Weaving the city

Marcelo Tramontano, Juliana Couto Trujillo , Juliano Veraldo da Costa Pita , Luciana Santos Roça, Sandra Schmitt Soster, Fernanda Marino Ferrari

Marcelo Tramontano é arquiteto, Doutor e Livre-docente em Arquitetura e Urbanismo, com Pós-doutorado em Arquitetura e Meios Digitais. É Professor Associado e pesquisador do Instituto de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (IAU-USP), onde coordena o Nomads.usp, Núcleo de Estudos de Habitares Interativos. É Editor-chefe da revista V!RUS.

Juliana Couto Trujillo é arquiteta e urbanista, Mestre em Estudos de Linguagem. Professora Adjunta da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, e Coordenadora do grupo de pesquisa algo+ritmo, e pesquisadora do Nomads.usp. Estuda processos digitais de projeto, cidades e cultura digital e políticas culturais com meios digitais.

Juliano Veraldo da Costa Pita é Mestre em Arquitetura e Urbanismo. Professor do Instituto Federal de São Paulo. Pesquisador do Nomads.usp. Estuda a área de projeto de Arquitetura, sua relação com a esfera pública e as implicações das novas tecnologias, sobretudo o uso de BIM.

Luciana Santos Roça é bacharel em Audiovisual, Mestre em Arquitetura e Urbanismo. Pesquisadora do Nomads.usp. Estuda intervenções sonoras em espaços públicos, procurando integrar os campos disciplinares de Estudos de Som e de Arquitetura.

Sandra Schmitt Soster é publicitária, arquiteta e urbanista, Mestre. Pesquisadora do Nomads.usp. Estuda o uso de meios digitais na gestão e preservação do patrimônio cultural.

Fernanda Marino Ferrari é arquiteta e urbanista. Pesquisadora do Nomads.usp. Estuda BIM, Cibernética, processo de projeto.


Como citar esse texto: TRAMONTANO, M.; PITA, J. V. C.; TRUJILLO, J. C.; ROÇA, L. S.; SOSTER, S. S.; FERRARI, F. M. Tecendo a cidade. (Editorial). V!RUS, São Carlos, n. 14, 2017. Disponível em: <http://www.nomads.usp.br/virus/virus14/?sec=1&item=1&lang=pt>. Acesso em: 29 Set. 2020.

Em sua existência milenar, o assentamento humano a que chamamos Cidade sempre resultou de disputas de poder. Ainda que, muito recentemente, os diversos grupos sociais que compõem as populações citadinas mundo afora tenham passado a reivindicar o direito de expressar-se sobre a vida urbana que almejam, é fato que a mundialização dos capitais acirrou tremendamente as disputas de poder em torno de sobrevalorizações deste território. A noção de cidade-mercado, que considera a terra urbana e os comportamentos de seus habitantes como potenciais geradores de lucro, é uma invenção do século XX que se extremiza em nossos dias, aprofundando desigualdades, reafirmando segregações, sofisticando instrumentos de controle, esboçando, em suma, futuros sombrios.

A edição número 14 da revista V!RUS traz reflexões sobre como tais processos são engendrados, mas também apresenta iniciativas e ações de resistência ao que Otília Arantes, Carlos Vainer e Ermínia Maricato denominaram de cidade do pensamento único, retomando a célebre expressão de Ignacio Ramonet. A cidade retratada nos trabalhos que temos o prazer de oferecer aqui à leitura é extremamente plural e combativa, e extrai sua energia de processos em geral colaborativos e transdisciplinares, fundamentados em pensamentos teóricos variados.

Recebemos um grande número de artigos em resposta à nossa chamada, confirmando a atualidade do tema e o grande interesse pelo assunto no meio acadêmico. Os vinte e um trabalhos selecionados para compor esta edição expressam visões plurais do tema, focalizando um belo mosaico de cidades no Brasil e no Exterior.

Reexames conceituais são apresentados por Fabíola Angotti, Marcelo Sbarra, Paulo Afonso Rheingantz e Rosa Maria Pedro [A cidade na perspectiva sociotécnica: ontologias políticas, agenciamentos urbanos e lugares híbridos], e Orlando Rangel Nunes [O pós-desenvolvimento como alternativa às experiências de governança urbana: o Buen Vivir]. A entrevista com Jean-Paul Thibaud, por Luciana Roça [As polifonias que tecem a cidade], aborda os sons da cidade como espaço de tecitura.

Lutas da sociedade organizada contra o modelo urbano neoliberal são discutidas por Laís Grossi de Oliveira [As redes na rede: articulações ativistas e mídia social], Felipe Soares, Marília Chaves, Bernardo Neves e Natacha Rena [Zona Cultural Praça da Estação, Belo Horizonte: conflitos entre estratégias de gentrificação do Estado-capital e táticas anti-gentrificação de movimentos sociais], e Janaina Pinheiro, Josiane Alves, Brenda de Castro e Rena Natacha [#NãoVaiTerNovaBH: linhas de fuga na produção da cidade neoliberal].

A qualificação dos espaços da cidade através de políticas urbanas é focalizada por Rodrigo Bonicenha e Francisco Comaru [Reabilitação de áreas centrais na cidade de São Paulo: uma revisitação ao PRIH-Luz], Maíra Nobre e Rafael Brandao [Muros: entre-lugares, usos e utilidades], Larissa Ramos e Luciana Neto de Jesus [Sistema de espaços livres de uso público: um estudo sobre o Grande Centro de Vila Velha], e, particularmente, sobre o patrimônio construído por Sandra Soster e Anja Pratschke [Tecendo a cidade: a quem a decisão de preservar?].

Equipamentos culturais como indutores de urbanidades são estudados por Andrei Barbosa da Silva [Rede de espaços públicos: as intervenções dos Parques-Bibliotecas no espaço informal de Medellín], Agnese Codebò [A arquiteta tecendo a cidade: a praxis de Lina Bo Bardi no SESC Pompeia], e Luciana Rocha e Adriane Silva [Os diálogos (geométricos) que Gehry estabelece com a cidade de Bilbao].

Dois aspectos bastante originais da mobilidade urbana são tratados por Ana Carolina Pires, Érika Kneib e Loyde AbreuHarbich [Impactos do espraiamento urbano na emissão de CO2: a Região Metropolitana de Goiânia], e Raphael Souza e Róber Botelho [O transporte público integrador: uma análise da acessibilidade no embarque de ônibus urbano].

Duas proposições de intervenção urbana duradoura são apresentadas por Adalberto de Paula e Gilfranco Alves [Cosmocria: interatividade e experiência em arquitetura], e André Barreto e Marília Dieb [Proposta de parque linear no rio Jaguaribe, entre os bairros de Miramar e Cabo Branco, João Pessoa].

Um conjunto de estimulantes experiências de ação urbana aproximando universidade, coletivos artísticos e comunidade é composto por trabalhos de Maria Cecília Tavares e Mariane Cardoso [Vislumbres no vazio: apropriações artísticas em espaços residuais de Aracaju], Bernardo Neves, Gustavo Tristão e Aleska Oliveira [Oficina de parklet: do direito à cidade ao planejamento insurgente em São João del-Rei], Rafaela Lessa, Daniel Mendonça, Rodrigo Delfino, Isabella Costa e Alain Gómez [Tubi or not tubi: a experiência do estudo de um território educativo em Tubiacanga, Rio de Janeiro], Anna Lúcia Silva, Carlos Sousa e Naggila Frota [Metáforas de uma tecitura urbana: estudo de caso no bairro Serrinha, Fortaleza], Virginia Braga, Ana Luiza Carvalho, Karla Maria Pereira e Cristiano Rodrigues [Balan(s)eio: instalação efêmera de caráter fenomenológico em São João Del Rei], e Eduardo Rocha, Carolina Clasen e Juan Tetamanti [Intervenção no bairro Dunas: por uma cartografia social dos encontros].

Somos gratos a todas as autoras e todos os autores e revisores por compartilhar suas pesquisas, ideias e opiniões, com energia e seriedade, contribuindo para fortalecer a V!RUS como locus de discussão e reflexão sobre a contemporaneidade.

Weaving the city

Marcelo Tramontano, Juliana Couto Trujillo , Juliano Veraldo da Costa Pita , Luciana Santos Roça, Sandra Schmitt Soster, Fernanda Marino Ferrari

Marcelo Tramontano is Doctor and Livre-Docente in Architecture and Urbanism, with a Post-Doctor degree in Architecture and Digital Media. He is Associate Professor and researcher at the Institute of Architecture and Urbanism of the University of Sao Paulo (IAU-USP), where he coordinates the Center for Interactive Living Studies, Nomads.usp. He is the Editor-in-chief of V!RUS journal.

Juliana Couto Trujillo is architect and urban planner,Master in Language Studies. She is an Adjunct Professor at the Federal University of Mato Grosso do Sul, and Coordinator of the algo+ritmo research group, and researcher at Nomads.usp. She studies digital design processes, cities and digital culture and cultural policies with digital media.

Juliano Veraldo da Costa Pita is Master in Architecture and Urbanism. He is Professor at the Federal Institute of São Paulo, and a researcher at Nomads.usp. He studies architectural design, its relation with the public sphere and the implications of the new technologies, especially the use of BIM.

Luciana Santos Roça is a Bachelor of Arts in Audiovisual, Master in Architecture and Urbanism. She is a researcher at Nomads.usp. She studies sound interventions in public spaces, seeking to integrate the disciplinary fields of Sound Studies and Architecture.

Sandra Schmitt Soster is advertiser, architect and Master in Architecture and Urbanism. She is researcher at Nomads.usp. She studies the use of digital media in the management and preservation of cultural heritage.

Fernanda Marino Ferrari is architect and urban planner. She is researcher at Nomads.usp. She studies BIM, Cybernetics, design process.


How to quote this text: Tramontano, M., Pita, J. V. C., Trujillo, J. C., Roça, L. S., Soster, S. S. and Ferrari, F. M. Weaving the city. (Editorial). V!RUS, 14. [online] Available at: <http://www.nomads.usp.br/virus/virus14/?sec=1&item=1&lang=en>. [Accessed: 29 September 2020].

In its millennial existence, the human settlement we call the City has always resulted from power struggles. Although very recently the various social groups that compose the city population around the world have gone on to claim the right to express themselves about the urban life they long for, it is a fact that the globalization of capital has tremendously intensified the power struggles around overvaluations of this territory. The notion of city-market, which considers urban land and the behaviors of its inhabitants as potential generators of profit, is an invention of the twentieth century that is accentuated nowadays, deepening inequalities, reaffirming segregation, sophisticating instruments of control, sketching, in short, gloomy futures.

The 14th issue of V!RUS journal brings reflections on how such processes are generated but also presents initiatives and actions of resistance to what Otília Arantes, Carlos Vainer, and Ermínia Maricato called a "city of unique thinking", taking up the famous expression of Ignacio Ramonet. The city portrayed in the works we are pleased to offer here to reading is extremely plural and combative, and extracts its energy from generally collaborative and transdisciplinary processes, based on various theoretical thoughts.

We received a large number of articles in response to our call, confirming the relevance of the topic and the high interest in the subject in the academic world. The twenty-one works selected for this edition express plural views of the theme, focusing on a beautiful mosaic of cities in Brazil and abroad.

Conceptual reviews are presented by Fabíola Angotti, Marcelo Sbarra, Paulo Afonso Rheingantz and Rosa Maria Pedro [The city in a sociotechnical perspective: political ontologies, urban assemblages and hybrid places], and Orlando Rangel Nunes [Post-development as an alternative to experiences of urban governance: the Buen Vivir]. The interview with Jean-Paul Thibaud, by Luciana Roça [The polyphonies which weave the city], approaches the sounds of the city as a weaving space.

The struggles of organized society against the neoliberal urban model are discussed by Laís Grossi de Oliveira, Felipe Soares, Marília Chaves, Bernardo Neves and Natacha Rena [Cultural Zone Praça da Estação, Belo Horizonte: conflicts among the State-Capital gentrification’ strategies and anti-gentrification tactics of urban movements networks], and Janaina Pinheiro, Josiane Alves, Brenda de Castro and Rena Natacha [#ThereWillBeNoNovaBH: escape lines in the production of the neoliberal city].

The qualification of the city's spaces through urban policies is focused by Rodrigo Bonicenha and Francisco Comaru [Rehabilitation of central areas in the city of Sao Paulo: revisiting the PRIH-Luz], Maíra Nobre and Rafael Brandao [Walls: in-between places, uses, and utilities], Larissa Ramos and Luciana Neto de Jesus, and particularly on the built heritage by Sandra Soster and Anja Pratschke [Weaving the city: to whom the decision to preserve?].

Cultural equipment as inductor of urbanities is studied by Andrei Barbosa da Silva [Public spaces network: the intervention of the Library-Parks into Medellin informal space], Agnese Codebò [The architect weaving the city: Lina Bo Bardi's praxis in the SESC Pompeia], and Luciana Rocha and Adriane Silva [The (geometrical) dialogs Gehry establishes with the city of Bilbao].

Two very original aspects of urban mobility are addressed by Ana Carolina Pires, Érika Kneib and Loyde Abreu-Harbich [Impacts of urban sprawl on CO2 emission: the Goiania Metropolitan Region case], and Raphael Souza and Róber Botelho [Integrating public transportation: an analysis of accessibility in urban buses boarding].

Enduring urban intervention proposals are presented by Adalberto de Paula and Gilfranco Alves [Cosmocria: interactivity and experience in architecture], and André Barreto and Marília Dieb [A proposed linear park at the Jaguaribe River between the João Pessoa neighborhoods of Miramar and Cabo Branco].

A collection of stimulating experiences of urban action connecting university, artistic collectives and community is composed of works of Maria Cecília Tavares and Mariane Cardoso [Glimpses in the void: artistic appropriations of residual areas in Aracaju], Bernardo Neves, Gustavo Tristão and Aleska Oliveira [Parklet workshop: from the right to the city to insurgent planning in São João del-Rei], Rafaela Lessa, Daniel Mendonça, Rodrigo Delfino, Isabella Costa and Alain Gómez [Tubi or not tubi: the experience of an educational territory study in Tubiacanga, Rio de Janeiro], Anna Lúcia Silva, Carlos Sousa and Naggila Frota [Urban weaving metaphors: a case study in Serrinha neighborhood, Fortaleza], Virginia Braga, Ana Luiza Carvalho, Karla Maria Pereira and Cristiano Rodrigues [Balan(s)eio: ephemeral installation with phenomenological character in São João Del Rei], and Eduardo Rocha, Carolina Clasen and Juan Tetamanti [Intervention at Dunas neighbourhood: for a social cartography of encounters].

We are grateful to all authors and reviewers for sharing their research, ideas, and opinions, with energy and seriousness, helping to strengthen V!RUS as a locus for discussion and reflection on the contemporaneity.