

4 Final considerations: a continuous struggle

Our objective was to understand the approaches of PICO Colectivo in different scenarios through a theoretical framework, comparative studies, and the election of three sample projects of different circumstances, methods, and scales, as a case study that may correspond to analogous situations in Latin American universes. For that end, we have presented a project of networked, residential prototyping, which was conceived and built with the community; a cultural and sports center, previously an old gambling house that had already been deteriorated and marked by violence; and the design of a replicable object, with recreational usage for children and adults as a playplace or a mobile movie theater.

By observing projects that differ from each other a deeper understanding of their connections comes about due to their purposes and methodologies. The awareness of political insertion ends up emerging from them and requires the definite participatory collaboration of the community. The focus does not necessarily lie on standardization of techniques, formal characteristics, or programs. Our interpretation guides us to state that the importance of such architecture resides in projects that can reverberate and carry designs of a constant struggle for dignity and the right to equality. Those will reflect on good public and intimate spaces leading to the definition of the city as an infrastructured, equipped, environmentally, and socio-spatially fair property.

In view of the recurring socio-spatial segregation and the inefficiency of the State — which is a deliberate project — and its diverse and perverse consequences, which reach conditions of a planetary urban crisis (Davis, 2006), we sought to focus on small-scale horizontal possibilities. As a paradigm, we selected conceptualizations of structural scope references to guide the analysis of tangible and accomplished situations that could point out correlations due to the understanding of concrete and localized procedures. Their common motto is the hope for greater dignity in our continent. One of the ways resistance can happen is through the proposition of alternative paradigms to face the systemic situation in urban outskirts through projects of community participation as a hypothesis of proposals of conjuncture for structural problems. They all help to set the identity of places, the autonomy of a community, the qualification of collective spaces, and indicate an expansion of popular claims for the right to exist.

We bet on a counter-hegemonic overturn towards a feasible utopia (Luz, 2020, p. 6) based on an epistemological revolution. Its objective is to refute the consequences of capitalism and march in the direction of a horizontal and egalitarian system, where specificities are not excluded but seen as alternatives to problems for which the same rational and market solutions have always been given (Santos, 2018).

By examining a recurrent situation in the Latin American continent, this work has sought to perceive an architecture methodology of disciplinary integration to popular strata, especially those in conditions of oppression, fragility, or socio-spatial precariousness, through shared decisions, tying their knowledge about the territories and themselves to professional theory and praxis in a horizontal dialogue free from colonizing arrogance (Pico Colectivo, 2017). This action reveals that nobody knows the dynamics and needs of a place better than those who experience it, and that such knowledge is essential for an egalitarian architecture that aims to contribute positively to the transformation of places weakened by the abyssal line that polarizes capitalist society. That factor is aggravated in the territories submitted to globalized hegemony, understood, as from Santos (2018), as the Global South. Processes and actions of this nature can be considered as a pedagogical project, socially necessary and defining the social function of architecture and urbanism as disciplines and profession, along the lines recommended by Freire (1982).

TProjects of conjuncture such as those presented here must be attached to political actions that foster organized forms of appropriation processes, civic formation, and constituting instruments for claiming rights towards social experience living, reaching the status of conceptual understanding to be able to touch on the structural scope and eventually point out transformations of greater amplitude. The oppressed population needs to become class conscious and reach the theory of their practices as a methodology to plan their action to claim freedom and autonomy. While resting only in theory, such efforts can be reduced to abstract thoughts and, in contrast, poorly grounded praxis may not result in transformative actions, to which architecture and urbanism must be inexorably committed to making important contributions.

Parallels could be woven regarding contradictions between localism and individualized initiatives, recurring since the 1990s and later grasped by neoliberal discourses, in which the consequent devaluation of the State or its pure and simple substitution by these pulverized processes echoes. The permanence of those actions, however, seems to us to act more in the field of resistance and the intention to form community staff capable of raising awareness and fighting for their rights and less accepting to incorporate eminently public functions of responsibilities. The fine line between the set of accommodation to worthlessness, solving emergencies, action in the present and the group of processes of fighting for equality, autonomy and emancipation goes on. We believe that the PICO Colectivo case follows that direction.

In the acceleration of the capitalist, rationalized instrumental world – in search of success, efficiency, and accumulation –, we forget to look to all ranges around us with respect and empathy, essential perks for the construction of a more horizontal and fair society, which must be a fundamental premise for the field of architecture and urbanism. This seems to us to be the configuration of PICO Colectivo as an example. Otherwise, due to the professional status quo, there is a recurring risk that resistances may be crushed by the hegemonic ideology that makes them believe that they can do nothing to change that situation (Kowarick, 1983; Freire, 1982). And so, we go on, offering an effort of understanding in a reverse direction.

References

AMAYA, C. A. Desarrollo histórico del sistema urbano venezolano: modelos de organización. Revista Geográfica Venezolana, Mérida, Venezuela, v. 40, n. 2, p. 167-199, 1999.

DIO, H. P. Venezuela: the most violent slum in the world. Large Movements: storie di esseri umani, 18, jan. 2021. Disponível em: https://migrazioniontheroad.largemovements.it/petare-venezuela-slum/. Acesso em: 21 maio 2021.

Amaya, C. A., 1999. Desarrollo histórico del sistema urbano venezolano: modelos de organización. Revista Geográfica Venezolana, 40(2), pp. 167-199.

Dio, H., 2021. Petare, Venezuela: the most violent slum in the world. Large Movements: storie di esseri umani, [online]. Available at: https://migrazioniontheroad.largemovements.it/petare-venezuela-slum/. Accessed 21 May 2021.

Davis, M., 2006. Planeta Favela. São Paulo: Boitempo.

Freire, P., 1982. Pedagogia do oprimido. 11th ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Furtado, C., 2008. Ensaios sobre a Venezuela: subdesenvolvimento com abundância de divisas. Rio de Janeiro: Contraponto in association with Centro Internacional Celso Furtado.

Gorelik, A., 2005. A produção da “cidade latino-americana”. Tempo Social Revista de Sociologia da USP, São Paulo, 17(1), pp. 111-133.

Harnecker, M., 2019. Os desafios da esquerda latino-americana. São Paulo: Expressão Popular.

Hirao, F. H., 2015. As questões habitacional e urbana na Venezuela contemporânea. Master thesis. Faculty of Architecture and Urbanism, University of São Paulo.

Kowarick, L., 1983. A espoliação urbana. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

López Maya, M., 2016. La crisis del chavismo en la Venezuela actual. Estudios Latinoamericanos, Nueva Época, 1(38), pp. 159-185.

Luz, V. S., 2020. Cultura, técnica e política: fronteiras contemporâneas de resistência perante fragilidades socioespaciais e ambientais. Research Project. Architecture and Urbanism Postgraduate Program, Pontifical University of Campinas.

Maricato, E., 2000. As ideias fora do lugar e o lugar fora das idéias: planejamento urbano no Brasil. In: Arantes, O., Vainer, C., and Maricato, E., eds. A cidade do pensamento único: desmanchando consensos. Petrópolis: Vozes, pp. 121-193.

Maringoni, G., 2009. A revolução venezuelana. São Paulo: Editora Unesp.

Mioto, B. T., 2015. As políticas habitacionais no subdesenvolvimento: os casos do Brasil, Colômbia, México e Venezuela (1980/2013). PhD thesis. Economy Institute, State University of Campinas,

Oliveira, F., 1975. A economia brasileira: crítica à razão dualista. In: Estudos CEBRAP, Seleções CEBRAP 1 – Questionando a Economia Brasileira. São Paulo: Editora Brasiliense, CEBRAP.

PICO Colectivo, 2017. Proyecto de interés comunal: infraestructuras de empoderamiento social: contextos emergentes en Venezuela. [online] Available at: https://picocolectivo.org.ve/. Accessed 12 July 2019.

Rolnik, R., 1997. A cidade e a lei: legislação, política e territórios na cidade de São Paulo. São Paulo: Studio Nobel, FAPESP.

Santos, B. S., 2018. Construindo as epistemologias do sul: antologia essencial. Para um pensamento alternativo de alternativas, Volume I. Buenos Aires: CLACSO.

Santos, F. L. B., 2019. Uma história da onda progressista sul-americana (1998- 2016). 2nd ed. São Paulo: Editora Elefante.

Sant’Anna, M. T., 2021. Alternativas projetuais para fragilidades socioespaciais e ambientais na América Latina: estudo de caso PICO Colectivo, Venezuela. Master thesis. Architecture and Urbanism Postgraduate Program, Pontifical University of Campinas.

Valencia, N., 2015. Venezuelan urban acupuncture: Spaces of Peace by PICO Estudio. The Architectural Review, Essays, [online]. Available at: https://www.architectural-review.com/essays/venezuelan-urban-acupuncture-spaces-of-peace-by-pico-estudio/8686647.article. Accessed 30 March 2019.

VILLAÇA, F., 2001. Espaço intra-urbano no Brasil. São Paulo, Harrisburg, Pennsylvania: Studio Nobel in association with Fapesp, Lincoln Institute.

1 Article from the Mariana Tealdi Sant’Anna’s Master thesis, supervised by the co-author, approved in February 2021, and ratified in March 2021, at the Architecture and Urbanism Postgraduate Program of Pontifical Catholic University of Campinas, Brazil (Sant’Anna, 2021). This study was financed in part by the Coordination for the Improvement of Higher Education Personnel - Brazil (CAPES) - Finance Code 001.

2 SThe term dependent countries sound to us as the most suitable to use, considering that the definition of underdeveloped or emergent countries presupposes the hegemony of industrialized countries viewed as central to those in the periphery of capitalism as an economic and geopolitical system.

3 According to López Maya (2016, p. 168, our translation), “the Dutch disease is known as a disease that occurs in national economies because of a massive inflow of foreign exchange (dollars), which usually comes from the payment of raw materials in the international market, such as oil, copper or natural gas. This entry leads to an overvaluation of the currency that, if not stopped, ruins the productive apparatus, especially the industrial one. From the original in Spanish: “Se conoce como enfermedad holandesa un mal que ocurre en economías nacionales por los efectos de una entrada masiva de divisas (dólares), que suelen provenir del pago una materia prima en el mercado internacional como petróleo, cobre o el gas natural. Esta entrada acarrea una sobrevaluación de la moneda que, si no frena, va arruinando el aparato productivo, sobre todo el industrial.”.